21/12/2004

Ordem de Malta #11

Colocar títulos nos textos, como pôr etiquetas, tem também as suas desvantagens. O de hoje foi escolhido por se enquadrar na presença em Portugal da Ordem dos Hospitalários, mas podia bem aparecer sob a série Lugares, onde se encaixaria na perfeição. Hesitações à parte, vamos aqui falar do mosteiro que foi a primeira casa-mãe dessa Ordem no nosso país: o Mosteiro de Leça do Balio (já referido de passagem no texto Ordem de Malta # 9, de 28 de Novembro).



Os seus inícios datam do século X, como um pequeno cenóbio, se bem que apenas apareça referido pela primeira vez num documento datado de 1003.

No século XII, D. Teresa (1092-1130) doou-o à Ordem dos Cavaleiros Hospitalários, e posteriormente, no ano de 1140, D. Afonso Henriques, o Conquistador (1108/9-1185), concedeu-lhe Carta de Couto.

Durante vários séculos teve parte activa em momentos marcantes da nossa história. Por ele passaram reis, raínhas e outras portugueses de relevo (D. Afonso Henriques, D. Sancho I, D. Mafalda, D. Nuno Álvares Pereira). Assistiu igualmente, em 1372, a um casamento real, entre D. Fernando I, o Formoso (1345-1383) e D. Leonor Teles (1359?-1386).



Tal como aconteceu com muitos outros, um deles o Mosteiro de S. Martinho de Tibães, a extinção das ordens em Portugal determinou a sua venda em hasta pública e consequente ruína. O seu estado actual deve-se em boa medida ao Eng. Ezequiel de Campos, que depois de o adquirir iniciou o seu restauro. Um dos resultados da história atribulada deste mosteiro é o facto de algumas áreas terem ficado em mãos de privados, nomeadamente a zona do claustro. É aliás aí que ainda hoje se podem ver (através das grades dos portões encerrados...) alguns vestígios da igreja pré-românica que, naquele local, antecedeu o actual mosteiro.