06/02/2016

Obras Orquestrais #28: Scherzo Fantastique, de Igor Stravinsky

Alexander Siloti (1863-1945), ucraniano de nascença, foi uma importante figura do meio musical russo dos últimos anos do século XIX e das primeiras duas décadas do século XX; e só não o foi mais tempo porque decidiu mudar de ares pouco após o nascimento da União Soviética. A partir de 1921 assentaria arraiais em Nova Iorque, onde viveu até à data da sua morte, nos finais de 1945.

Siloti celebrizou-se como pianista, tendo construído uma assinalável carreira internacional, mas tal não o impediu de, paralelamente, ter sido um maestro de sucesso. Foi sob a sua batuta, nomeadamente, que, em Novembro de 1901, se deu a estreia do Concerto para Piano Nº2 de Sergei Rachmaninov (1873-1943); foi também com Siloti que, no dia 6 de Fevereiro de 1909, a cidade de São Petersburgo assistiu à estreia do Scherzo Fantastique.

Uma das primeiras obras do compositor russo Igor Stravinsky (1882-1971), o Scherzo Fantastique iria representar um marco decisivo na sua carreira: é que uma das apresentações desta obra, ainda em 1909, contou na assistência com o empresário Sergei Diaghilev (1872-1929), aquele dos famosos Ballets Russes. O resultado do encontro entre este dois foi um dos mais notáveis conjuntos de obras para bailado da história da música (O Pássaro de Fogo, Petrushka, A Sagração da Primavera, etc.).



CDs




Igor Stravinsky
Scherzo fantastique, Op.3. L'histoire du soldat - Suite. King of the Stars. Le chant du rossignol.
Cleveland Chorus
Cleveland Orchestra
Pierre Boulez
Deutsche Grammophon 471 197-2

Igor Stravinsky
The Firebird - suite (1945). Apollon musagète (1947 version). Scherzo fantastique, Op.3.
Royal Concertgebouw Orchestra
Riccardo Chailly
Decca 458 142-2
(1994, 1995)

Stravinsky conducts Stravinsky
Igor Stravinsky
The Firebird. Scherzo à la russe. Scherzo fantastique, Op.3. Fireworks, Op.4.
The Columbia Symphony Orchestra
Igor Stravinsky
CBS Masterworks MK 42432
(1961, 1962, 1963)

Igor Stravinsky
The Firebird. Scherzo fantastique.
WDR Symphony Orchestra
Jukka-Pekka Saraste
Profil PH11041


Internet



Igor Stravinsky
Igor Stravinsky Foundation / Boosey & Hawks / Wikipedia

Alexander Siloti
Bach Cantatas Website / Wikipedia

31/01/2016

CDs #239: Schubert Chamber Works

A música de câmara tem no compositor austríaco Franz Schubert (1797-1828) um dos seus melhores representantes, com um extenso e impressionante legado, que passa por sonatinas para violino e piano, trios de cordas, (15) quartetos e quintetos de cordas, além de diversas outras obras.

Em Maio de 1919, pouco depois do final da 1ª Grande Guerra, portanto, o compositor e violinista Adolf Busch (1891-1952) funda em Berlim o Quarteto Busch, que se manteria activo por mais de 32 anos, sendo apenas dissolvido nos finais de 1951 por motivos de saúde de Busch. Ao longo da sua carreira especializaram-se principalmente nos grandes representantes do período clássico, com incursões não tão frequentes quanto isso no período romântico, e contaram muita vezes com a colaboração de um já velho conhecido nosso, o pianista, igualmente austríaco, Rudolf Serkin (1903-1991).

Este triplo CD, que aqui trago no dia em que se assinala o 219º aniversário do nascimento de Shubert, conta precisamente com várias "formações Busch" a interpretar música de câmara do grande compositor austríaco; começa pelo próprio Quarteto Busch, aparecendo mais tarde Serkin em duas obras: um trio para piano e uma fantasia. As gravações datam todas da década de 1930.




Franz Schubert
String Quartets - G major, D887; B flat major, D112;
D minor, 'Death and the Maiden', D810.
Piano Trio in E flat major, D929. Fantasia in C major, D934.
Rudolf Serkin (piano)
Busch Quartet
Regis RRC3012
(1931, 1935, 1936, 1938)


Internet




Busch Quartet
allmusic / Wikipedia

Franz Schubert
allmusic / Franz-Schubert-Institut / Wikipedia

23/01/2016

Quartetos de Cordas #11: Quarteto de Cordas Nº3, de Elliott Carter

O Quarteto Juilliard foi formado em Nova Iorque em 1946, sendo a formação inicial composta pelos violinistas Robert Mann (1920-) e Robert Koff (1919-2005), pelo violoncelista Arthur Winograd (1920-2010) e pelo violista Raphael Hillyer (1914-2010). A formação ainda existe, naturalmente com outros membros, comemorando este ano o 70º aniversário. O último dos fundadores (e único que ainda está vivo) a sair do grupo foi Robert Mann, em 1997; ou seja, 51 anos depois de para lá ter entrado...

Olhando para a história deste grupo vê-se que há um compositor em particular que tem merecido desde sempre uma atenção especial: o norte-americano Elliott Carter (1908-2012), ele próprio a certa altura professor na Juilliard School de Nova-Iorque, local onde o quarteto se formou.

Elliott Carter venceu por duas vezes o Prémio Pulitzer, a segunda das quais com o Quarteto de Cordas Nº3, composto em 1971 e estreado no dia 23 de Janeiro de 1973, passam hoje 43 anos, pelos seus dedicatários: o Quarteto Juilliard.


CD



Elliott Carter
String Quartets - No.2; No.3; No.4.
Pacifica Quartet
Naxos 8.559363
(2008)


Internet



Juilliard Quartet
Juilliard String Quartet / Juilliard String Quartet's Classical Music App / Wikipedia

Elliott Carter
Official Website / Boosey & Hawks / Wikipedia

17/01/2016

Compositores #115: Ryuichi Sakamoto (1952-)


O japonês Ryuichi Sakamoto, que hoje celebra o seu 64º aniversário, começou por ser notado no mundo da música nos finais da década de 1970, como membro do grupo de música electrónica Yellow Magic Orchestra. Ao mesmo tempo iniciou, e mantém até aos dias de hoje, uma carreira a solo, nomeadamente como compositor, teclista, cantor, produtor e actor.

Uma das áreas em que tem registado mais sucesso tem sido na composição de bandas sonoras para filmes, que já lhe valeram um prémio BAFTA, dois Globos de Ouro e um Óscar. O primeiro filme para que compôs a música foi Merry Christmas, Mr. Lawrence, realizado em 1983 pelo igualmente japonês Nagisa Oshima (1932-2013), e que contou no elenco com, entre outros, o próprio Sakamoto e o recentemente falecido David Bowie (1947-2016).


CD



Ryuichi Sakamoto
'Three'.
Happy End. The Last Emperor. Bibo No Aozora. High Heels. Seven Samurai.
A Flower is not a Flower. Still Life in A. Nostalgia. Tango.
Merry Christmas, Mr. Lawrence. Ichimei (Harakiri - Death of a Samurai).
Tamago 2004. Parolibre.
Ryuichi Sakamoto (piano), Judy Kang (violino), Jacques Morelenbaum (violoncelo)
Decca 373 6645
(2011)


Internet



Ryuichi Sakamoto
siteSakamoto / Ryuichi Sakamoto / Wikipedia

David Bowie
David Bowie / Wikipedia

10/01/2016

Concertos para Violino #12: Concerto para Violino, de Frederick Delius

Embora inglês de nascimento, a vida do compositor Frederick Delius (1862-1934) foi passada maioritariamente fora do seu país natal: entre 1884 e 1886 viveu na Flórida (Estados Unidos), onde tentou, sem sucesso, dedicar-se à agricultura (!!!), após o que passou um ano e meio em Leipzig, onde, aí sim, se dedicou ao estudo da música. A mudança para Paris deu-se logo de seguida, e seria precisamente em França que Delius iria passar a maior parte da sua vida.

Durante o decorrer da 1ª Grande Guerra, contudo, Delius teve que se mudar para Inglaterra, e aí enfrentou tempos difíceis: é que a sua obra, já largamente reconhecida na Europa continental, era desconhecida dos britânicos, pelo que lhe foi muito complicado viver da música durante os anos da guerra.

Não admira, assim, que mal esta tenha terminado Delius se tenha movido de novo de armas e bagagens para França. Uma das primeiras obras a ver a luz do dia nesta nova fase da sua vida foi o Concerto para Violino, escrito ainda durante os tempos da guerra, em 1916, mas estreado apenas no dia 10 de Janeiro de 1919, passam hoje 97 anos. Na ocasião o violinista foi o dedicatário da obra, Albert Sammons (1886-1957), tendo a regência da Royal Philharmonic Orchesta ficado a cargo de Adrian Boult (1889-1983), todos velhos conhecidos nossos.


CD



Frederick Delius
Violin Concerto.
Edward Elgar
Violin Concerto in B minor, Op.61.
Albert Sammons (violino)
Liverpool Philharmonic Orchestra, Malcolm Sargent
New Queen's Hall Orchestra, Henry Wood
Naxos Historical 8.110951
(1944, 1929)


SACD



Frederick Delius
Concerto for Violin, Cello and Orchestra. Violin Concerto. Cello Concerto.
Tasmin Little (violino), Paul Watkins (violoncelo)
BBC Symphony Orchestra
Andrew Davis
Chandos CHSA5094
(2010)


Internet



Frederick Delius
Delius Society / Naxos / Wikipedia

01/01/2016

Concertos para Piano #17: Concerto para Piano, de Robert Schumann

1840 foi um ano em que o compositor alemão Robert Schumann (1810-1856) se dedicou principalmente à música vocal, sendo desse ano algumas das suas mais significativas composições dentro desse género (Dichterliebe, Lieder und Gesänge I, Liederkreis Op.24 & Op.39, etc.).


Depois de várias tentativas nunca terminadas, em 1841 deu início à composição daquele que viria a ser o seu primeiro e único concerto para piano. E que, curiosamente, nem sequer começou como tal: na verdade, a obra nasceu como uma Fantasia para Piano e Orquestra. Por sugestão (solicitação?) de Clara Schumann (1819-1896), pianista e esposa do compositor, aquela fantasia acabaria por se tornar no primeiro andamento do Concerto para Piano, que Schumann terminaria em 1845.

A estreia, a 1 de Janeiro de 1846, passam hoje 170 anos, contou com a própria Clara Schumann no piano e com o dedicatário da obra, o maestro Ferdinand Hiller (1811-1885), à frente da orquestra.


CDs








Robert Schumann
Piano Concerto in A minor, Op.54. Piano Quintet in E flat, Op.44.
Maria João Pires (piano), Augustin Dumay, Renaud Capuçon (violinos), Gérard Caussé (viola), Jian Wang (violoncelo)
Chamber Orchestra of Europe
Claudio Abbado
Deutsche Grammophon 463 179-2
(1997, 1999)

Robert Schumann
Piano Concerto in A minor, Op.54. Carnaval, Op.9. Waldszenen, Op.82 - Vogel als Prophet.
Myra Hess (piano)
Orchestra
Walter Goehr
Naxos Historical 8.110604


Robert Schumann
Piano Concerto in A minor, Op.54.
Franz Schubert
Piano Trio No.1 in B flat, D898.
Artur Schnabel (piano), Joseph Szigeti (violino), Pierre Fournier (violoncelo)
New York Philharmonic Symphony Orchestra
Pierre Monteux
Music and Arts CD1111
(1943, 1947)

Robert Schumann
Piano Concerto in A minor, Op.54.
Edvard Grieg
Piano Concerto in A minor, Op.16.
Camille Saint-Saëns
Piano Concerto No.2 in G minor, Op.22.
Howard Shelley (piano)
Orchestra of Opera North
Howard Shelley
Chandos CHAN10509
(2008)

Robert Schumann
Piano Concerto in A minor, Op.54.
Ludwig van Beethoven
Piano Sonata No.30 in E major, Op.109. Variations and Fugue on an Original Theme, 'Eroica', Op.35.
Annie Fischer (piano)
Cologne Radio Symphony Orchestra
Joseph Keilberth
ICA Classics ICAC5062
(1958, 1957)

Robert Schumann
Piano Concerto in A minor, Op.54.
Wolfgang Amadeus Mozart
Symphony No.40 in G minor, K550.
Gerhard Oppitz (piano)
NDR Symphony Orchestra
Günter Wand
Profil PH13030
(1983, 1990)

Edvard Grieg
Piano Concerto in A minor, Op.16.
Robert Schumann
Piano Concerto in A minor, Op.54.
Stephen Kovacevich (piano)
BBC Symphony Orchestra
Colin Davis
Philips 50 Great Recordings 464 702-2

Edvard Grieg
Piano Concerto in A minor, Op.16.
Robert Schumann
Piano Concerto in A minor, Op.54.
Leif Ove Andsnes (piano)
Berlin Philharmonic Orchestra
Mariss Jansons
EMI 5 57562-2

Ludwig van Beethoven
Triple Concerto in C, Op.56.
Robert Schumann
Piano Concerto in A minor, Op.54.
Martha Argerich (piano), Renaud Capuçon (violino), Mischa Maisky (violoncelo)
Orchestra della Svizzera Italiana
Alexandre Rabinovitch-Barakovsky
EMI Classics 5 57773-2

Johannes Brahms
Piano Concerto No.2 in B flat minor, Op.83.
Robert Schumann
Piano Concerto in A minor, Op.54.
Artur Rubinstein (piano)
Orchestra Sinfonica di Torino della RAI, André Cluytens
Orchestra A. Scarlatti di Napoli della RAI, Franco Caracciolo
Arts Archives 43081-2
(1962, 1964)

Richard Strauss
Ein Heldenleben, Op.40.
Robert Schumann
Piano Concerto in A minor, Op.54.
Claude Debussy
Prélude à l'après-midi d'un faune.
Malcolm Frager (piano)
Staatskapelle Dresden
Rudolf Kempe
Profil PH08053

"The Art of Julius Katchen, Volume 3".
Johannes Brahms
Piano Concertos - No.1 in D minor, Op.15; No.2 in B flat, Op.83.
Robert Schumann
Piano Concerto in A minor, Op.54. Fantasie in C, Op.17.
Julius Katchen (piano)
Israel Philharmonic Orchestra, István Kertész
London Symphony Orchestra, Pierre Monteux
Decca 460 828-2

'Reflection'.
Robert Schumann
Piano Concerto in A minor, Op.54.
Clara Schumann
Drei Lieder, Op.12 - Er ist gekommen; Warum willst du and're fragen?; Am Strande.
Johannes Brahms
Cello Sonata No.1 in E minor, Op.38. Two Rhapsodies, Op.79.
Hélène Grimaud (piano), Anne Sofie von Otter (meio-soprano), Truls Mork (violoncelo)
Staatskapelle Dresden
Esa-Pekka Salonen
Deutsche Grammophon 477 5719

Edvard Grieg
Piano Concerto in A minor, Op.16.
Robert Schumann
Piano Concerto in A minor, Op.54.
Franz Liszt
Fantasia on Hungarian Folk Themes, S123.
Cutner Solomon (piano)
Philharmonia Orchestra
Herbert Menges, Walter Susskind
Testament SBT1231

Felix Mendelssohn
A Midsummer Night's Dream - Overture.
Richard Wagner
Die Meistersinger - Prelude to Act III.
Wolfgang Amadeus Mozart
Symphony No.40 in G minor, K550.
Robert Schumann
Piano Concerto in A minor, Op.54.
Moura Lympany (piano)
Royal Philharmonic Orchestra
Thomas Beecham
Somm SOMM-BEECHAM19


SACDs



Felix Mendelssohn
Symphony No.3 in A minor, 'Scottish', Op.56. The Hebrides (Fingal's Cave), Op.26.
Robert Schumann
Piano Concerto in A minor, Op.54.
Maria João Pires (piano)
London Symphony Orchestra
John Eliot Gardiner
LSO Live LSO0765
(2014)

Edvard Grieg
Piano Concerto in A minor, Op.16.
Robert Schumann
Piano Concerto in A minor, Op.54.
Janne Mertanen (piano)
Gävle Symphony Orchestra
Hannu Koivula
Alba ABCD356


Internet



Robert Schumann
Arkiv Music / allmusic / Naxos / Wikipedia

24/12/2015

Poetas #8: Louis Aragon (1897-1982)

Louis Aragon, Louis Andrieux de nascença, foi um poeta e romancista francês, membro fundador do movimento surrealista, em conjunto com os escritores e poetas André Breton (1896-1966) e Philippe Soupault (1897-1990). Após a adesão ao Partido Comunista, em 1927, acabou por abandonar o surrealismo, virando-se para a exaltação do comunismo, através de vários romances devidamente revolucionários.

Aragon não escapou às agruras da 2ª Guerra Mundial, tendo sido mobilizado logo em 1939, e vindo depois a tornar-se membro da Resistance. Mais tarde celebraria a resistência francesa em diversos textos, nomeadamente em La Diane française, uma colecção de poemas de que faz parte, por exemplo, La Rose et le Réséda:

Celui qui croyait au ciel
Celui qui n'y croyait pas
Tous deux adoraient la belle
Prisonnière des soldats
Lequel montait à l'échelle
Et lequel guettait en bas
Celui qui croyait au ciel
Celui qui n'y croyait pas
Qu'importe comment s'appelle
Cette clarté sur leur pas
Que l'un fut de la chapelle
Et l'autre s'y dérobât
Celui qui croyait au ciel
Celui qui n'y croyait pas
Tous les deux étaient fidèles
Des lèvres du coeur des bras
Et tous les deux disaient qu'elle
Vive et qui vivra verra
Celui qui croyait au ciel
Celui qui n'y croyait pas
Quand les blés sont sous la grêle
Fou qui fait le délicat
Fou qui songe à ses querelles
Au coeur du commun combat
Celui qui croyait au ciel
Celui qui n'y croyait pas
Du haut de la citadelle
La sentinelle tira
Par deux fois et l'un chancelle
L'autre tombe qui mourra
Celui qui croyait au ciel
Celui qui n'y croyait pas
Ils sont en prison Lequel
A le plus triste grabat
Lequel plus que l'autre gèle
Lequel préfère les rats
Celui qui croyait au ciel
Celui qui n'y croyait pas
Un rebelle est un rebelle
Deux sanglots font un seul glas
Et quand vient l'aube cruelle
Passent de vie à trépas
Celui qui croyait au ciel
Celui qui n'y croyait pas
Répétant le nom de celle
Qu'aucun des deux ne trompa
Et leur sang rouge ruisselle
Même couleur même éclat
Celui qui croyait au ciel
Celui qui n'y croyait pas
Il coule il coule il se mêle
À la terre qu'il aima
Pour qu'à la saison nouvelle
Mûrisse un raisin muscat
Celui qui croyait au ciel
Celui qui n'y croyait pas
L'un court et l'autre a des ailes
De Bretagne ou du Jura
Et framboise ou mirabelle
Le grillon rechantera
Dites flûte ou violoncelle
Le double amour qui brûla
L'alouette et l'hirondelle
La rose et le réséda

Foi também durante essa guerra que o compositor francês Francis Poulenc (1899-1963) compôs e publicou Deux Poemes de Louis Aragon, que incluo mais abaixo numa interpretação do soprano francês Régine Crespin (1927-2007). Ou de como a guerra acabou por juntar a música de um católico fervoroso aos poemas de um comunista convicto...

Louis Aragon faleceu há 33 anos, no dia 24 de Dezembro de 1982.


CD



Hector Berlioz
Les nuits d'été, Op.7.
Maurice Ravel
Shéhérazade.
Claude Debussy
Trois chansons de Bilitis.
Francis Poulenc
Banalités. Deux poèmes de Louis Aragon.
Régine Crespin (soprano), John Wustman (piano)
L'Orchestre de la Suisse Romande
Ernest Ansermet
Decca Legends 460 973-2


Internet



Louis Aragon
PoemHunter.com / poetica / Wikipedia

Francis Poulenc
The Official Website / Bach Cantatas Website / Naxos / Wikipedia

13/12/2015

Sinfonias #53: Symphony of Psalms, de Igor Stravinsky

Serge Koussevitzky (1874-1951) foi o maestro principal da Orquestra Sinfónica de Boston entre 1924 e 1949, o que dá uma boa ideia do sucesso que teve por aquelas bandas. O concerto inaugural dessa orquestra teve lugar no dia 22 de Outubro de 1881, pelo que à data das celebrações do 50º aniversário era Koussevitzky o seu principal regente. Para assinalar condignamente essa data o nosso maestro não se fez rogado na lista de compras, tendo encomendado obras a alguns dos mais importantes compositores: Howard Hanson, Paul Hindemith, Sergei Prokofiev, Maurice Ravel, Albert Roussel. A esta lista deveremos acrescentar ainda Igor Stravinsky (1882-1971) que, para o efeito, escreveu a Symphony of Psalms.

Curiosamente, a estreia acabaria por ter lugar em Bruxelas, no dia 13 de Dezembro de 1930, passam hoje 85 anos, com a Orquestra da Sociedade Filarmónica local a ser dirigida pelo nosso já bem conhecido Ernest Ansermet (1883-1969). A cidade de Boston apenas a ouviria 6 dias depois...


CDs




Igor Stravinsky
Symphony of Psalms. Symphony in Three Movements. Symphonies of Wind Instruments.
Berlin Radio Chorus
Berlin Philharmonic Orchestra
Pierre Boulez
Deutsche Grammophon 457 616-2

Igor Stravinsky
Symphony of Psalms. Les Noces. Threni: The Lamentations of Jeremiah.
A. Wells, J. Moffat (sopranos), S. Bickley, J. Lane (meios-sopranos), M. Hill, J. Cornwell (tenores)
A. Ewing, D. Wilson-Johnson, M. Robson (baixos)
Tristan Fry Percussion Ensemble
Simon Joly Chorale
Philharmonia Orchestra
Robert Craft
Koch International Classics KICCD7514

Igor Stravinsky
Symphony of Psalms. Cantata on old English texts. Mass. Babel. Credo. Pater noster. Ave Maria.
Mary Ann Hart (meio-soprano), Thomas Bogdan (tenor), David Wilson-Johnson (narrador), Michael Parloff, Bart Feller (flautas)
S. Taylor (oboé), M. Feld (cora), F. Sherry (violoncelo)
Gregg Smith Singers
Simon Joly Chorale
Philharmonia Orchestra
St Luke's Orchestra
Robert Craft
Naxos 8.557504
(1992, 1995, 2001, 2002)

Igor Stravinsky
Symphony in Three Movements. Symphony of Psalms. Symphony in C.
Berlin Radio Choir
Berlin Philharmonic Orchestra
Simon Rattle
EMI 2 07630-0


Internet



Igor Stravinsky
Igor Stravinsky Foundation / Boosey & Hawkes / Wikipedia

06/12/2015

Maestros #66: Nikolaus Harnoncourt (1929-)

Violoncelista de formação, Nikolaus Harnoncourt começou a dirigir orquestras por volta de 1970, contava na altura cerca de 40 anos de idade. Se atendermos a que hoje, 45 anos depois, ainda continua a dirigi-las, ficamos com uma boa ideia da longevidade do maestro. Só temos que estar felizes e agradecidos, especialmente neste dia em que celebra o seu 86º aniversário.

A prestigiada editora Deutsche Grammophon, por outro lado, foi fundada no dia 6 de Dezembro de 1898, passam hoje 117 anos. Que melhor forma de assinalar ambas as datas do que aqui trazendo um dos poucos (senão mesmo o único) discos que Harnoncourt gravou para essa editora?

Deixo aqui então os dados e as imagens do Concerto de Ano Novo de 2003, onde, como dita a tradição, a família Strauss teve lugar de honra, com valsas de vários dos seus membros a marcarem presença. Diga-se que Harnoncourt só uma outra vez dirigiu tal concerto, no ano de 2001.


CD



New Year's Concert 2003
Wiener Philharmoniker
Nikolaus Harnoncourt
Deutsche Grammophon 474 250-2


Internet



Nikolaus Harnoncourt
Nikolaus Harnoncourt / Bach Cantatas Website / Wikipedia

22/11/2015

Concertos para Violino #11: Concerto para Violino, de Arnold Bax

Jascha Heifetz (1901-1987) foi um dos mais virtuosos violinistas de todos os tempos, e raramente perdia uma oportunidade para mostrar o nível estratosférico da sua técnica. Seria esse um dos motivos para de quando em vez recusar uma obra que lhe tinha sido dedicada, por acreditar que ela não lhe daria grandes oportunidades para brilhar.

Uma das vítimas foi o compositor inglês Arnold Bax (1883-1953) e o seu concerto para violino, começado a compor em 1937 e terminado no mês de Março do ano seguinte. Dedicou-o a Heifetz, mas este recusou a gentileza, convencido como estava de que o concerto padecia da falta de desafios técnicos. Como resultado, a partitura passou alguns anos na gaveta, até que a aproveitou para satisfazer uma encomenda que lhe fizeram para escrever uma obra para as celebrações do dia de Santa Cecília, em 1943. A obra já estava escrita e tudo, pelo que o trabalho do compositor, neste caso em particular, não terá sido dos mais complicados...

O Concerto para Violino de Bax foi então estreado no dia 22 de Novembro de 1943, passam hoje 72 anos. Na ocasião Eda Kersey (1904-1944) foi a solista de serviço, com o já nosso bem conhecido Henry Wood (1869-1944) a dirigir a Orquestra Sinfónica da BBC.


CD



Arnold Bax
Symphony No.3. Violin Concerto.
Eda Kersey (violino)
Hallé Orchestra, John Barbirolli
BBC Symphony Orchestra, Adrian Boult
Dutton Laboratories Epoch CDLX7111
(1943, 1944)


Internet



Arnold Bax
The Sir Arnold Bax Website / Naxos / Bach Cantatas Website / Wikipedia


15/11/2015

Sinfonias #52: Sinfonia Nº5, de Mendelssohn

No dia 25 de Junho de 1830 teriam lugar em Berlim as cerimónias que assinalariam o tricentenário da Confissão de Augsburgo, e o compositor alemão Felix Mendelssohn (1809-1847) planeava estrear uma sinfonia que iria compor especialmente para aquela ocasião, a "Sinfonia da Reforma".

Uma série de percalços, contudo, que passaram por problemas de saúde que enfrentou e por sensíveis questões políticas e religiosas que se foram colocando, fizeram com que os planos de Mendelssohn saíssem furados, e no dia planeado acabou por não haver sinfonia para ninguém.

A estreia acabaria por ter lugar, ainda em Berlim, numa audição privada no dia 15 de Novembro de 1832, passam hoje 183 anos, com os músicos a serem dirigidos pelo próprio compositor. Seria a primeira e última vez que ele dirigiria esta obra.


CDs



Felix Mendelssohn
Symphonies - No.4 in A, 'Italian', Op.90 (original and revised versions); No.5 in D, 'Reformation', Op.107.
Vienna Philharmonic Orchestra
John Eliot Gardiner
Deutsche Grammophon 459 156-2

Felix Mendelssohn
Symphonies - No.3 in A minor, 'Scottish', Op.56; No.5 in D, 'Reformation', Op.107.
Dresden Staatskapelle
Colin Davis
Profil Medien PH05048


Internet



Felix Mendelssohn
Felix Mendelssohn / Bach Cantatas Website / allmusic / Wikipedia