18/10/2004

Ordem de Malta - 5

Na decurso da sua campanha do Egipto, as tropas de Napoleão atacaram a Ilha de Malta a 12 de Junho de 1798, tendo-a facilmente tomado, dada a regra da Ordem de Malta de não se bater com cristãos. O interesse da França era óbvio: a ilha tinha uma posição estratégica no Mediterrâneo, podendo constituir um importante apoio logístico na expedição ao Egipto. Apenas os locais ofereceram alguma resistência, a invasão foi consumada com a perda de somente três vidas do lado francês. Os Cavaleiros de Malta foram assim forçados a sair da ilha e viram todos os seus bens confiscados pelos franceses.


Batalha de Malta

Nessa altura era Grão-Mestre da Ordem de Malta, Ferdinand von Hompesch (1744-1805), o primeiro alemão a ocupar esse posto. Eleito em Julho de 1797, viria a abdicar em 1799.


Ferdinand von Hompesch

A capitulação de von Hompesch não foi bem aceite por muitos Cavaleiros, que criticaram, entre outras coisas, a falta de preparação prévia para a eminente ameaça francesa. Muitos desses Cavaleiros encontraram abrigo em S. Petersburgo, protegidos pelo Imperador da Rússia. E o que é certo é que esses mesmos Cavaleiros, num processo geralmente considerado como irregular, acabaram por declarar deposto Ferdinand von Hompesch, e eleger o Imperador Paulo I (1754-1801) para o seu lugar. Dando-se o caso de ser igualmente Monarca Ortodoxo, não é de espantar que o Papa Pio VII (1740-1823) nunca tenha aceite a sua nomeação como Grão-Mestre. Paulo I foi, todavia, Grão-Mestre de facto.

Imperador Paulo I Papa Pio VII

continua