14/12/2004

Lugares - 34

Nos arredores de Braga, no Monte de S. Gens, situa-se o Mosteiro de S. Martinho de Tibães, que no século XVI chegou a ser o mais importante mosteiro beneditino português, brasileiros incluídos.



Construção de finais do século X, a sua importância aumentou rapidamente, e no ano de 1110 recebeu Carta de Couto de D. Teresa (1092-1130) e D. Henrique (-1112). Até ao século XVIII foram tempos de prosperidade: a área aumentou, erigiu-se a igreja (século XVII) e o Claustro do Cemitério, adicionaram-se novas alas.


Sala do Capítulo

E aqui mais uma vez se fala do liberalismo. Chegados a 1833, com o seu advento e a consequente extinção das Ordens em Portugal, começou o período negro do Mosteiro de S. Martinho de Tibães. Vendido em hasta público, processo que foi terminado em 1864, ficou na posse de particulares que não dispunham minimamente dos meios para o manter. Foram tempos de ruína, curiosamente agravados já na segunda metade do século XX, quando foi delapidado dos seus bens e deixado em absoluto abandono.



Os trabalhos de recuperação prosseguem desde 1986, ano em que o Estado português o adquiriu. Há ainda uma tarefa gigantesca pela frente, tal o estado a que ele chegou, mas justifica plenamente uma visita. À oportunidade de ver o resultado desses trabalhos soma-se a de desfrutar da extraordinária Cerca que, com os seus quarenta hectares, dá abrigo a centenas de espécies de fauna e flora, contrastando assim com a restante vegetação do Monte de S. Gens, maioritariamente composta
por pinhal e eucaliptal. Os nossos colegas dos Dias com árvores também já por lá andaram e poder-nos-ão dar explicações mais técnicas sobre o assunto...





HVA, Chennai, India