19/08/2018

Pianistas #57: Daniel Barenboim (1942-)


68 anos, no dia 19 de Agosto de 1950, deu-se a estreia em palco de Daniel Barenboim, como pianista. Na altura ainda não tinha 8 anos, o que dá um boa ideia de quão precoce foi, e cerca de 2 anos depois dava já recitais em Viena e Roma.

Em meados da década de 1960 começou a virar-se igualmente para a regência de orquestras, e será provavelmente nessa função que é mais facilmente reconhecido atualmente. Mas continua a ser um pianista, um dos melhores, e é como pianista que o trago aqui hoje. A interpretar obras de um compositor específico: tem brilhado a grande altura com compositores como Chopin, Liszt e Mozart, por exemplo, mas hoje ficamo-nos pelo grande compositor alemão do romantismo Johannes Brahms (1833-1897).


CDs



Johannes Brahms
Piano Sonata No.3 in F minor, Op.5. Four Ballads, Op.10.
Daniel Barenboim (piano)
Elatus 0927 49562-2

Johannes Brahms
Piano Concertos - No.1 in D minor, Op.15; No.2 in B flat major, Op.83.
Tragic Overture, Op.81. Academic Festival Overture, Op.80.
Variations on a Theme by Haydn.
Daniel Barenboim (piano)
Vienna Philharmonic Orchestra
John Barbirolli
EMI 476 939-2


YouTube



Daniel Barenboim
Daniel Barenboim / BBC / Wikipedia

12/08/2018

Compositores #133: John Cage (1912-1992)

Há exatamente 9 anos, neste dia 12 de Agosto, prometi que quando aqui voltasse a falar do compositor norte-americano John Cage aproveitaria para trazer à baila obras mais sonoras do que os famosos 4'33".

Henry Cowell (1897-1965) foi um dos professores de Cage e foi também quem, em 1938, aconselhou Cage a encontrar-se com o igualmente compositor Lou Harrison (1917-2003), ele próprio um antigo aluno de Cowell. Por curiosidade referira-se que Cage e Harrison tiveram ainda outro professor em comum, Arnold Schoenberg (1874-1951).

Henry Cowell e John Cage tinham em comum o gosto pela dança e pela música para instrumentos de percussão. Cage compôs várias obras para estes instrumentos e chegou mesmo a organizar um grupo de percussão para percorrer a costa oeste dos Estados Unidos, e que em muito ajudou à sua reputação como compositor, numa altura em que era ainda pouco conhecido (estávamos nos finais da década de 1930).

John Cage faleceu há 26 anos, no dia 12 de Agosto de 1992.


CD



John Cage
The Works for Percussion I
Credo in Us (two versions). Imaginary Landscapes I-V.
Percussion Group Cincinnati
CCM Percussion Ensemble
James Culley
Mode MODE229


YouTube




John Cage
Official Website / Casa da Música / Wikipedia

05/08/2018

Compositores #132: Christopher Gunning (1944-)

Christopher Gunning é um multipremiado compositor inglês, principalmente graças às suas composições para filmes (La Vie en Rose, que valeu um Prémio BAFTA a Gunning, Grace of Monaco, As Mãos do Estripador, Ascenção e Queda de Idi Amin) e séries de televisão (com destaque para Poirot, de Agatha Christie), não esquecendo os vários prémios que recebeu pela música que escreveu para um anúncio da Martini, algures na longínqua década de 1970.

Num registo mais sério, conta no curriculum com várias obras orquestrais (11 sinfonias, poemas sinfónicos, concertos para violino, guitarra, clarinete e um outro para flauta e pequena orquestra), um quarteto de cordas e um trio com piano.

Christopher Gunning celebra hoje o seu 74º aniversário.


CDs



Christopher Gunning
Guitar Concerto, 'Requerdos do Mallorca'. Concerto for Clarinet and String Orchestra.
Concerto for Flute and Small Orchestra.
Catherine Handley (flauta), Michael Whight (clarinete), Craig Ogden (guitarra)
Royal Philharmonic Orchestra
Christopher Gunning
Discovery Music and Vision DMV104

Christopher Gunning
Symphony No.5. String Quartet No.1.
Juno Quartet
Royal Philharmonic Orchestra
Christopher Gunning
Discovery Music and Vision DMY105
(2008)


YouTube




Christopher Gunning
Christopher Gunning Composer / IMDb / Wikipedia




29/07/2018

Compositores #131: Mikis Theodorakis (1925-)

A Grécia tem sido notícia frequente nos últimos anos, e raramente por bons motivos. Além dos desastres naturais (e outros não tão naturais como isso), tem sofrido da crise política e económica criada por políticos que supostamente tinham sido eleitos para promover o bem estar das populações. Mikis Theodorakis, que passa por ser o mais internacionalmente conhecido compositor grego em atividade, não deixou de, por mais de uma vez, dar um saltinho à política, tentando ajudar a remediar algumas das asneiradas feitas pelos pouco escrupulosos políticos profissionais lá do burgo.

Hoje, dia em que Theodorakis celebra o seu 93º aniversário, trago aqui umas gravações em que algumas obras da sua autoria são interpretadas por orquestras dirigidas pelo maestro suíço Charles Dutoit (1936-). Este último, por sinal, com atividades extracurriculares bem menos recomendáveis do que as do compositor...


CD



Mikis Theodorakis
Adagio for Solo Flute, String Orchestra and Percussion. Zorbas - Suite-ballet.
Carnaval - Suite-ballet.
Montreal Symphony Chorus
Montreal Symphony Orchestra
Philharmonia Orchestra
Charles Dutoit
Decca 475 6130


YouTube



Mikis Theodorakis
BBC / AllMusic / Wikipedia

22/07/2018

Concertos para Clarinete #1: Concerto para Clarinete Nº2, de Louis Spohr

O alemão Johann Simon Hermstedt (1778-1846), que foi um dos mais proeminentes clarinetistas da primeira metade do século XIX, fez, no Verão de 1807, uma visita ao compositor Louis Spohr (1784-1859) para lhe encomendar um concerto para o seu instrumento, a ser estreado no Festival de Sondershausen (que foi um Principado até 1918). O sucesso deste Concerto para Clarinete Nº1 de Spohr foi imediato, e suficientemente grande para que, não muito tempo depois, Hermstedt tenha voltado à carga a exigir nova dose a Spohr.

A edição do Festival de Frankenhausen contou assim com a estreia do Concerto para Clarinete Nº2 de Louis Spohr, no dia 22 de Julho de 1810, passam hoje 208 anos. Louis Spohr foi mesmo uma das grandes figuras desse festival, pois era já nessa altura um reputadíssimo violinista e maestro.


CD



Louis Spohr
'The Forgotten Master'
Clarinet Concertos - No.1 in C minor, Op.26; No.2 in E flat major, Op.57;
No.3 in F minor, WoO19; No.4 in E minor, WoO20.
Paul Meyer (clarinete)
Lausanne Chamber Orchestra
Paul Meyer
Alpha ALPHA605
(2012)


YouTube



Louis Spohr
Classic Cat / BBC / AllMusic / Wikipedia

15/07/2018

Guitarristas #4: Julian Bream (1933-)

A guitarra não é propriamente dos primeiros instrumentos que nos vêm à cabeça quando falamos de música clássica, mas tem beneficiado ao longo dos tempos da contribuição de alguns notáveis guitarristas, que trouxeram para o primeiro plano um conjunto importante de obras escritas para esse instrumento. Um deles é o nosso aniversariante de hoje, o inglês Julian Bream, nascido há 85 anos, no dia 15 de Julho de 1933.

A importância de Bream vê-se, por exemplo, pelo conjunto de obras que foram compostas para ele, com especial destaque para as de compositores britânicos (Benjamin Britten, Malcolm Arnold, William Walton, Lennox Berkeley, Alan Rawsthorne, etc.). Bream distinguiu-se também na interpretação de obras de compositores espanhóis, e são destes as que aparece a tocar nos vídeos que incluo a seguir.


YouTube




Julian Bream
Bach Cantatas Website / The Guardian / BBC / Wikipedia

08/07/2018

Pianistas #56: Benjamin Grosvenor (1992-)


Em 2011 o pianista britânico Benjamin Grosvenor, que hoje celebra o seu 26º aniversário, tornou-se no mais jovem solista de sempre a aparecer na noite de abertura dos Proms. Na ocasião tocou o Concerto para Piano Nº2 de Franz Liszt (1811-1886), o que não deixa de ser curioso, se nos lembrarmos de que se trata de uma obra que o próprio compositor tentou evitar que fosse tocada em público.

Benjamin Grosvenor irá regressar aos Proms este ano mas, infelizmente, não passará aqui pelo nosso retângulo. Já por cá esteve no ano passado, contudo, com apresentações na Gulbenkian e na Casa da Música. O mais perto que estará este ano será em Madrid, em Outubro, no âmbito de um Ciclo de Grandes Intérpretes.


YouTube




Benjamin Grosvenor
Benjamin Grosvenor / Hazard Chase / The Guardian / Wikipedia

30/06/2018

Barítonos #7: Renato Capecchi (1923-1998)

A ópera cómica italiana, geralmente conhecida como ópera bufa, contou com as colaborações de nomes como Wolfgang Amadeus Mozart (1756-1791), Gioachino Rossini (1792-1868) e Gaetano Donizetti (1797-1848). A sua popularidade foi decrescendo ao longo do século XIX, com Falstaff, de Giuseppe Verdi (1813-1901), como última grande representante do género.

O barítono italiano Renato Capecchi, apesar de ter tido um repertório bem mais alargado do que isso, ficou para a história como um dos grandes intérpretes das óperas bufas, nomeadamente das de Verdi. No dia em que se assinalam os 20 anos do seu falecimento ficamos precisamente com Capecchi e Verdi, nalguns registos absolutamente históricos.


CD



Giuseppe Verdi
La Forza del Destino
Maria Callas (soprano), Richard Tucker (tenor), Carlo Tagliabue (barítono),
Nicola Rossi-Lemeni (baixo),Elena Nicolai (meio-soprano), Renato Capecchi (barítono),
Plinio Clabassi (baixo), Rina Cavallari (meio-soprano), Gino del Signore (tenor),
Dario Caselli (baixo)
Choro del Teatro Alla Scala, Milano
Orchestra del Teatro Alla Scala
Tullio Serafin
EMI 7 47581-8
(1954)


YouTube



Renato Capecchi
A Conversation with Bruce Duffie / The New York Times / Wikipedia

17/06/2018

SACDs #27: Igor Stravinsky, Apollon musagète & Pulcinella Suite

Na mitologia grega o deus Apolo tinha nove musas, que tinham como principal atributo o servirem de inspiração às criações artística e científica. Na segunda metade da década de 1920 o compositor russo Igor Stravinsky (1882-1971) recebeu uma encomenda da patrona das artes Elizabeth Sprague Coolidge (1864-1953) para compor música para um bailado. Escreveu essa obra entre o final de 1927 e Janeiro do ano seguinte, e uma vez que já lhe tinha anteriormente passado pela cabeça compor algo baseado na mitologia grega, aproveitou esta oportunidade e agarrou-se à história do deus grego Apolo.

Provavelmente devido a restrições de tempo, uma vez que lhe foi explicitamente solicitado que a obra não ultrapassasse os 30 minutos de duração, apenas 3 das 9 musas de Apolo aparecem nesta obra: Calíope, musa da eloquência; Polímnia, musa da música sacra, e Terpsícore, musa da dança.

Igor Stravinsky nasceu há 136 anos, no dia 17 de Junho de 1882.




Igor Stravinsky
Apollon musagète. Pulcinella - Suite.
Chamber Orchestra of Europe
Alexander Janiczek
Linn Records CKD330
(2008)

Internet



Igor Stravinsky
Biography / AllMusic / Wikipedia

11/06/2018

Pianistas #55: Denis Matsuev (1975-)

Sergei Rachmaninov (1873-1943) é um dos compositores em maior destaque no repertório do pianista, igualmente russo, Denis Matsuev, o nosso aniversariante do dia, dado ter nascido a 11 de Junho de 1975.

A ligação de Matsuev à obra de Rachmaninov ultrapassa em muito a mera interpretação das suas obras: Matsuev é, desde 2008 e a convite de um neto do compositor, o diretor artístico da Fundação Sergei Rachmaninov. Dessa ligação resultou, nomeadamente, a gravação de um disco com obras menos conhecidas deste compositor, editado em 2007 e um extraordinário disco, por sinal.


CD



Unknown Rachmaninov
Sergei Rachmaninov
Piano Sonata No.2, Op.36. Etudes-tableaux, Op.39 - No.2; No.6; No.9.
24 Preludes - Op.23 No.5; Op.32 No.12.
Denis Matsuev (piano)
RCA Red Seal 88697 11591-2


YouTube



Denis Matsuev
Denis Matsuev / Russiapedia / Wikipedia

03/06/2018

Oboístas #1: Albrecht Mayer (1965-)

A Orquestra Filarmónica de Berlim tem no seu seio extraordinários instrumentistas, como seria de esperar numa das melhores orquestras do mundo, dando-se o caso de alguns deles manterem em paralelo bem sucedidas carreiras a solo. O clarinetista Andreas Ottensamer (1989-) e o oboísta Albrecht Mayer são disso excelentes exemplos. Este último celebra hoje o seu 53º aniversário, pelo que é o nosso convidado especial, ficando Andreas Ottensamer para outra ocasião (também há-de fazer anos...).

Há meia dúzia de anos Mayer investiu algum do seu tempo a procurar novas obras para o seu instrumento, escritas preferencialmente no período clássico. Segundo o próprio nos explica, dessa investigação resultou a descoberta de cerca de 120 obras para oboé, de compositores pouco ou nada conhecidos. Para o seu disco "Lost and Found" seleccionou obras de 4 compositores, qual deles o mais desconhecido, mas obras com valor suficiente para que este tenha sido um dos melhores discos dos últimos anos dedicados ao oboé.


CD



'Lost and Found'
Franz Hoffmeister
Oboe Concerto in C major
Ludwig August Lebrun
Oboe Concerto No.2 in G minor
Josef Fiala
Cor anglais Concerto in C major
Jan Antonín Kozeluch
Oboe Concerto in F major
Albrecht Mayer (oboé)
Potsdam Chamber Academy
Deutsche Grammophon 479 2942
(2013)


YouTube




Albrecht Mayer
Berliner Philharmoniker / Deutsche Grammophon / Wikipedia

26/05/2018

Sonatas para Piano #5: Sonata para Piano Nº3, de Michael Tippett

Michael Tippett (1905-1998) não foi um compositor prolífico, tendo-nos deixado um número relativamente pequeno de obras. As destinadas ao piano, em particular, contam-se com poucos dedos: um Concerto, quatro Sonatas e a Fantasia Sobre um Tema de Handel. Não são muitas, mas são suficientemente demonstradoras da carreira do compositor, indo da segunda metade da década de 1930 (Sonata para Piano Nº1) até 1984 (Sonata para Piano Nº4), cobrindo assim quase 5 décadas da sua atividade criadora.

Hoje, dia em que passam 45 anos sobre a sua estreia, trago aqui a Sonata para Piano Nº3, composta entre 1972 e 1973. Apesar de conter vários movimentos/secções é suposto ser tocada como se se tratasse de um único movimento contínuo.


CDs



Michael Tippett
Piano Concerto. Fantasy on a Theme of Handel. Piano Sonatas.
Steven Osborne (piano)
BBC Scottish Symphony Orchestra
Martyn Brabbins
Hyperion CDA67461/2
(2006, 2007)

Michael Tippett
Piano Sonatas Nos.1-3.
Nicholas Unwin
Chandos CHAN9468
(1995)


YouTube



Michael Tippett
The Telegraph / Independent / Wikipedia

19/05/2018

Pianistas #54: Menahem Pressler (1923-)

Há menos de uma semana referi aqui por estas bandas o pianista Menahem Pressler, a propósito da sua presença no Beaux Arts Trio, em que esteve desde a fundação, em 1955, até à dissolução, em 2008. Ou seja, quando o trio cessou a atividade Menahem Pressler tinha 85 anos. Seria de pensar que o homem aproveitaria a oportunidade para iniciar o gozo de uma merecida reforma, mas não senhor, decidiu prosseguir com uma carreira a solo!

A nossa pianista Maria João Pires (1944-), que simpaticamente partilhamos com os nossos amigos brasileiros, por outro lado, anunciou que a digressão que está a realizar este ano será a última, deixando após isso de aparecer nas salas de concerto. Uma das paragens, a última em Espanha, desta digressão foi esta semana, em Madrid, no Auditório Nacional de Música onde, com a Orquestra de Paris sob a direcção de Daniel Harding (1975-), interpretou o 3º Concerto para Piano de Ludwig van Beethoven (1770-1827). Pois adivinhem com quem é que ela se cruzou nessa cidade?! Menahem Pressler, pois claro, que se encontrava igualmente em Madrid para um recital... E desse encontro Maria João Pires deixou um registo para a posteridade na sua página no Facebook:



YouTube

13/05/2018

Violoncelistas #18: Bernard Greenhouse (1916-2011)

O Beaux Arts Trio foi um grupo norte-americano (trio...) que esteve activo mais de 50 anos, entre 1955 e 2008, tendo conhecido várias formações mas mantido sempre o mesmo pianista ao longo dos anos, Menahem Pressler (1923-). Que, diga-se, em vez da reforma merecida optou por continuar com uma carreira a solo... Da formação original fizeram ainda parte o violinista Daniel Guilet (1899-1990) e o violoncelista Bernard Greenhouse.

Este último faleceu há precisamente 7 anos, no dia 13 de Maio de 2011, ocasião que aproveito então para aqui deixar uns registos de interpretações de um dos (muitos) compositores em que se distinguiram: Ludwig van Beethoven (1770-1827). Refira-se que o violoncelista do grupo quando este cessou a actividade era o brasileiro António Meneses, que tive a oportunidade de ver ao vivo num recital que deu na Casa da Música em Março de 2009.


CD



Ludwig van Beethoven
Complete Piano Trios
Beaux Arts Trio
Philips 468 411-2


YouTube



Bernard Greenhouse
New York Times / The Guardian / Wikipedia

06/05/2018

Poetas #14: Maurice Maeterlinck (1862-1949)

O título deste texto é um pouco (bastante...) redutor, dado que o belga Maurice Maeterlinck, além de poeta, foi dramaturgo e ensaísta. Foi também bastante bom a copiar obras de outros, como o provam as acusações de plágio relacionadas com a sua obra La Vie des Termites, publicada em 1926. Voltando às coisas positivas, e que felizmente abundam, merecem realce os vários e importantes prémios atribuídos a Maeterlinck, com destaque para o Nobel da Literatura em 1911, assim como também, para mim, deveremos assinalar o facto de variadíssimas obras deste autor terem servido de base / inspiração para obras musicais.

Uma delas foi indubitavelmente Pelléas et Mélisande, uma peça que escreveu em 1892 e que teve a sua estreia nos palcos (parisienses) no dia 17 de Maio de 1893. A lista de compositores que nela se inspiraram é deveras impressionante:

Claude Debussy (1862-918) - ópera
Gabriel Fauré (1845-1924) - suite orquestral
Arnold Schoenberg (1874-1951) - poema sinfónico
Jean Sibelius (1865-1957) - música de cena
William Wallace (1860-1940) - suite para orquestra

Maurice Maeterlinck faleceu há 69 anos, no dia 6 de Maio de 1949.


CDs




William Wallace
Creation Symphony in C sharp minor. Prelude To The Eumenides.
Pelléas and Mélisande Suite.
BBC Scottish Symphony Orchestra
Martyn Brabbins
Hyperion CDA66987
(1997)

Claude Debussy
Pelléas et Mélisande
Wolfgang Holzmair, Laurent Naouri, Jérôme Varnier (barítonos), Anne Sofie von Otter,
Florence Couderc (soranos), Alain Vernhes (baixo), Hanna Schaer (meio-soprano)
Radio France Chorus
French National Orchestra
Bernard Haitink
Naïve V4923
(2001)

Arnold Schoenberg
Pelleas und Melisande
Richard Wagner
Siefried Idyll
Orchestra of the Deutsche Opera
Christian Thielemann
Deutsche Grammophon 469 008-2

Jean Sibelius
Symphonies - No.4, Op.63 and No.7, Op.105. Tapiola, Op.112.
Suite from 'Pelléas et Melisande', Op.46.
Royal Philharmonic Orchestra
Thomas Beecham
BBC Legends BBCL4041-2


YouTube





Maurice Materlinck
Nobelprize.org / Encyclopaedia Britannica / Wikipedia