17/06/2018

SACDs #27: Igor Stravinsky, Apollon musagète & Pulcinella Suite

Na mitologia grega o deus Apolo tinha nove musas, que tinham como principal atributo o servirem de inspiração às criações artística e científica. Na segunda metade da década de 1920 o compositor russo Igor Stravinsky (1882-1971) recebeu uma encomenda da patrona das artes Elizabeth Sprague Coolidge (1864-1953) para compor música para um bailado. Escreveu essa obra entre o final de 1927 e Janeiro do ano seguinte, e uma vez que já lhe tinha anteriormente passado pela cabeça compor algo baseado na mitologia grega, aproveitou esta oportunidade e agarrou-se à história do deus grego Apolo.

Provavelmente devido a restrições de tempo, uma vez que lhe foi explicitamente solicitado que a obra não ultrapassasse os 30 minutos de duração, apenas 3 das 9 musas de Apolo aparecem nesta obra: Calíope, musa da eloquência; Polímnia, musa da música sacra, e Terpsícore, musa da dança.

Igor Stravinsky nasceu há 136 anos, no dia 17 de Junho de 1882.




Igor Stravinsky
Apollon musagète. Pulcinella - Suite.
Chamber Orchestra of Europe
Alexander Janiczek
Linn Records CKD330
(2008)

Internet



Igor Stravinsky
Biography / AllMusic / Wikipedia

11/06/2018

Pianistas #55: Denis Matsuev (1975-)

Sergei Rachmaninov (1873-1943) é um dos compositores em maior destaque no repertório do pianista, igualmente russo, Denis Matsuev, o nosso aniversariante do dia, dado ter nascido a 11 de Junho de 1975.

A ligação de Matsuev à obra de Rachmaninov ultrapassa em muito a mera interpretação das suas obras: Matsuev é, desde 2008 e a convite de um neto do compositor, o diretor artístico da Fundação Sergei Rachmaninov. Dessa ligação resultou, nomeadamente, a gravação de um disco com obras menos conhecidas deste compositor, editado em 2007 e um extraordinário disco, por sinal.


CD



Unknown Rachmaninov
Sergei Rachmaninov
Piano Sonata No.2, Op.36. Etudes-tableaux, Op.39 - No.2; No.6; No.9.
24 Preludes - Op.23 No.5; Op.32 No.12.
Denis Matsuev (piano)
RCA Red Seal 88697 11591-2


YouTube



Denis Matsuev
Denis Matsuev / Russiapedia / Wikipedia

03/06/2018

Oboístas #1: Albrecht Mayer (1965-)

A Orquestra Filarmónica de Berlim tem no seu seio extraordinários instrumentistas, como seria de esperar numa das melhores orquestras do mundo, dando-se o caso de alguns deles manterem em paralelo bem sucedidas carreiras a solo. O clarinetista Andreas Ottensamer (1989-) e o oboísta Albrecht Mayer são disso excelentes exemplos. Este último celebra hoje o seu 53º aniversário, pelo que é o nosso convidado especial, ficando Andreas Ottensamer para outra ocasião (também há-de fazer anos...).

Há meia dúzia de anos Mayer investiu algum do seu tempo a procurar novas obras para o seu instrumento, escritas preferencialmente no período clássico. Segundo o próprio nos explica, dessa investigação resultou a descoberta de cerca de 120 obras para oboé, de compositores pouco ou nada conhecidos. Para o seu disco "Lost and Found" seleccionou obras de 4 compositores, qual deles o mais desconhecido, mas obras com valor suficiente para que este tenha sido um dos melhores discos dos últimos anos dedicados ao oboé.


CD



'Lost and Found'
Franz Hoffmeister
Oboe Concerto in C major
Ludwig August Lebrun
Oboe Concerto No.2 in G minor
Josef Fiala
Cor anglais Concerto in C major
Jan Antonín Kozeluch
Oboe Concerto in F major
Albrecht Mayer (oboé)
Potsdam Chamber Academy
Deutsche Grammophon 479 2942
(2013)


YouTube




Albrecht Mayer
Berliner Philharmoniker / Deutsche Grammophon / Wikipedia

26/05/2018

Sonatas para Piano #5: Sonata para Piano Nº3, de Michael Tippett

Michael Tippett (1905-1998) não foi um compositor prolífico, tendo-nos deixado um número relativamente pequeno de obras. As destinadas ao piano, em particular, contam-se com poucos dedos: um Concerto, quatro Sonatas e a Fantasia Sobre um Tema de Handel. Não são muitas, mas são suficientemente demonstradoras da carreira do compositor, indo da segunda metade da década de 1930 (Sonata para Piano Nº1) até 1984 (Sonata para Piano Nº4), cobrindo assim quase 5 décadas da sua atividade criadora.

Hoje, dia em que passam 45 anos sobre a sua estreia, trago aqui a Sonata para Piano Nº3, composta entre 1972 e 1973. Apesar de conter vários movimentos/secções é suposto ser tocada como se se tratasse de um único movimento contínuo.


CDs



Michael Tippett
Piano Concerto. Fantasy on a Theme of Handel. Piano Sonatas.
Steven Osborne (piano)
BBC Scottish Symphony Orchestra
Martyn Brabbins
Hyperion CDA67461/2
(2006, 2007)

Michael Tippett
Piano Sonatas Nos.1-3.
Nicholas Unwin
Chandos CHAN9468
(1995)


YouTube



Michael Tippett
The Telegraph / Independent / Wikipedia

19/05/2018

Pianistas #54: Menahem Pressler (1923-)

Há menos de uma semana referi aqui por estas bandas o pianista Menahem Pressler, a propósito da sua presença no Beaux Arts Trio, em que esteve desde a fundação, em 1955, até à dissolução, em 2008. Ou seja, quando o trio cessou a atividade Menahem Pressler tinha 85 anos. Seria de pensar que o homem aproveitaria a oportunidade para iniciar o gozo de uma merecida reforma, mas não senhor, decidiu prosseguir com uma carreira a solo!

A nossa pianista Maria João Pires (1944-), que simpaticamente partilhamos com os nossos amigos brasileiros, por outro lado, anunciou que a digressão que está a realizar este ano será a última, deixando após isso de aparecer nas salas de concerto. Uma das paragens, a última em Espanha, desta digressão foi esta semana, em Madrid, no Auditório Nacional de Música onde, com a Orquestra de Paris sob a direcção de Daniel Harding (1975-), interpretou o 3º Concerto para Piano de Ludwig van Beethoven (1770-1827). Pois adivinhem com quem é que ela se cruzou nessa cidade?! Menahem Pressler, pois claro, que se encontrava igualmente em Madrid para um recital... E desse encontro Maria João Pires deixou um registo para a posteridade na sua página no Facebook:



YouTube

13/05/2018

Violoncelistas #18: Bernard Greenhouse (1916-2011)

O Beaux Arts Trio foi um grupo norte-americano (trio...) que esteve activo mais de 50 anos, entre 1955 e 2008, tendo conhecido várias formações mas mantido sempre o mesmo pianista ao longo dos anos, Menahem Pressler (1923-). Que, diga-se, em vez da reforma merecida optou por continuar com uma carreira a solo... Da formação original fizeram ainda parte o violinista Daniel Guilet (1899-1990) e o violoncelista Bernard Greenhouse.

Este último faleceu há precisamente 7 anos, no dia 13 de Maio de 2011, ocasião que aproveito então para aqui deixar uns registos de interpretações de um dos (muitos) compositores em que se distinguiram: Ludwig van Beethoven (1770-1827). Refira-se que o violoncelista do grupo quando este cessou a actividade era o brasileiro António Meneses, que tive a oportunidade de ver ao vivo num recital que deu na Casa da Música em Março de 2009.


CD



Ludwig van Beethoven
Complete Piano Trios
Beaux Arts Trio
Philips 468 411-2


YouTube



Bernard Greenhouse
New York Times / The Guardian / Wikipedia

06/05/2018

Poetas #14: Maurice Maeterlinck (1862-1949)

O título deste texto é um pouco (bastante...) redutor, dado que o belga Maurice Maeterlinck, além de poeta, foi dramaturgo e ensaísta. Foi também bastante bom a copiar obras de outros, como o provam as acusações de plágio relacionadas com a sua obra La Vie des Termites, publicada em 1926. Voltando às coisas positivas, e que felizmente abundam, merecem realce os vários e importantes prémios atribuídos a Maeterlinck, com destaque para o Nobel da Literatura em 1911, assim como também, para mim, deveremos assinalar o facto de variadíssimas obras deste autor terem servido de base / inspiração para obras musicais.

Uma delas foi indubitavelmente Pelléas et Mélisande, uma peça que escreveu em 1892 e que teve a sua estreia nos palcos (parisienses) no dia 17 de Maio de 1893. A lista de compositores que nela se inspiraram é deveras impressionante:

Claude Debussy (1862-918) - ópera
Gabriel Fauré (1845-1924) - suite orquestral
Arnold Schoenberg (1874-1951) - poema sinfónico
Jean Sibelius (1865-1957) - música de cena
William Wallace (1860-1940) - suite para orquestra

Maurice Maeterlinck faleceu há 69 anos, no dia 6 de Maio de 1949.


CDs




William Wallace
Creation Symphony in C sharp minor. Prelude To The Eumenides.
Pelléas and Mélisande Suite.
BBC Scottish Symphony Orchestra
Martyn Brabbins
Hyperion CDA66987
(1997)

Claude Debussy
Pelléas et Mélisande
Wolfgang Holzmair, Laurent Naouri, Jérôme Varnier (barítonos), Anne Sofie von Otter,
Florence Couderc (soranos), Alain Vernhes (baixo), Hanna Schaer (meio-soprano)
Radio France Chorus
French National Orchestra
Bernard Haitink
Naïve V4923
(2001)

Arnold Schoenberg
Pelleas und Melisande
Richard Wagner
Siefried Idyll
Orchestra of the Deutsche Opera
Christian Thielemann
Deutsche Grammophon 469 008-2

Jean Sibelius
Symphonies - No.4, Op.63 and No.7, Op.105. Tapiola, Op.112.
Suite from 'Pelléas et Melisande', Op.46.
Royal Philharmonic Orchestra
Thomas Beecham
BBC Legends BBCL4041-2


YouTube





Maurice Materlinck
Nobelprize.org / Encyclopaedia Britannica / Wikipedia

29/04/2018

Maestros #79: Malcolm Sargent (1895-1967)

Malcolm Sargent foi um maestro inglês reconhecido pela queda que tinha para as obras vocais, mas também pela incansável divulgação das obras dos seus compatriotas. Foi o maestro principal dos famosos Concertos Promenade, entre 1948 e 1967, ano da sua morte. Dirigiu inúmeras last nights dos Proms, devendo-se-lhe em grande parte a popularidade de que elas atualmente ainda gozam. Mas, se por um lado lá brilhou, por outro também fez brilhar, e foi no seu reinado que se verificaram as estreias nos Proms de alguns dos mais reputados maestros da altura, como Pierre Boulez (1925-2016), Carlo Maria Giulini (1914-2005), Bernard Haitink (1929-), Georg Solti (1912-1997) e Leopold Stokowski (1882-1977).

As composições de Edward Elgar (1857-1934) foram presença assídua nos concertos e nas gravações de Malcolm Sargent, e é com ambos que ficamos hoje, dia em que passam 123 anos sobre o nascimento deste maestro.


CD



Frederick Delius
Violin Concerto
Edward Elgar
Violin Concerto in B minor, Op.61.
Albert Sammons (violino)
Liverpool Philharmonic Orchestra, Malcolm Sargent
New Queen's Hall Orchestra, Henry Wood
Naxos Historical 8.110951
(1929, 1944)

Edward Elgar
Elgar's Interpreters on Record, Volume 5
The Dream of Gerontius (excerpts). Caractacus (excerpts). With Proud Thanksgiving.
I. Baillie, E. Suddaby (soranos), A. Desmond, M. Brunskill, M. Jarred (contratenores),
H. Nash, W. Widdop, E. Reach (tenores), A. Cranmer, E. Brown (barítonos),
H. Stevens, K. Falkner (baixos)
Hallé Choir
Hallé Orchestra, Malcolm Sargent
City of Birmingham Symphony Orchestra, Stanford Robinson
Elgar Editions EECD003-5

Edward Elgar
Enigma Variations
Albert Coates
Purcell Suite
Gustav Holst
The Perfect Fool, Op.39
Georg Friedrich Handel
Messiah, HWV56 - Overture; Pastoral Symphony
Samuel Coleridge-Taylor
Othello Suite, Op.79.
London Symphony Orchestra
Malcolm Sargent
Beulah 2PD13


Youtube



Malcolm Sargent
Bach Cantatas Website / BBC / Wikipedia

22/04/2018

Pianistas #53: Arnaldo Cohen (1948-)

Concurso Internacional de Piano Ferruccio Busoni foi criado em 12 de Setembro de 1949 e teve a primeira edição nesse mesmo ano. O comité honorário foi composto por um conjunto absolutamente notável de pianistas, a saber: Claudio Arrau (1903-1991), Wilhelm Backhaus (1884-1969), Alfred Cortot (1877-1962), Walter Gieseking (1895-1956), Dinu Lipatti (1917-1950), Arturo Benedetti Michelangeli (1920-1995) e Artur Rubinstein (1887-1982).

Nessa primeira edição não foi atribuído o primeiro prémio, mas no quarto lugar ficou o pianista austríaco Alfred Brendel (1931-), que viria construir uma extraordinária carreira e que passa por ser um dos meus pianistas de eleição (entretanto já se retirou dos palcos). Nos segundo e terceiro lugares ficaram, respetivamente, Lodovico Lessona (1928-1972) e Rossana Orlandini, com carreiras bem mais modestas...

O vencedor em 1972 foi o aniversariante de hoje, o pianista brasileiro Arnaldo Cohen (nasceu no dia 22 de Abril de 1948). E é pelo Brasil que ficaremos, com Cohen a interpretar obras de vários seus compatriotas.


CD



Brasiliana
Three Centuries of Brazilian Music
Arnaldo Cohen (piano)
BIS CD-1121
(2000)


Youtube



Arnaldo Cohen
Arnaldo Cohen / Indiana University Bloomington / Wikipedia

15/04/2018

Maestros #78: Neville Marriner (1924-2016)

O maestro inglês Neville Marriner já por aqui passou várias vezes, nomeadamente aquando do seu 80º aniversário e, 12 anos volvidos, quando fomos surpreendidos com a notícia da sua morte. Deixou-nos um grande número de gravações, superior a 600, em que foi não poucas vezes acompanhado por alguns dos mais reputados solistas. Entre eles contou-se o pianista norte-americano Murray Perahia (1947-), que também tem sido frequente visita das salas de gravação, com uma já extensa lista de discos no cv...

Hoje, dia em que Marriner celebraria o seu 94º aniversário, ficamos com uma gravação em que dirige a sua Academy of St Martin in the Fields, orquestra por ele fundada em 1958, no Concerto para Piano e Orquestra Nº2 de Ludwig van Beethoven (1770-1827). O solista é, obviamente, Murray Perahia.


Youtube




Neville Marriner

Academy of St Martin in the Fields / Decca / The Telegraph / Wikipedia

08/04/2018

Sonatas para Piano #4: Sonata para Piano Nº6, de Sergei Prokofiev

Durante os anos em que decorreu a II Grande Guerra o compositor russo Sergei Prokofiev (1891-1953) compôs 3 sonatas para piano que ficaram para a história como as "Sonatas da Guerra". A primeira delas, a sonata nº6 em lá maior, op.82, foi composta entre 1939 e 1940, antes, portanto, da invasão da União Soviética pelas forças nazis.

A estreia, no dia 8 de Abril de 1940, passam hoje 78 anos, ficou a cargo do lendário pianista soviético Sviatoslav Richter (1915-1997). As obras de Prokofiev tiveram sempre um destaque especial no repertório de Richter, e foram várias as obras do compositor estreadas por este pianista.

Não será de espantar, portanto, que as gravações de Richter constem da "short list" das melhores desta sonata, e é com ele que ficamos hoje, que a vez dos outros há-de chegar...


CD



Sergei Prokofiev
Piano Sonatas Nos.2 in D minor, Op.14; 6 in A major, Op.82; 9 in C major, Op.103.
Sviatoslav Richter (piano)
Praga PR50015


Youtube



Sergei Prokofiev
BBC / ALLMUSIC / CMUSE / Wikipedia

01/04/2018

Compositores #130: Sergei Rachmaninov (1873-1943)

O russo Sergei Rachmaninov, sobejamente conhecido como compositor, foi também um extraordinário pianista, um dos maiores do seu tempo. Quando se mudou para os Estados Unidos, em Novembro de 1918, apenas alguns dias antes do fim da 1ª Grande Guerra, começou por se dedicar principalmente à carreira de pianista, por ser a forma mais rápida de assegurar rendimentos que lhe permitissem viver nesse país.

Não é de espantar que as peças para piano tenham um lugar de destaque no conjunto da sua obra: além das peças para piano solo (a rondar umas 7 dezenas), efetuou transcrições para piano de obras de outros compositores e escreveu 4 concertos para esse instrumento. Felizmente para nós, Rachmaninov é um daqueles casos em que temos a oportunidade de ouvir o compositor a interpretar as suas próprias obras, através de várias gravações que estão disponíveis no mercado.

Pois é com Rachmaninov a tocar Rachmaninov que ficamos hoje, dia em que passam 145 anos sobre a data do seu nascimento, ocorrido a 1 de Abril de 1873.


CD



Sergei Rachmaninov
Rachmaninov Plays Rachmaninov
Piano Concertos - No.1 in F sharp minor, Op.1 (ver. 1917); No.2 in C minor, Op.18;
No.3 in D minor, Op.30; No.4 in G minor, Op.40. Rhapsody on a Theme of Paganini
in A minor, Op.43. Morceaux de fantaisie, Op.3. Etudes-Tableaux, Op.33.
Sergei Rachmaninov (piano)
Living Era AJD2014


Internet



Sergei Rachmaninov
Boosey and Hawkes / Royal Opera House / Wikipedia

18/03/2018

Barítonos #6: Alfred Poell (1900-1968)

Alfred Poell desde cedo demonstrou uma apetência por tudo o que tem a ver com a garganta: primeiro andou uns bons anos a estudar medicina, com especialização nessa parte do corpo humano para, logo de seguida, abandonar a carreira médica e dedicar-se à musical, como barítono...

Apesar de ter aparecido em vários palcos europeus, a sua carreira concentrou-se principalmente em duas cidades: Düsseldorf (Alemanha), onde se estreou em 1929 e manteve até ao final da década de 1930, e Viena (Áustria), a partir de 1940 e até ao final da sua carreira.

Salientou-se em vários compositores mas, se me perguntassem, eu destacaria dois: Wolfgang Amadeus Mozart (1756-1791) e Richard Strauss (1864-1949), sendo que são deste último as gravações que incluo a seguir.

Alfred Poell nasceu há 118 anos, no dia 18 de Março de 1900.


CDs



Richard Strauss
Die Frau ohne Schatten
H. Hopf, K. Terkal. M. Dickie (tenores), L. Rysanek, C. Goltz, J. Hellwig (sopranos),
L. Weber, K. Böhme, Alfred Poell, E. Waechter (baítonosrs), E. Höngen (meio-soprano),
H. Rössl-Majdan (contralto)
Vienna State Opera Chorus
Vienna State Opera Orchestra
Karl Böhm
Orfeo d'Or C668 053D
(1955)

Richard Strauss
Der Rosenkavalier
Maria Reining, Lisa della Casa, Hilde Gueden, Judith Hellwig (sopranos), Kurt Boehme,
Alfred Poell (barítonos), Laszlo Szemere, Karl Terkal (tenoress), Sieglinde
Wagner (contralto)
Vienna State Opera Chorus
Vienna Philharmonic Orchestra
Clemens Krauss
Guild GHCD2293-5
(1953)


Internet



Alfred Poell
Bach Cantatas Website / Wikipedia

11/03/2018

Maestros #77: Georg Solti (1912-1997)

O maestro húngaro Georg Solti começou a trabalhar como assistente na Ópera de Budapeste na década de 1930, numa época que se adivinhava perigosa para alguém como ele, de origem judaica. A estreia como maestro principal aconteceu no dia 11 de Março de 1938, ainda em Budapeste, passam hoje 80 anos. Com o estalar da guerra teve que abandonar a Hungria, tendo passado a residir em Zurique. O retomar da carreira musical, curiosamente, não se deu como maestro mas como pianista, tendo mesmo chegado a ser duas vezes premiado no Concurso Internacional de Genebra (Concours de Genève), com um segundo prémio em 1941 e um primeiro no ano seguinte.

Entre 1969 e 1991 foi o maestro principal da Orquestra Sinfónica de Chicago, e foi perto do final do seu reinado nessa orquestra que a levou a Budapest, sua cidade natal e onde fez a referida estreia como maestro. O vídeo abaixo é um testemunho precioso desse concerto.


Internet



Georg Solti
Decca Classics / Georg Solti Accademia / Bach Cantatas Website / Wikipedia

04/03/2018

Maestro #76: Jesús López Cobos (1940-2018)

Natural de Zamora, Espanha, o maestro Jesús López Cobos deixou-nos um importante conjunto de gravações, nomeadamente de obras de compositores seus compatriotas. Entre 2010 e 2017 foi o diretor musical do Teatro Real de Madrid, tendo anteriormente, entre 1986 e 2001, desempenhado função semelhante na Orquestra Sinfónica de Cincinnati.

Em Março de 2015 este maestro cruzou-se com a música e músicos portugueses, num concerto no John F. Kennedy Center for the Performing Arts, em Washington, que contou os fadistas Carminho e Camané, num programa que incluiu ainda, e inevitavelmente, compositores espanhóis, na ocasião Joaquín Turina (1882-1949) e Isaac Albéniz (1860-1909).

López Cobos faleceu na passada sexta-feira, dia 2 de Março.


CDs



Claude Debussy
Ibéria
Joaquín Turina
Danzas fantásticas, Op.22. Sinfonia sevillana, Op.23. La Procesión del Rocio, Op.9.
Cincinnati Symphony Orchestra
Jesús López Cobos
Telarc CD80574

Ramón Carnicer
Elena e Constantino
Ruth Rosique, Mariola Cantarero (sopranos), Robert McPherson, Saimir Pirgu,
Eduardo Santamaria (tenores), Lorenzo Regazzo (baixo), David Menéndez (barítono)
Chorus of the Teatro Real, Madrid
Orchestra of the Teatro Real, Madrid
Jesús López Cobos
Dynamic
CDS619/1-2

Nocturnos de Andalucía
Lorenzo Palomo
Nocturnos de Andalucía
Joaquín Rodrigo
Concierto de Aranjuez
Joaquín Malats
Serenata española
Christoph Denoth (guitarra)
London Symphony Orchestra
Jesús López Cobos
Signum SIGCD444


Internet



Jesús López Cobos
Jesús López Cobos / Gramophone / The New York Times / Wikipedia