31/08/2004

DVDs - 2: Giuseppe Verdi (1813-1901), Simon Boccanegra

A ópera Simon Boccanegra, de Giuseppe Verdi, fez a sua estreia em Março de 1857, em Veneza, e constituiu um fiasco assinalável. O libreto era de Francesco Maria Piave, o mesmo de Macbeth, Rigoletto, La Traviata e La Forza del Destino, isto só para mencionar algumas outras óperas de Verdi em que ele foi o libretista. O enredo era contudo demasiado complicado, difícil de seguir e entender, pelo que foi posteriormente revisto por Arrigo Boito (1842-1918). Isto, 24 anos depois da primeira versão. Verdi, por seu lado, introduziu igualmente importantes alterações na ópera, e foi esta segunda versão que estreou em Milão em Março de 1881, tendo tido uma boa aceitação geral.

A TDK editou no ano transacto um DVD com uma gravação efectuada em Florença, em Junho de 2002. As interpretações são excelentes, vocalmente irrepreensíveis. Destaco em particular a direcção de Claudio Abbado, justificando plenamente os fortes aplausos que recebe no fim.

DVD

Giuseppe Verdi
Simon Boccanegra
Carlo Guelfi, Julian Konstantinov, Karita Mattila, Vincenzo La Scola, Lucio Gallo, Andrea Concetti
Orchestra and Chorus of the Maggio Musicale Fiorentino, Claudio Abbado
TDK Mediactive DV-OPSIBO



Links

http://www.tdk-music.com/
http://www.metopera.org/synopses/simon.html

30/08/2004

Mitologia #5

Pouco tempo após a troca de opiniões com as Amazonas, Teseu travou conhecimento com Pirítoo, que, a bordo do seu navio, se dedicava à nobre arte da pirataria. Tornaram-se amigos, e dessa amizade não tardaram novas aventuras.



Em conjunto defrontaram os Centauros, criaturas metade homem metade cavalo.



Juntos desceram também aos infernos para libertar Perséfone, com quem Pirítoo ansiava casar. O facto de Perséfone ser mulher de Hades, Rei dos Mortos, não foi impedimento para avançarem.



Mas o que é certo é que a coisa deu para o torto e rapidamente os dois viram-se prisioneiros de Hades. Teseu acabou por se safar graças à intervenção de Héracles, o mesmo não tendo acontecido com Pirítoo, que ainda hoje pena pela audácia tida.

Os Dioscuros, Castor e Pólux, gémeos e protectores dos marinheiros, eram também irmãos de Helena (de Tróia), que, segundo uma das versões da lenda, foi raptada de Esparta por Teseu e feita sua mulher. Acontecimento este que se viria a revelar fatal. É que, no sentido de reaver a irmã, Castor e Pólux dirigiram-se de Esparta a Atenas, e aí enfrentaram e derrotaram Teseu.



Derrota essa que forçou o nosso herói mitológico Teseu ao exílio. Viria a morrer na ilha de Ciros, provavelmente assassinado.


Internet

http://www.mythweb.com/heroes/theseus/
http://web.ukonline.co.uk/conker/weird-beasts/minotaur.htm
http://www.steliart.com/theseus.html
http://homepage.mac.com/cparada/GML/Theseus.html
http://www.online-mythology.com/theseus/


A seguir: a lenda em sons

29/08/2004

Exposições #2: Edgar Cardoso (1913-2000), Os Mecanismos do Génio

Até ao fim deste mês está patente no Museu dos Transportes e Comunicações (no antigo edifício da Alfândega, no Porto) a exposição Edgar Cardoso - Os Mecanismos do Génio. Fui perto do fim, mas ainda a tempo... Nela pode-se perceber melhor a história deste engenheiro civil, e da audácia que colocou nas obras que concebeu.



Das várias histórias que por lá se contam, há aquela passada aquando da inauguração da Ponte da Arrábida, em 1963, quando se juntou uma multidão, especialistas estrangeiros incluídos, para assistir ao seu desabamento! Quarenta e um anos depois, a ponte, essa, ainda lá está...


Ponte da Arrábida

Podem-se ainda ver as suas ferramentas de trabalho, incluindo os instrumentos que ele próprio inventou, o seu gabinete e inúmeros desenhos e maquetes de pontes. O conjunto de inovações temerárias, as soluções técnicas encontradas para resolver os problemas mais bicudos, a engenhoca que idealizou para tirar fotografias a 360º, tudo isto está muito bem explicado e ilustrado nesta exposição . Por não ser permitido nela tirar fotografias, deixo aqui registos fotográficos de algumas das suas obras, bem como endereços de algumas páginas na internet com informação adicional.



Ponte de S. João

Links

http://www.cm-porto.pt/pageGen.asp?SYS_PAGE_ID=452888
http://paginas.fe.up.pt/~azr/pontes/edgar.htm
http://www.engenharia.com.pt/esxx_investigacao_22.asp?tema=1581
http://ptvip.com/notaveis/edgarcardoso/

27/08/2004

Compositores #2: Ernst Toch (1887-1964)

Em 2004 assinalam-se os 40 anos da morte deste compositor, nascido em Viena.



Com a subida de Hitler ao poder em 1934 optou por emigrar para os Estados Unidos, onde granjeou reconhecimento geral pelas inúmeras obras que compôs para filmes (ver links mais abaixo), actividade a que se dedicou durante cerca de 20 anos.



O mais curioso, contudo, em relação a este compositor, tem a ver com o facto de ter composto a sua primeira sinfonia quando já tinha a vetusta idade de 63 anos! Viria a compôr 7 no total, durante os últimos 14 anos da sua vida.


CDs

Symphonies Nos. 1 & 4
Berlin Radio Symphony Orchestra, Alun Francis
CPO 999 774-2



Symphonies Nos. 2 & 3
Berlin Radio Symphony Orchestra, Alun Francis
CPO 999 705-2

Symphonies Nos. 5, 6 & 7
Berlin Radio Symphony Orchestra, Alun Francis
CPO 999 389-2


Links

http://www.library.ucla.edu/libraries/music/mlsc/toch/
http://www.imdb.com/name/nm0006324/

26/08/2004

Mitologia - 4

As Amazonas eram mulheres guerreiras, cavaleiras destemidas e extremamente hábeis no manuseamento do arco e flecha. Viviam à parte dos homens, que só eram chamados à liça para garantir a perpetuação da espécie (vida santa, dirão alguns...).



Por mais de uma vez Teseu enfrentou as Amazonas, e verdade seja dita que não se saiu nada mal. Da primeira acompanhou Héracles (Hércules em latim) e em conjunto enfrentaram-nas e à sua deusa Hera.



Na batalha daí resultante pereceram inúmeras Amazonas, e o nosso herói não saiu de lá sem antes raptar a mais bela de entre elas, que, como já por esta altura adivinharam, passou a ser sua mulher. Há várias versões quanto ao nome da princesa, mas numa coisa estão mais ou menos todas de acordo: dessa ligação nasceu um filho, a que deram o nome de Hipólito.

Naturalmente que as Amazonas se reorganizaram e prepararam a retaliação, tendo para o efeito declarado guerra a Atenas. No trajecto para essa cidade derrotaram todos os que se lhes opuseram, facilidades essas que contudo não viriam a manter-se até ao fim. Os guerreiros atenienses, liderados por Teseu, venceram a batalha definitiva e escorraçaram as Amazonas de Ática. E assim se deu o segundo confronto entre Teseu e as Amazonas, e de novo com uma pesada derrota para estas.



A seguir: o final (e as ligações à música?!)

Notícias #4


in Diário Digital, 2004.08.25

Mas será que o governo em geral e o ministro Sarmento em particular não têm mais nada para fazer? Um ministro a gastar o seu tempo a exarar despachos sobre jogos de futebol? Interesse público?! Interesse público era ter os governantes eleitos a pugnar pela criação de condições para ter um público a ver coisas com interesse!

25/08/2004

CDs #2: Johannes Brahms (1833-1897), Sinfonia Nº2

Em repetida audição:

Concerto para Violino e Violoncelo, Op.102.
Sinfonia No.2, Op.73.
Gordan Nikolitch (violino), Tim Hugh (violoncelo)
Orchestra Sinfónica de Londres, Bernard Haitink
LSO LSO0043



Gravado ao vivo em Maio de 2003, com excelente som. Além das extraordinárias interpretações há o incentivo extra do custo do disco (£4.99 + transportes)... aí por menos de 9€ faz-se a festa sem sair de casa. A audição deste disco fez-me ir à gaveta retirar um outro, também com a Sinfonia Nº2 de Brahms, mas numa gravação de 1940. Mas isso serão outras histórias para contar noutra altura!

Internet

http://www.lso.co.uk/home/
http://www.johannesbrahms.org/

Agradecimentos - 1

Ao Blogo Social Português, pela simpática referência a este blogue.

24/08/2004

Exposições - 1

Até 17 de Outubro, na Casa de Serralves, pode ser vista uma exposição de esculturas do britânico Tony Cragg. Ficam aqui uma pequena amostra do que por lá se pode ver e alguns links com informações adicionais.








Links

http://www.serralves.com/p/aleph/ficha?list_exposicoes_presente+122
http://www.sculpture.org.uk/artists/TonyCragg

23/08/2004

Mitologia #3



Uma vez morto o Minotauro, Teseu fugiu com Ariadne assim que chegou a Creta, não sem que antes tivesse feito buracos nos barcos do rei Minus para garantir que não seriam seguidos. Mas pelos vistos a gratidão não era exactamente uma das suas principais características, e Teseu viria a abandoná-la pouco depois, provavelmente na ilha de Naxos. Ariadne viria mais tarde a ser resgatada pelo rei Dionísio (Deus do vinho), de quem se tornaria mulher (há versões distintas em relação ao que sucedeu a Ariadne).



Teseu havia combinado com o seu pai um sinal que assinalaria o seu eventual regresso a casa: caso os jovens tivessem perecido o navio ostentaria uma bandeira negra, caso regressassem sãos e salvos hastear-se-ia uma bandeira branca. Em todas as expedições anteriores nenhum jovem tinha sobrevivido, pelo que a bandeira preta tinha estado sempre hasteada no navio.



Ora acontece que Teseu esqueceu-se de trocar a bandeira, e assim que Egeu viu o navio a aproximar-se e se apercebeu da cor da bandeira entrou em desespero e atirou-se do promontório em que se encontrava, o que o levou à morte e à consequente coroação de Teseu como rei.

A seguir: as Amazonas

22/08/2004

Viagem no tempo

E também no espaço. Os artigos da "barraca do licor levanta o pau" deixaram de ser medievais (ver texto anterior), passaram a ser artesanato e mudaram-se da Feira Medieval de Aljubarrota para a Feira de Artesanato da Foz do Douro, no Porto, a decorrer neste momento.

Para acalmar as tripas, consultei fonte insuspeita, o Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, que reza assim:

Medieval - relativo, pertencente ou próprio da Idade Média (que terminou no século XV com a queda de Constantinopla).

Artesanato - a arte e a técnica do trabalho manual não industrializado, realizado pelo artesão, e que escapa à produção em série.

Fez-se então luz no meu cérebro! É que a Revolução Industrial ocorreu apenas na segunda metade do século XVIII, e foi com ela que o homem foi sendo substituído pela máquina e que a produção em série deu os primeiros passos.

Assim sendo, o que se vende naquela singela barraca de poucos metros quadrados é, sem qualquer sombra de dúvida, e passo o pleonasmo, artesanato da idade média!

Feita a descoberta e devidamente acalmadas as tripas, há que lá voltar e dar um pequeno contributo para o crescimento do nosso PIB, que também tem o seu quê de medieval...

21/08/2004

Aljubarrota #2

Fiquemos então com algumas das fotografias tiradas no passado Domingo na Feira Medieval, começando pela igreja na qual D. Nuno Álvares Pereira rezou aquando da batalha



passando pela simulação assaz realista das formas de lutar de então



e terminando com a constatação de que nem tudo mudou entretanto, como se comprova pela imagem do pedinte e da tenda onde se vendia um licor a que, séculos mais tarde, deram o nome de Viagra à sua versão sólida...


20/08/2004

Harbin

Em 1963 em Harbin, China, teve lugar o primeiro festival organizado de esculturas de gelo. A partir de 1985 passou a ser realizado anualmente.



O festival tem lugar entre Janeiro e Fevereiro, estendendo-se por vezes até Março, altura em que a temperatura atinge 40 graus celsius negativos.



A temperatura nesta cidade, há que referir, é negativa durante quase metade do ano. Com condições destas está garantida a longevidade das obras de arte geladas...



Links

http://www.rtoddking.com/chinawin2003_hb_if.htm
http://www.harbin.gov.cn/english/index.php

19/08/2004

Notícias #3

Patriotismo? Equipas nacionais?

"A Cuban-born triple jumper, Yamile Aldama, was prevented from competing for Britain because she could not get British citizenship in time, though she lives in London. So Ms Aldama went to Khartoum to become Sudanese in two days."

in The Economist, 2004.08.14


Links

http://www.economist.com
http://www.sporting-heroes.net/athletics-heroes/displayhero.asp?HeroID=1980
http://es.sports.yahoo.com/at/profile/2664.html
http://www.splmtoday.com/modules.php?name=News&file=print&sid=3038

18/08/2004

Mitologia #2

Não é então de admirar que Teseu estivesse por perto quando o Rei Minus de Creta apareceu para reclamar o tributo para o Minotauro, e que consistia em jovens para entregar em sacrifício. O Minotauro era um monstro, meio homem, meio touro, que vivia no meio do Labirinto, tendo sido Teseu um dos catorze felizes contemplados que foram levados para Creta a fim de serem sacrificados.



Foi precisamente em Creta que Teseu conheceu Ariadne, filha do Rei Minus, e que caiu imediatamente de amores por ele. Foi mesmo coisa de amor à primeira vista! Ariadne viria ainda a contribuir decisivamente para a salvação de Teseu, ao entregar-lhe um novelo de fio para ele utilizar no Labirinto para não se perder. É que o Labirinto era de tal forma intrincado que, uma vez lá dentro, era impossível sair. O Minotauro era assim, além do monstro do Labirinto, igualmente seu prisioneiro. Refira-se ainda que a ideia do novelo foi dada a Ariadne por Daedalus, que foi também quem criou o Labirinto. Lá teve algum rebate de consciência...



Reza a lenda que Teseu entrou no Labirinto, tirou a tosse ao Minotauro e voltou a sair tranquilamente, dado ter seguido devidamente a sugestão de Medeia. A forma como matou Minotauro não é consensual: poderá ter sido durante uma luta em que o matou com a sua espada, ou aproveitando um momento em que o monstro dormia.

A seguir: como Teseu chegou a rei

17/08/2004

Aljubarrota #1

A morte do rei D. Fernando I (1343-1383) abriu uma grave crise no país, provocada pelo facto da sua única filha ser casada com D. João I de Castela. O contrato nupcial estabelecia que ele não seria rei de Portugal, mas não havia a certeza de que tal viesse a ser cumprido.



O que é certo é que o monarca de Castela decidiu invadir Portugal para defender os direitos de sua esposa, e é por essa altura que um grupo de pessoas, onde se incluía Nuno Álvares Pereira (1360-1431), exortou o Mestre de Aviz (1357-1433), filho bastardo de D. Pedro, a chefiar a revolta contra os Castelhanos.



Entre 1384 e 1385 há numerosas batalhas entre os dois exércitos que, pelos vários êxitos alcançados, elevariam Nuno Álvares Pereira a Condestável do Reino. A batalha decisiva dá-se em Aljubarrota no dia 14 de Agosto de 1385, e termina com a derrota estrondosa dos Castelhanos e a subida ao trono de D. João I, Mestre de Aviz.



A data da batalha continua a ser celebrada anualmente em Aljubarrota. O autor desta pequena prosa fez uma deriva a sul, e brevemente deixará neste espaço um registo fotográfico de algumas das coisas que por lá viu, durante a realização da Feira Medieval.

16/08/2004

Mitologia #1

Em época de Jogos Olímpicos, que ao fim de 108 anos regressam à Grécia, vamos dedicar algum tempo à mitologia grega e, a partir dela, estabelecer pontes com o mundo da música: compositores, composições, editoras, etc. Veremos no que isto vai dar...



Para o efeito vamos seguir a história de Teseu, nascido em Trezena filho de pai incerto (Egeu, Rei De Atenas, ou Posídon, Rei dos Mares) e de mãe certa (Etra). Antes de partir para Atenas, no dia seguinte a se ter "enrolado" com Etra, Egeu colocou uma espada debaixo de uma pesada pedra. Caso Etra desse à luz um rapaz, assim que este tivesse idade suficiente deveria retirá-la e com ela dirigir-se a Atenas para reclamar os seus direitos. Assim aconteceu, tendo a caminhada para Atenas sido deveras atribulada, e durante a qual Teseu matou 6 perigosos adversários, usando as próprias armas deles. Se tal se proporcionar pode ser que mais tarde num outro "post" olhemos mais detalhadamente para esta viagem, que só por si é uma história.



Uma vez chegado a Atenas o nosso Teseu conheceu Medeia, a nova mulher do seu pai, e que de imediato viu nele uma ameaça para o seu próprio filho vir a suceder ao Rei Egeu. Por duas vezes sobreviveu aos malefícios de Medeia: numa delas matando o touro de Maratona, na outra escapando por pouco a uma tentativa de envenenamento. Egeu reconheceu entretanto a espada que ele transportava, reconhecendo também Teseu como seu filho e portanto seu sucessor. Confirmavam-se assim os piores receios de Medeia.

A seguir: o Labirinto.

15/08/2004

CDs #1: Antonín Dvorák (1841-1904), Trios

Acabado de receber, ainda em primeira audição cá em casa:

"The Famous Oistrakh Trio"
Antonín Dvorák
Trio in F minor, Op.65. Trio in E minor, Op.90, "Dumky".
Preiser Records 90593



Muito pouca informação no disco. Gravação com data desconhecida (mas obviamente com mais de 40 anos), mas o som (mono) é inesperadamente bom.

O Trio Oistrakh era composto por:

David Oistrakh, violino (1908-1974)
Lev Oborin, piano (1907-1963)
Sviatoslav Knushevitsky, violoncelo (1908-1963)


Internet

http://www.preiserrecords.at

http://www.oistrakh.com/trio_oistrakh.html
http://www.oistrakh.com/

14/08/2004

Frases #4

"Há oito dias propus nesta coluna a mudança da capital de Portugal para o interior. Esta semana, a Coreia do Sul anunciou formalmente a decisão de mudar a capital, situando a nova cidade numa região rural."

José António Saraiva in Expresso, 14.Agosto.04


Uma vez convencida a Coreia do Sul, resta ao arquitecto José António Saraiva convencer Portugal. Não se afigura tarefa fácil, mas com o Primeiro Ministro que temos...

Sites #1

Onde se reunem aqueles que gostam de zurzir em George Bush.

13/08/2004

Notícias - 2


in Diário Digital, 2004.08.13

Está aberta uma nova oportunidade de negócio para os países em que a tortura é prática institucionalizada: importam os prisioneiros que se recusaram a dar à língua nos países em que foram detidos, dão-lhes a porrada necessária até que a língua comece a colaborar no processo da fala, e por fim devolvem-nos à proveniência acompanhados das cassetes com as gravações e da respectiva factura.

Na eventualidade de um dia Portugal vir a utilizar estes serviços dever-se-ão tomar cuidados especiais: há riscos de, antes de os prisioneiros serem devolvidos, já as cassetes terem sido desviadas, as respectivas transcrições terem saído na imprensa e o Procurador Geral da República ter emitido um comunicado a aligeirar responsabilidades.

Notícias - 1


in Diário Digital, 2004.08.11

Está visto que o Expresso é mais lido na Coreia do Sul do que em Portugal. E que os editoriais de José António Saraiva têm efeitos dramáticos naquele país.

12/08/2004

Lugares #10

Considerada a aldeia mais portuguesa de Portugal, desde que, em 1938, venceu o concurso promovido pelo Secretariado de Propaganda Nacional do Estado Novo, Monsanto foi conquistada aos Mouros por D. Afonso Henriques, O Conquistador (1128-1185) em 1165. A Ordem dos Templários, a quem ela foi doada, erigiu-lhe então o castelo. A sua história remonta contudo a tempos bem mais recuados, havendo registo de presença humana desde o Paleolítico (período inicial da Idade da Pedra).



Recebeu foral em 1174, posteriormente confirmado por D. Sancho I, O Povoador (1154-1211) em 1190.



A categoria de vila foi-lhe atribuída por D. Manuel I (1469-1521) em 1510.



Sofreu vários cercos nos séculos XVII e XVIII, mas a maior devastação foi provocada no século XIX pela explosão do paiol de munições.

Visitei Monsanto recentemente, e não pude deixar de ouvir uma frase dita ao telemóvel por uma jovem na casa dos vinte e poucos anos (a inexistência de fios levar-la-á possivelmente a optar por gritar para garantir que a mensagem chega ao destinatário...) e que achei notável. Foi qualquer coisa como: "Pois... pois... vim aqui com eles a uma terra aqui no cimo de um monte, não sei bem onde, chamada Mun.... Mon..., não sei, tem umas casas de pedra e não consigo ver onde está a piada da coisa!"

11/08/2004

Escritores #1: Alexandr Púchkine (1799-1837)


Escritor russo, cedo as ideias liberais que proclamava lhe causaram dissabores, tendo sido exilado para o Sul da Rússia, onde permaneceu entre 1820 e 1824. Posteriormente, entre 1824 e 1826, viria a estar sujeito a residência fixa. Datam deste período as obras O Prisioneiro do Cáucaso (1821) e A Fonte de Bakhtchi-Sarai (1823). Em 1823 começou a escrever Eugene Onegin, em que Tchaikovsky (1840-1893) se baseou para compôr a ópera com o mesmo nome. Em 1824 terminou Os Ciganos e, em 1825, Boris Godunov, que neste caso inspirou Modest Mussorgsky (1839-1881) a compôr a ópera homónima.

Para azar dele, como se verá adiante, decidiu que havia de casar com a maior beldade da Rússia, que pensou ter encontrado em Natália Gontcharova quando com ela se cruzou em 1829. Viriam a casar em 1831. Neste período da sua vida escreveu obras como Poltava (1828), Dubróvski (1832) e A Dama de Espadas (1833).

Pelo vistos o brilho de Natália não chamou apenas a atenção de Púchkine, havendo uma corte de admidadores entre a alta sociedade russa, o que não desagradava muito a Natália... A coisa complicou-se em particular com um tal Jorge d'Anthès, oficial da guarda russa e cortejador insistente da senhora. Entre 1834 e 1836 sucederam-se as peripécias e os escândalos, até que em Janeiro de 1837 um duelo entre os dois resultou em ferimentos fatais para Púchkine, que faleceria dois dias depois. Era certamente muitíssimo melhor escritor do que atirador!

Na última fase da sua vida escreveu ainda obras como A História da Revolta de Pugatchev (1834) e A Filha do Capitão (1836).

Links

http://www.kirjasto.sci.fi/puskin.htm
http://falcon.jmu.edu/~pleckesg/Pushkin/

10/08/2004

DVDs #1: Tchaikovsky, Dama de Espadas

A partir da obra A Dama de Espadas do escritor russo Alexandr Púchkine (1799-1837), Modest Tchaikovsky fez o libreto para o qual o seu irmão Piotr Ilyich Tchaikovsky (1840-1893) compôs a ópera com o mesmo nome. Estreou-se com grande sucesso no Teatro Mariinsky em São Petersburgo a 18 de Novembro de 1890, êxito depois igualmente alcançado em Kiev, Moscovo e Praga. Seguiu-se a sua carreira internacional, onde todavia não obteve um sucesso tão imediato. Passou em qualquer dos casos pelos principais palcos mundiais, tendo tido de Gustav Mahler (1860-1911) um grande suporte para a sua divulgação (Viena, 1902 e Nova Iorque, 1910).


DVD

Tchaikovsky
Pique Dame.
G. Grigorian, M. Gulegina, L. Filatova, S. Leiferkus, A. Gergalov, O. Borodina
Opera Chorus and Ballet, St. Petersburg
Kirov Orchestra, Valery Gergiev
Philips 070 434-9

09/08/2004

Frases #3

"Pedro Santana Lopes, na sua primeira entrevista como primeiro-ministro indigitado, apontou um objectivo que muitos acharam fantasioso: a «descentralização» do Governo, distribuindo ministérios pela província.
(...)
Mas esta ideia lembrou-me outra - mais ambiciosa mas também mais exequível a prazo: por que não mudar a capital do país para a província?"


José António Saraiva in Expresso, 7.Agosto.04


Ora aqui está uma definição até agora desconhecida: descentralizar é centralizar na província!!!


08/08/2004

Frases #2

Ainda a Feira do Alvarinho, da Caça e Pesca e da Gastronomia, em Monção. Na cerimónia de abertura esteve presente Carlos Duarte, que pelo vistos é o (ou um dos, nunca consegui entender a estrutura do Mi(ni)stério da Agricultura) Secretário de Estado Adjunto do Ministro da Agricultura, que obviamente debitou um discurso na ocasião, e que coincidiu com a minha chegada ao recinto. Deste apenas me ficou uma frase na memória, e que rezou mais ou menos assim:
"Passada a fase da contenção orçamental entramos numa nova fase, em que temos que investir no aumento da nossa competitividade".
Desconheço se foi dita de lavra própria ou ditada por outrém, mas é algo que se esperava após se terem livrado de Manuela Ferreira Leite. Aguardemos as próximas revelações, hão-de vir aí coisas interessantes...
E se naquela parte do "aumento da nossa competitividade" o Secretário de Estado se referia à agricultura portuguesa, haverá algum plano que sustente tal objectivo? E em que consistirá? Tradicionalmente no Ocidente isto traduz-se em mais subsídios...

07/08/2004

Lugares #9

A "Feira do Alvarinho, da Caça e Pesca e da Gastronomia" foi o pretexto para um pulo a Monção, vila fundada, no local actual, por D. Afonso III, O Bolonhês (1211-1279), após extinção das vilas de Badim e de Penha da Raínha.



Havia que trazer evidências da visita, problema facilmente ultrapassado numa das barracas:



Bem mais complicada revelou-se a prova do vinho:

Primeiro houve que ir comprar um copo à barraca da Organização (1.5€) e depois solicitar a prova às meninas da barraca do Palácio da Brejoeira (2€). Acontece que ontem de manhã (quando lá fomos) era a inauguração da feira, e calhou termos sido os primeiros interessados na prova de um "Palácio da Brejoeira". Houve assim necessidade de abrir uma garrafa, coisa que elas não souberam fazer... Após várias tentativas infrutíferas à mistura com risadas nervosas desistiram e foram pedir ajuda a um cavalheiro, que em poucos segundos lhes resolveu o imbróglio... Não abonou muito ao prestígio da casa!