23/03/2019

Compositores #137: Michael Nyman (1944-)

O compositor inglês Michael Nyman escreveu a banda sonora de vários filmes do realizador Peter Greenaway (1942-), a saber: The Draughtsman's Contract (1982), A Zed and Two Noughts (1985), Drowning by Numbers (1988), The Cook, the Thief, His Wife and Her Lover (1989) e Propero's Books (1991).

Há quase 5 anos falei aqui da história d'O Cozinheiro, o Ladrão, a Sua Mulher e o Amante Dela, aquando do 72º aniversário de Greenaway. Hoje, dia em que Michael Nyman celebra o seu 75º aniversário, chega a vez de aqui trazer The Draughtsman's Contract, que marca a primeira colaboração entre estes dois britânicos.

O enredo do filme, não surpreendentemente, envolve esposas insatisfeitas, artistas por satisfazer, ligações perigosas e assassínios. Para a banda sonora, Nyman usou como ponto de partida obras do também compositor inglês Henry Purcell (1659-1695).


CD



Michael Nyman
An Eye for a Difference
The Draughtsman's Contract - An Eye for Optical Theory; Queen of the Night.
La Traversée de Paris. And Do They Do. The Piano. Plotting For the Shopkeeper.
Carrington.
London Saxophonic
Tring International TRING007


YouTube




Michael Nyman
Michael Nyman / IMDb / Wikipedia

16/03/2019

Maestros #83: Václav Talich (1883-1961)

Só nos fica bem, neste dia em que passam 58 anos sobre o seu falecimento, recordarmos aqui o grande maestro, violinista e pedagogo checo Václav Talich. Destacamos, em particular, a sua atividade como maestro e os largos anos que passou à frente da Orquestra Filarmónica Checa, entre 1919 e 1941.

Talich aproveitou essa passagem para promover incessantemente as obras dos compositores seus compatriotas, e não será descabido dizer que, se eles gozam hoje de um notável reconhecimento internacional, tal se deve em boa medida à ação deste maestro. Com ele, as obras de compositores checos como Antonín Dvorák (1841-1904), Leos Janácek (1854-1928), Bedrich Smetana (1824-1884) ou Josef Suk (1874-1935) ganharam novas vidas.


CD



'Great Conductors of the 20th Century - Vaclav Talich'
Georg Benda
Symphony for String Orchestra in B flat.
Antonín Dvorák
Symphony No.9 in E minor, 'From the New World'. The Water Goblin.
Leos Janácek
The Cunning Little Vixen - Suite (arr. Talich).
Wolfgang Amadeus Mozart
Symphony No.33 in B flat, K319.
Vitezslav Novák
Moravian-Slovak Suite: Amorous Couple, Op.32.
Bedrich Smetana
Prague Carnival - Introduction; Polonaise. Ma Vlast - Sarka.
Josef Suk
Serenade for String Orchestra, Op.6.
Piotr Ilyich Tchaikovsky
Suite No.4 in G, Op.61.
Czech Philharmonic Orchestra
Slovak Philharmonic Orchestra
Václav Talich
EMI 5 75483-2


YouTube




Václav Talich
Supraphon / AllMusic / Wikipedia

10/03/2019

Maestros #82: Michael Gielen (1927-2019)


O falecimento do compositor e maestro austríaco Michael Gielen, ocorrido anteontem, foi pouco ou nada noticiado, o que não deixa de ser surpreendente dada a relevância que teve, nomeadamente, na divulgação da música contemporânea. Em ternos de relevância, aliás, a sua faceta de maestro sobrepôs-se claramente à de compositor. Além dos compositores do século XX, como Iannis Xenakis (1922-2001), Béla Bartók (1881-1945), Kurt Weill (1900-1950) e Igor Stravinsky (1882-1971), Gielen destacou-se ainda na interpretação de um dos meus compositores de eleição, o seu compatriota Anton Bruckner (1824-1896).


CD



'Michael Gielen Edition, Vol.2'
Anton Bruckner
Symphonies - No.1 in C minor (Vienna version 1890/91); No.2 in C minor (1877 version);
No.3 in D minor (2nd version 1876/77); No.4 in E flat major (1st version 1874);
No.5 in B flat major (1878 original version); No.6 in A major (1881 original version);
No.7 in E major (1883 original version); No.8 in C minor (1st version 1887);
No.9 in D minor (1894 original version).
SWR Baden-Baden and Freiburg Symphony Orchestra
Saarbrucken Radio Symphony Orchestra
Michael Gielen
SWR Music SWR19014CD


YouTube




Michael Gielen
Gramophone / A Conversation with Bruce Duffie / Wikipedia

04/03/2019

Compositores #136: Peteris Plakidis (1947-2017)


A vida e obra do compositor letão Peteris Plakidis estão intimamente ligadas a Riga, capital da Letónia. Foi lá que nasceu, no dia 4 de Março de 1947, passam hoje 72 anos, e foi para a Orquestra Sinfónica Nacional da Letónia, baseada naquela cidade, que escreveu uma boa parte das suas obras. Pianista de créditos firmados, foi como compositor, contudo, que mais se salientou, tendo recebido vários e importantes prémios no seu país. Nunca chegou, todavia, a conseguir o mesmo nível de reconhecimento fora do seu país natal.


CD



Peteris Plakidis
Music for Piano, Strings and Timpani. Songs for Wind and Blood.
Concerto for Two Oboes and Strings. Concerto-Ballad.
Antra Bigaca (meio-soprano), Uldis Urbans, Vilnis Pelnens (oboés),
Andris Pauls, Dzintars Beitans (violinos), Peteris Plakidis (piano)
Riga Chamber Players
Normunds Sne
Toccata Classics TOCC0004
(1999)


YouTube




Peteris Plakidis
Musica Baltica / Wikipedia

24/02/2019

Obras Orquestrais #37: Chamber Symphony, de Thomas Adès

Nem sempre o resultado final é aquele que se imaginou quando se iniciou a criação de algo, e sabemos de vários casos, no que à composição musical diz respeito, em que tal se verificou. Um deles foi seguramente o da Sinfonia de Câmara do compositor inglês Thomas Adès (1971-) que, tal como o próprio explica na apresentação da obra, nasceu para ser um concerto para clarinete baixo, e acabou como sendo uma sinfonia para 15 instrumentos, embora com natural saliência para aquele instrumento.

A estreia teve lugar há 28 anos, no dia 24 de Fevereiro de 1991. Uma das gravações de referência desta obra é da responsabilidade do maestro também inglês Simon Rattle (1955-), a dirigir a Orquestra Sinfónica da Cidade de Brimingham. Um posto que lhe granjeou enorme prestígio e que lhe proporcionou o ter estado à frente da Orquestra Filarmónica de Berlim cerca de 20 anos, até Junho do ano passado.


CD



Thomas Adès
Asyla. …but all shall be well. Chamber Symphony, Op.2.
Concerto conciso. These Premises are Alarmed.
Thomas Adès (piano)
Birmingham Contemporary Music Group
City of Birmingham Symphony Orchestra
Simon Rattle, Thomas Adès
EMI 5 56818-2
(1998)


YouTube




Thomas Adès
Thomas Adès / Faber Music / Wikipedia

17/02/2019

Compositores #135: Oskar Merikanto (1868-1924)


Quando falamos de compositores finlandeses em geral, ou mesmo apenas dos do século XIX em particular, o nome de Oskar Merikanto dificilmente será dos primeiros a virem à baila. Claro que o facto de ter sido um exato contemporâneo de Jean Sibelius (1865-1957) não ajudou muito à sua causa... Não será obviamente o facto de aparecer aqui neste canto obscuro que o irá tirar das trevas, mas ninguém poderá afirmar que não tentei...

Oskar Merikanto faleceu há 95 anos, no dia 17 de Fevereiro de 1924.

Nota: Como, e muito bem, alguém escreveu nos comentários, os discos incluídos não se referem a Merikanto pai (Oskar), mas a Merikanto filho (AArre), ele também compositor. As obras do filho têm sido um pouco mais felizardas em disco, com interpretações de qualidade superior. Isso e a minha asneirada resultaram numa involuntária homenagem simultânea a pai e filho...


SACD



Oskar Merikanto
Symphonies - No.1 in B minor, Op.5; No.3.
Turku Philharmonic Orchestra
Petri Sakari
Alba ABCD336
(2010)


YouTube




Oskar Merikanto
AllMusic / Arkiv Music / Wikipedia

10/02/2019

Sopranos #28: Inga Nielsen (1946-2008)


Foi em 1971 que a soprano dinamarquesa Inga Nielsen fez a sua estreia profissional, mas foi nas décadas de 1970 e 1980 que mais sobressaiu, com presenças nalguns dos mais importantes palcos mundiais. Nos quais, tanto quanto sei, não se incluíram os portugueses; Inga Nielsen passou por Lisboa, poucos dias antes da sua morte, mas para participar num colóquio, aquando da estreia da ópera Das Märchen do compositor português Emmanuel Nunes (1941-2012).

Inga Nielsen faleceu há 11 anos, no dia 10 de Fevereiro de 2008.


CD



Inga Nielsen
Voices - Live and Studio Recordings 1952-2007
Chandos CHAN10444


YouTube



Inga Nielsen
Bach Cantatas Website / Oberon's Grove / Wikipedia

03/02/2019

CDs #240: Mendelssohn - Complete Organ Sonatas

Henry Cephas Lincoln foi um construtor de órgãos inglês que, após um período de aprendizagem na firma Flight and Robson, passou, aí por volta de 1810, a trabalhar na do pai, e foi também por isso que passou a vida a fabricar órgãos... Um deles, e porventura o mais emblemático que construiu, foi o órgão que ainda hoje se encontra na Ballroom do Palácio de Buckingham, aquele T775 que fica ali para os lados de Westminster.


O compositor alemão Felix Mendelssohn (1809-1847) visitou por 10 vezes a Grã-Bretanha, a primeira delas em 1829 e a última em 1847, o ano da sua morte. No decorrer dessas visitas Mendelssohn teve a oportunidade de tocar várias vezes no Palácio de Buckingham para a Rainha Vitória (1819-1901) e para o Príncipe Alberto (1819-1861), mas nunca no referido órgão, pois este, apesar de construído em 1818, só na década de 1850 foi transferido para aquele palácio.

Problema esse que não se colocou ao pianista inglês William Whitehead (1970-), que não desaproveitou a oportunidade para, em Abril de 2009, pôr as mãos nesse órgão e gravar este excelente disco que aqui trago hoje, dia em que passam 210 anos sobre o nascimento de Mendelssohn.




Felix Mendelssohn
Organ Sonatas, Op.65 - No.1 in F minor; No.2 in C minor; No.3 in A major;
No.4 in B flat major; No.5 in D major; No.6 in D minor.
William Whitehead (órgão)
Chandos CHAN10532
(2009)


YouTube



Felix Mendelssohn
Encyclopaedia Britannica / Casa da Música / Wikipedia

27/01/2019

Maestros #81: Erich Kleiber (1890-1956)


Na discografia, não muito longa, do maestro austríaco Erich Kleiber, há um compositor que rapidamente sobressai pelo número de (extraordinárias) gravações a que teve direito: Ludwig van Beethoven (1770-1827). E assim, 13 anos após a primeira aparição neste canto e no dia em que se assinalam os 63 anos do seu falecimento, voltamos a este maestro, pai do igualmente reputado maestro Carlos Kleiber (1930-2004).


CDs



Ludwig van Beethoven
Symphonies - No.3 in E flat, 'Eroica', Op.55; No.5 in C minor, Op.67.
Royal Concertgebouw Orchestra
Erich Kleiber
Decca Legends 467 125-2
(1953)

Great Conductors of the 20th Century: Erich Kleiber
Ludwig van Beethoven
Symphony No.6 in F, 'Pastoral', Op.68.
Antonín Dvorák
Carnival Overture, Op.92.
Wolfgang Amadeus Mozart
Symphony No.40 in G minor, K550.
Franz Schubert
Symphony No.5 in B flat, D485.
Richard Strauss
Till Eulenspiegels lustige Streiche, Op.28.
Josef Strauss
Sphärenklänge, Op.235.
Johann Strauss II
Der Zigeunerbaron - Overture. Du und Du, Op.367.
Czech Philharmonic Orchestra, Erich Kleiber
Sinfonieorchester des Norddeutschen Rundfunks, Erich Kleiber
London Philharmonic Orchestra, Erich Kleiber
Vienna Philharmonic Orchestra, Erich Kleiber
EMI GROC 5 75115-2
(1929, 1948, 1949, 1953, 1955)

Ludwig van Beethoven
Fidelio - Overture, Op.72b.
Franz Schubert
Symphony No.9, 'Great', D944.
Alban Berg
Three Scenes from Wozzeck.
Annelies Kupper (soprano)
Cologne Radio Symphony Orchestra
Erich Kleiber
Medici Masters MM027-2
(1953, 1956)


YouTube





Erich Kleiber
Bach Cantatas Website / AllMusic / Wikipedia

19/01/2019

Obras Vocais #19: The Bells, de Sergei Rachmaninov


The Bells é uma obra vocal, por vezes apresentada como sinfonia vocal, do compositor russo Sergei Rachmaninov (1873-1943), composta em 1913 e estreada em Moscovo no dia 8 de Fevereiro do ano seguinte com a direção do próprio Rachmaninov.


Na sua origem está o poema homónimo do escritor norte-americano Edgar Allan Poe (1809-1849), apenas publicado postumamente, e de que Rachmaninov recebeu em 1907 uma cópia da tradução russa. Está visto que o poema o interessou suficientemente...:

I

Hear the sledges with the bells -
Silver bells!
What a world of merriment their melody foretells!
How they tinkle, tinkle, tinkle,
In the icy air of night!
While the stars that oversprinkle
All the heavens seem to twinkle
With a crystalline delight;
Keeping time, time, time,
In a sort of Runic rhyme,
To the tintinnabulation that so musically wells
From the bells, bells, bells, bells,
Bells, bells, bells -
From the jingling and the tinkling of the bells.

II

Hear the mellow wedding bells -
Golden bells!
What a world of happiness their harmony foretells!
Through the balmy air of night
How they ring out their delight!
From the molten-golden notes,
And all in tune,
What a liquid ditty floats
To the turtle-dove that listens, while she gloats
On the moon!
Oh, from out the sounding cells
What a gush of euphony voluminously wells!
How it swells!
How it dwells
On the Future! -how it tells
Of the rapture that impels
To the swinging and the ringing
Of the bells, bells, bells,
Of the bells, bells, bells, bells,
Bells, bells, bells -
To the rhyming and the chiming of the bells!

III

Hear the loud alarum bells -
Brazen bells!
What a tale of terror, now, their turbulency tells!
In the startled ear of night
How they scream out their affright!
Too much horrified to speak,
They can only shriek, shriek,
Out of tune,
In a clamorous appealing to the mercy of the fire,
In a mad expostulation with the deaf and frantic fire,
Leaping higher, higher, higher,
With a desperate desire,
And a resolute endeavor
Now -now to sit or never,
By the side of the pale-faced moon.
Oh, the bells, bells, bells!
What a tale their terror tells
Of despair!
How they clang, and clash, and roar!
What a horror they outpour
On the bosom of the palpitating air!
Yet the ear it fully knows,
By the twanging
And the clanging,
How the danger ebbs and flows;
Yet the ear distinctly tells,
In the jangling
And the wrangling,
How the danger sinks and swells,
By the sinking or the swelling in the anger of the bells -
Of the bells,
Of the bells, bells, bells, bells,
Bells, bells, bells -
In the clamor and the clangor of the bells!

IV

Hear the tolling of the bells -
Iron bells!
What a world of solemn thought their monody compels!
In the silence of the night,
How we shiver with affright
At the melancholy menace of their tone!
For every sound that floats
From the rust within their throats
Is a groan.
And the people -ah, the people -
They that dwell up in the steeple,
All alone,
And who tolling, tolling, tolling,
In that muffled monotone,
Feel a glory in so rolling
On the human heart a stone -
They are neither man nor woman -
They are neither brute nor human -
They are Ghouls:
And their king it is who tolls;
And he rolls, rolls, rolls,
Rolls
A paean from the bells!
And his merry bosom swells
With the paean of the bells!
And he dances, and he yells;
Keeping time, time, time,
In a sort of Runic rhyme,
To the paean of the bells,
Of the bells -
Keeping time, time, time,
In a sort of Runic rhyme,
To the throbbing of the bells,
Of the bells, bells, bells -
To the sobbing of the bells;
Keeping time, time, time,
As he knells, knells, knells,
In a happy Runic rhyme,
To the rolling of the bells,
Of the bells, bells, bells -
To the tolling of the bells,
Of the bells, bells, bells, bells,
Bells, bells, bells -
To the moaning and the groaning of the bells.


Apropriadamente, uma das melhores interpretações desta obra de Rachmaninov é da responsabilidade do maestro inglês Simon Rattle (1955-). E porquê apropriadamente? É que este maestro celebra hoje o seu 64º aniversário, e Edgar Allan Poe nasceu igualmente num dia 19 de Janeiro, mas de 1809.


CD



Sergei Rachmaninov
The Bells, Op.35. Symphonic Dances, Op.45.
Luba Orgonásová (soprano), Dmytro Popov (tenor), Mikhail Petrenko (baixo)
Berlin Radio Chorus
Berlin Philharmonic Orchestra
Simon Rattle
Warner Classics 984519-2
(2010, 2012)


YouTube




Sergei Rachmaninov
Classic fM / AllMusic / Wikipedia

Edgar Allan Poe
Poetry Foundation / The Poe Museum / Wikipedia

Simon Rattle
The Guardian / Encyclopaedia Britannica / Wikipedia

12/01/2019

Meios-sopranos #9: Elena Obraztsova (1939-2015)


Na passagem do quarto aniversário do seu falecimento, recordamos a grande meio-soprano russa Elena Obraztsova. Foi das primeiras cantoras líricas russas a ganhar fama internacional, tendo passado pelos maiores palcos dos Estados Unidos e da Europa (incluindo o lisboeta, passando a imodéstia...). Teve ainda a oportunidade de amadrinhar (para sossegar as mentes mais inquietas refira-se que esta palavra existe mesmo...) a estreia em palco da soprano sua compatriota Anna Netrebko (1971-), no Met de Nova Iorque em 2002.


CD



Sergei Prokofiev
The Gambler
Sergei Alexashkin (baixo), Luba Kazarnovskaya (soprano), Vladimir Galuzin,
Nikolai Gassiev, Yuri Laptev (tenores), Elena Obraztsova (meio-soprano),
Valery Lebed, Andrei Khramstov (baixos)
Chorus of the Kirov Opera
Orchestra of the Kirov Opera
Valery Gergiev
Philips 454 559-2
(1996)


YouTube



Elena Obraztsova
Elena Obraztsova / Bach Cantatas Website / Wikipedia

05/01/2019

Pianistas #60: Medtner, Michelangeli, Brendel, Pollini



Não sei se haverá um dia mundial dos pianistas, penso que não, mas, a haver, deveria ser o dia 5 de Janeiro. Por alguma caprichosa conjugação dos astros, há um conjunto absolutamente ímpar de pianistas que nasceram neste dia:

+ Nikolai Medtner, compositor e pianista russo, nascido a 5 de Janeiro de 1880
+ Arturo Benedetti Michelangeli, pianista italiano nascido a 5 de Janeiro de 1920
+ Alfred Brendel, pianista austríaco nascido a 5 de Janeiro de 1931
+ Maurizio Pollini, pianista italiano nascido a 5 de Janeiro de 1942

E continuando com as curiosidades: Michelangeli faria hoje 99 anos, Brendel faz 88 anos e Pollini faz 77 anos...

YouTube




Nikolai Medtner
Nikolai Medtner / Boosey and Hawks / Wikipedia

Arturo Benedetti Michelangeli
Arturo Benedetti Michelangeli / Musicians Gallery / Wikipedia

Alfred Brendel
Alfred Brendel / The Guardian / Wikipedia

Maurizio Pollini
Deutsche Grammophon / The Guardian / Wikipedia

29/12/2018

Quintetos de Cordas #1: Quinteto de Cordas Nº1, de Brahms



"Posso dizer-vos que nunca ouvi uma tão bela obra que fosse composta por mim". Foi desta forma modesta que, em 1882, Johannes Brahms (1833-1897) apresentou o seu primeiro quinteto de cordas ao editor Fritz Simrock (1837-1901), que a publicaria no ano seguinte. Destinada a um conjunto menos habitual de instrumentos, pois Brahms substituiu um dos violoncelos por uma viola pelo que, ao contrário dos usuais dois violinos, dois violoncelos e uma viola, optou por dois violinos, duas violas e um violoncelo. A estreia teve lugar há 136 anos, no dia 29 de Dezembro de 1882.


CD



Johannes Brahms
String Quintets - No.1 in F, Op.88; No.2 in G, Op.111.
Nash Ensemble
Onyx ONYX4043


YouTube




Johannes Brahms
Johannes Brahms WebSource / Bach Cantatas Website / Wikipedia

23/12/2018

Violoncelistas #20: Heinrich Schiff (1951-2016)


Problemas de saúde forçaram o austríaco Heinrich Schiff a deixar em 2008 o posto de regente da Orquestra de Câmara de Viena e, cerca de 2 anos depois, a abandonar definitivamente o seu instrumento de sempre, o violoncelo. Pelo caminho deixou-nos algumas gravações de referência do repertório para violoncelo, nomeadamente de obras de Johann Sebastian Bach (1685-1750), com que ficamos aqui no dia em que passam 2 anos sobre o seu falecimento.


CD



Johann Sebastian Bach
Solo Cello Suites, BWV1007-12
Heinrich Schiff (violoncelo)
EMI Double Forte 5 74179-2


YouTube



Heinrich Schiff
Bach Cantatas Website / The Guardian / Wikipedia

15/12/2018

Música de Câmara #2: Music for Pieces of Wood, de Steve Reich


Cinco músicos, cinco peças cilíndricas (ou não...) de madeira: depois de, em 1972, Steve Reich ter composto Clapping Music, no ano seguinte, e na mesma onda de escrever música para conjuntos de instrumentos o mais simples possíveis, compôs Music for Pieces of Wood, cujo nome dispensa grandes explicações.

A estreia aconteceu há 45 anos, no dia 15 de Dezembro de 1973.


CD



Steve Reich
Steve Reich and Musicians, Live 1977
Music for Pieces of Wood. Six Pianos. Violin Phase. Drumming. Pendulum Music.
J. Clayton (voc/elecs), P. Fraley (voc), S. Guibbory (vn), S. Reich (perc/pf/taop/elecs),
B. Becker, R. Hartenberger, J. Preiss (perc/pf/elecs), G. Velez (perc/pf), S. Chambers (pf)
Orange Mountain Music OMM0018


YouTube



Steve Reich
The Steve Reich Website / Boosey and Hawks / Wikipedia