04/10/2004

Invasões Francesas #2

A 2ª invasão francesa deu-se pouco depois da 1ª:

Após a retirada de Portugal, as forças francesas entretiveram-se a recuperar o território espanhol. A derrota do exército espanhol na Batalha de Samosierra a 30 de Novembro de 1808 permitiu a entrada de Napoleão em Madrid e nova imposição de José Bonaparte como rei.



As tropas inglesas estacionadas em Portugal receberam ordens para seguir para Espanha. Lá seguir, seguiram, tendo progredido até Salamanca, mas foi coisa pouco duradoura. Rapidamente se viram forçadas a retirar em direcção à Corunha, numa fuga que teve tanto de caótica como de dramática, e de que resultou mesmo a morte do seu comandante, general John Moore (1761-1809), numa última escaramuça com os franceses.
O resultado de tudo isto foi o marechal Soult (1760-1851), comandante das tropas francesas, ter ficado em excelente posição para orquestrar nova invasão de Portugal, sendo que para tal, aliás, já tinha sido instruído por Napoleão.

Soult John Moore

A entrada em Portugal far-se-ia pelo norte, através do rio Minho, tendo como objectivo tomar primeiro o Porto, antes da progressão para Lisboa. A operação começou no dia 8 de Fevereiro de 1809. Contudo, face às dificuldades encontradas, pela resistência oposta em Caminha e Vila Nova de Cerveira, a entrada acabou por efectuar-se através de Chaves. Após batalhas vitoriosas em Braga e Guimarães, o Porto viria a ser atingido no dia 29 de Março. Para a história ficou a mortandade na ponte das Barcas, onde pereceram largas centenas de populares (certas fontes referem mesmo 4000 mortes) que procuravam refúgio na margem sul.


Ponte das Barcas