04/10/2005

Sinfonias #8: Sinfonia Nº1, de Antonín Dvorák

Enquanto por cá nos vamos entretendo a esquecer os mortos e a crucificar os vivos, vilipendiando-os de formas inacreditáveis, outros, porventura mais avisados e, certamente, mais ajuízados, recordam e homenageiam os seus maiores, que o futuro existe (apenas?) para quem respeita o seu passado.

Quem, como nós recentemente, tiver a oportunidade de vaguear por Praga, não pode deixar de ficar impressionado com o orgulho com que por lá preservam e exibem a sua história, dando o devido realce aos seus principais intervenientes. O Museu Nacional de Praga, que encima orgulhosamente a Praça Venceslau, é disso um exemplo magnífico. De entre as largas dezenas de estátuas que preenchem vários dos seus espaços, destaco duas, de dois autênticos heróis nacionais checos: as dos compositores Bedrich Smetana (1824-1884) e Antonín Dvorák (1841-1904).




De Dvorák já por aqui falámos mais do que uma vez: a propósito do centenário da sua morte, assinalado no ano passado neste postal
e, mais recentemente, para chamar a atenção de um disco contendo o seu Concerto para Violoncelo, com a orquestra dirigida pelo saudoso Carlo Maria Giulini (1914-2005). Houve ainda um outro postal, publicado em finais de Julho, nessa altura para falar do Quarteto de Cordas Nº10. Desta vez o móbil é o aniversário da estreia da Sinfonia Nº1, ocorrida em Brno no dia 4 de Outubro de 1936.


Antonín Dvorák

Ao contrário do que se poderia pensar, a Sinfonia Nº1 de Dvorák foi a última das suas 9 sinfonias a ser estreada! Foi mesmo a única a ser estreada no século XX. E porquê? É que foi com essa obra que Dvorák se apresentou num concurso na Alemanha e, não só foi recusada, como ainda não lhe devolveram sequer a partitura! Esta seria encontrada apenas em 1925, quando se julgava perdida para todo o sempre, até pelo facto do próprio autor ter afirmado que tinha procedido à sua destruição.

Uma última curiosidade: até 1917, quando finalmente Otakar Sourek colocou ordem na casa, reinou a confusão quanto à numeração das sinfonias de Dvorák. A aparecia como , por exemplo, e as 4 primeiras nem na lista apareciam. O famoso síndroma da 9ª sinfonia...


CDs



Antonín Dvorák
Symphony No.1 in C minor, B9. Legends, Op.59 Nos.1-5.
Slovak Philharmonic Orchestra
Stephen Gunzenhauser
Naxos 8.550266

Antonín Dvorák
Symphonies - No.1 in C minor, B9; No.2 in B flat, B12; No.3 in E flat, B34.
Staatskapelle Berlin
Otmar Suitner
Berlin Classics 0092 822BC


Internet

http://membres.lycos.fr/magnier/composit/smetana.html
http://members.tripod.com/~Nash_K/main.html
http://www.classicalarchives.com/bios/codm/dvorak.html
http://w3.rz-berlin.mpg.de/cmp/dvorak.html
http://www.fuguemasters.com/dvorak.html

3 comentários:

  1. Uma bela Sinfonia!

    Já tive o prazer de a ouvir, tocada em Madrid.

    As imagens aqui postadas são espantosas!!

    Adorei!

    Um abraço e bom feriado ;)

    ResponderEliminar
  2. Um Blog só de Poesia Portuguesa.

    Não quer visitar-me?

    Abraço ;)

    ResponderEliminar
  3. Tenho visitado diariamente o blogue Poesia Portuguesa. E devo parabenizá-la, gosto muito dele! Faz-me lembrar, aliás, um outro blogue... que morreu... mas não morreu...

    Saudações,

    HVA

    ResponderEliminar