08/04/2005

Revolução liberal #12

Qual governante (demissionário) dos tempos modernos, D. Pedro veio do Brasil como ex-rei de Portugal (tendo abdicado em favor de sua filha, ver este postal) e ex-imperador do Brasil (depois de abdicar para o seu filho D. Pedro II). O único título que ostentava então era o de duque de Bragança, coisa pouca para homem de tantos reinados. A chegada à ilha de S. Miguel aconteceu no dia 22 de Fevereiro de 1832. Os Açores teriam que ser o destino óbvio, dado ser o único território dominado pelos liberais.



Apesar de tal não ter qualquer consequência prática, D. Pedro formou um governo, de que fazia parte, entre outros, Mouzinho da Silveira. Este, preso durante a Abrilada, tinha-se refugiado em Paris após a subida ao poder de D. Miguel, e acompanhado D. Pedro na viagem para os Açores. Nomeado responsável pela Fazenda, ainda nos Açores deu início a uma vasta obra legislativa. Mais do que um programa liberal ou uma manifestação de intenções, foi um verdadeiro prenúncio do que aí viria.

Nos Açores, os liberais preparam a expedição para o continente e as acções militares destinadas a pôr um fim ao regime absolutista. Partiram no dia 27 de Junho de 1832 e desembarcaram no dia 8 de Julho não em Lisboa, como os apoiantes de D. Miguel previam, mas numa praia do norte, perto do Mindelo. Daí marcharam para o Porto, cidade que mantiveram cercada durante 1 ano.

Amesterdão, Holanda


continua