21/11/2004

Lugares #30

Na curta passagem por Viena (ver post de 30 de Outubro) consegui ainda arranjar tempo para passar pelo Palácio Imperial. Originalmente um castelo medieval, de que hoje apenas resta a capela, foi, até 1918, residência dos imperadores Habsburgos.


Palácio Imperial

Os Habsburgos foram uma das famílias mais preponderantes do Ocidente cristão, tendo governado a Áustria como duques (entre 1282 e 1453), arquiduques (entre 1453 e 1804) e imperadores (entre 1804 e 1918, altura em que saíram derrotados da 1ª Grande Guerra). Para melhor compreendermos o seu poder, refira-se que foram ainda imperadores do Sagrado Império Romano (durante vários séculos e até ao início do século XIX) e Reis de Espanha (durante dois séculos, até ao início do XVIII). Otto von Habsburg, filho mais velho do último Imperador da Áustria e Rei da Hungria, é o actual patriarca da família, e nasceu no dia 20 de Novembro de 1912, passam agora 92 anos.

Além de gabinetes do presidente austríaco, o edifício alberga actualmente vários museus e um centro de convenções. Pelos seus jardins encontram-se semeadas várias estátutas, uma das quais me tocou mais profundamente, ou não se tratasse da de um dos mais proeminentes compositores de todos os tempos, nascido em 1756 em Salzburgo.