22/08/2004

Viagem no tempo

E também no espaço. Os artigos da "barraca do licor levanta o pau" deixaram de ser medievais (ver texto anterior), passaram a ser artesanato e mudaram-se da Feira Medieval de Aljubarrota para a Feira de Artesanato da Foz do Douro, no Porto, a decorrer neste momento.

Para acalmar as tripas, consultei fonte insuspeita, o Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, que reza assim:

Medieval - relativo, pertencente ou próprio da Idade Média (que terminou no século XV com a queda de Constantinopla).

Artesanato - a arte e a técnica do trabalho manual não industrializado, realizado pelo artesão, e que escapa à produção em série.

Fez-se então luz no meu cérebro! É que a Revolução Industrial ocorreu apenas na segunda metade do século XVIII, e foi com ela que o homem foi sendo substituído pela máquina e que a produção em série deu os primeiros passos.

Assim sendo, o que se vende naquela singela barraca de poucos metros quadrados é, sem qualquer sombra de dúvida, e passo o pleonasmo, artesanato da idade média!

Feita a descoberta e devidamente acalmadas as tripas, há que lá voltar e dar um pequeno contributo para o crescimento do nosso PIB, que também tem o seu quê de medieval...