24/01/2005

Revolução liberal - 2

Ao sair do Brasil, D. João VI deixou lá como regente o seu filho, D. Pedro IV. Corria o ano de 1821. Não muito tempo depois, no dia 7 de Setembro de 1822, D. Pedro IV lançou o famoso Grito do Ipiranga, que assinalou a independência daquele país, tal como referimos aqui.

D. Pedro IV
D. João VI

A longa ausência do rei, a inexistência de uma constituição e a tutela inglesa do exército português foram fomentando o descontentamento entre um conjunto assinalável de portuenses. Entre eles encontravam-se Manuel Fernandes Tomás, José da Silva Carvalho e o brigadeiro António da Silveira Pinto da Fonseca, irmão do general Silveira, 1º conde de Amarante, que teve um desempenho notável na defesa da ponte de Amarante durante as operações da 2ª invasão francesa, conforme relatámos
aqui.

M. Fernandes Tomás
A. S. Pinto da Fonseca

A sublevação deu-se no dia 24 de Agosto de 1820, dela tendo resultado a formação da Junta Provisional do Governo Supremo do Reino, presidida pelo brigadeiro Pinto da Fonseca e, naturalmente, sediada no Porto.

As ideias proclamadas pela Junta não concidiam propriamente com as dos governadores do reino, então, como agora, instalados em Lisboa. Procuraram organizar imediata resposta através de uma acção militar, enviando uma força para norte com o objectivo de abafar a rebelião.


continua