19/06/2005

Obras Orquestrais #1: Enigma Variations, de Edward Elgar

Em Outubro de 1898, regressado a casa depois de mais um dia a dar lições de violino, Edward Elgar (1857-1934) sentou-se ao piano e começou a improvisar. A coisa teria provavelmente ficado por aí não fosse a sua esposa, Alice, ter gostado de uma das melodias que dali sairam. Elgar acabou por desenvolver o tema, daí tendo nascido as Enigma Variations, que tiveram a sua primeira interpretação no dia 19 de Junho de 1899, passam hoje 106 anos.


Edward Elgar

Em cada um dos seus 14 andamentos procurou retratar familiares, amigos ou ele próprio, tentando pôr em sons os seus tiques mais característicos. Há dois enigmas envolvendo esta composição: o primeiro dizia respeito aos destinatários de cada um dos andamentos, mas esse foi rápida e facilmente resolvido.





O segundo é objecto de discussão há mais de 100 anos, alimentado como foi pelo próprio Elgar, e está relacionado com um tema, que supostamente não faz parte da composição mas que é por ela sugerido. A lista de detectives para o decifrar já vai longa... e teorias não faltam.


CDs



Edward Elgar
Violin Concerto. Enigma Variations.
Yehudi Menuhin (violino)
London Symphony Orchestra
Royal Albert Hall Orchestra
Edward Elgar
EMI GROC 5 66979-2

Edward Elgar
Enigma Variations.
Gustav Holst
The Planets.
London Symphony Orchestra, Pierre Monteux
Vienna Philharmonic Orchestra, Herbert von Karajan
Decca 452 303-2

Edward Elgar
Enigma Variations. Pomp & Circumstance Marches Nos.1-5.
Royal Philharmonic Orchestra
Norman del Mar
Deutsche Grammophon 429 713-2

Edward Elgar
Enigma Variations.
Benjamin Britten
Concerto for Piano and Orchestra.
Robert Leonardy (piano)
Saarbrücken Radio Symphony Orchestra
Stanislaw Skrowaczewski
Arte Nova 74321 27769-2

The Barbirolli Elgar Album.
Hallé Orchestra
John Barbirolli
Dutton Laboratories CDSJB1017


Internet

http://www.elgar.org/3enigma.htm
http://elgar-enigma.tripod.com/


Notas
1 - Depois de 2 semanas atribuladas e longe de casa, a primeira passada em Singapura, a semana passada na Holanda, sabe bem estar de regresso. O país até ganha outro encanto...

2 - Durante esse tempo uma boa parte das notícias chegava-me via blogues. Uma delas, através do Il Dissoluto Punito, foi a do falecimento do maestro italiano Carlo Maria Giulini (1914-2005). Foi o 1º maestro de que se falou por estas paragens, em Julho do ano passado, num texto publicado nos primórdios deste blogue. Na altura referi o facto de, ao celebrar o seu 90º aniversário, estar a evitar homenagens póstumas, palavras que agora soam como premonitórias.

3 - JPP queixou-se recentemente da actual falta de brilhantismo na blogosfera lusa. Estará provavelmente a referir-se aos blogues mais dedicados à coisa política. Se assim for, é uma visão algo redutora da função dos blogues. Nós aqui, mais interessados nas outras blogosferas, continuamos a admirar diariamente o que de muita qualidade se publica em blogues como Rua da Judiaria, Almocreve das Petas, Dias com Árvores, Guilhermina Suggia ou Ópera e Demais Interesses, para referir apenas alguns. É que a blogosfera vai muito para além da política. Felizmente, dizemos nós.