02/10/2005

Reis de Portugal #8: D. Maria II (1819-1853)

D. Maria II não tinha ficado demasiadamente convencida com a história da manifestação-quase-revolução que, em Setembro de 1836, a forçou a repor a Constituição de 1822. Na altura o conde de Linhares foi chamado a exercer a presidência do gabinete, de que faziam ainda parte Passos Manuel, Sá da Bandeira, Vasconcelos Correia e Vieira de Castro.


D. Maria II, Passos Manuel, Sá da Bandeira

As cortes da Europa também não tinham delirado com o evento, que viam como uma séria ameaça à rainha e, por tabela, à estabilidade da monarquia deste pequeno reino. Isto dos membros das realezas terem o hábito de casarem entre si para evitarem derivas na linhagem terá contribuído, quiçá, para o fortalecimento dos laços e da disponibilidade para se entreajudarem. Claro que, com tantos casamentos consanguíneos, alguma coisa algum dia tinha que correr mal, sendo inúmeros os casos de derivas mais ou menos dramáticas (e não estou a falar daquele português de bigode e com muitos nomes...).

E foi assim que, em Novembro de 1836, os ingleses enviaram uma esquadra para proteger D. Maria II, tendo tido o cuidado de avisar das suas intenções Sá da Bandeira, ministro dos Negócios Estrangeiros. Empolgada pelo suporte, a rainha pirou-se do Palácio Real das Necessidades para o Palácio de Belém, e de lá procedeu à demissão do gabinete, para gáudio dos cartistas, que não viam a hora de se livrarem de tal governo e da malfadada Constituição!

Passos Manuel é que não quis ficar como mero figurante vítima deste golpe de Estado, e tratou de sondar a Guarda Nacional. O resultado é aquele que se conhece: a Guarda Nacional nomeou uma junta para desfazer o golpe, junta essa que Sá da Bandeira aceitou comandar, formaram-se forças populares e dirigiram-se todos para Belém. Com os ingleses nada se passou, que de diplomacia Sá da Bandeira sabia, pelo que a rainha acabou recambiada para as Necessidades, com direito a Guarda (Nacional) de Honra no trajecto, e os demitidos do dia 4 foram readmitidos no dia 5 e com poderes reforçados, cabendo então a presidência a Sá da Bandeira.


Internet

http://www.arqnet.pt/dicionario/passosms.html
http://www.arqnet.pt/dicionario/sabandeira1m.html
http://www.arqnet.pt/portal/portugal/temashistoria/maria2.html
http://www.centroatl.pt/top100eca/glosa2.html

1 comentário:

  1. Saio mais rica daqui... Gostei de (re)ver factos da nossa História, que por vezes ficam esquecidos na memória.
    Grata pela partilha
    Um abraço ;)

    ResponderEliminar