30/01/2005

Revolução liberal #3

A tentativa de parar o movimento revolucionário saiu frustrada, e a 15 de Setembro de 1820 foi a vez do pronunciamento militar de Lisboa, que iria levar à constituição de um governo provisório.

Nessa altura passou a haver dois órgãos de poder, a Junta Provisional do Governo Supremo do Reino, sediada no Porto, e o Governo Provisório, sediado em Lisboa. Esta situação seria resolvida em pouco tempo, com o estabelecimento de um acordo entre as duas juntas revolucionárias e a consequente criação de um único órgão.

Realizadas as eleições, em Dezembro de 1820, passou-se então à fase seguinte, a da elaboração da Constituição. Era esse, afinal de contas, um dos grandes objectivos dos que iniciaram a revolução. Foi um processo demorado, começado logo em Janeiro do ano seguinte, terminaria apenas em Setembro de 1822. Entretanto, no início de Julho de 1821, já o rei D. João VI, regressado do Brasil, tinha chegado a Lisboa.



No dia 23 de Setembro de 1822 o rei jurou solenemente a Constituição. Quem não o fez foi a sua esposa, a rainha Carlota Joaquina, que assim se pôs do lado da oposição.


continua