01/12/2004

Lugares - 32

As iguarias da região da Guarda são certamente uma das óptimas razões para os forasteiros lá passarem repousantes temporadas. Tal quietação, pensamos nós, não deverá ser equivalente a uma rendição ao marasmo absoluto, mas antes a propulsora de actividades que normalmente nos estão vedadas durante grande parte do ano. Se passamos 48 semanas por ano a fazer o mínimo possível daquilo a que somos obrigados, por que não procurar, nas restantes 4, fazer o máximo daquilo a que ninguém nos obriga? Sendo, além disso, algo que nos estimula, dá gozo e enriquece interiormente?

Voltando ao tema de hoje: em Abril passado, por altura da Páscoa, passámos uns dias na cidade da Guarda. Vários dias, diversos destinos, um deles uma freguesia chamada Fornotelheiro, pertence ao concelho de Celorico da Beira, e com dois bons motivo para a visita. O primeiro, a Necrópole de S. Gens, um conjunto de sepulturas pré-romanas, escavadas na rocha.


Necrópole de S. Gens

O segundo, o local da forca. A página na internet da
Câmara Municipal de Celorico da Beira, ensina-nos que Fornotelheiro "antiga vila, conserva ainda vestígios da sua categoria, através da forca e pelourinho". Devidamente acautelados, lá fomos à procura da dita cuja, tarefa que se revelou mais difícil do que antevíamos. Aparentemente o desconhecimento da sua existência começa onde acabam as placas que a sinalizam... Finalmente lá demos com o sítio, e com a prova de quão infundados eram os nossos temores: o tempo, ou alguém no seu lugar, se encarregou de fazer desaparecer a trave superior, pelo que só restam as verticais, incapazes de cumprir a missão para que lá foram postas. Restam dois terços dos vestígios, esperemos que se mantenha a categoria...


Forca