18/01/2006

Compositores #52: Wolfgang Amadeus Mozart (1756-1791)

Aquando do regresso a Salzburgo, Mozart era já um compositor respeitado e admirado, tendo recebido encomendas para várias obras. São dessa altura a cantata Grabmusik, o drama Die Schuldigkeit des ersten Gebots e a ópera Apollo et Hyacinthus.

Tal não impediu, contudo, que em Setembro de 1767 voltassem às viagens, e de novo com destino a Viena. Nem a epidemia de varíola que por lá grassava demoveu Leopold Mozart, que a recompensa que almejava justificava correr tais riscos. O que é certo é que lá acabaram por ser chamados pelo imperador, para quem Mozart escreveu a sua primeira ópera italiana, La finta semplice.

Data também dessa altura a ópera Bastien und Bastienne que, impedida de se estrear na corte por intrigas várias, viria a registar a sua estreia, em Setembro de 1768, na casa do doutor Franz Anton Mesmer (1734-1815), o mesmo que deu origem à palavra mesmerismo, a cura de doenças pelo uso do magnetismo animal.

Os Mozart regressaram então a Salzburgo, para uma estadia de curta duração, uma vez que em Dezembro de 1769 já estavam de novo de abalada, rumo a Itália. Desta vez apenas foram Leopold e o filho Wolfgang, possivelmente para limitar os custos. Por lá tocaram, improvisaram, foram à ópera, andaram por Milão, Bolonha, Florença, Veneza, Roma. Foi nesta última cidade que se deu um célebre episódio quando, na Capela Sistina, Mozart escreveu de cor o Miserere, do compositor italiano Gregorio Allegri (1582-1652). Em Milão, Mozart compôs a sua primeira ópera séria, Mitridate.

Em Março de 1771 os Mozart regressaram a casa onde, para não variar, pouco tempo ficaram: em Agosto voltaram a Itália, para o casamento do arquiduque Ferdinand (1754-1806), e por lá ficaram cerca de 4 meses. É dessa época a ópera Ascanio in Alba. O principal objectivo desta viagem e, por sinal, também da seguinte, ficou por atingir: arranjar emprego em Itália. Tarefa tornada impossível pela já anteriormente referida aversão de Maria Teresa pela família Mozart, que levou a que o arquiduque Ferdinand, seu filho, tivesse rapidamente desistido de ter Mozart ao seu serviço. Foi o fim da carreira italiana para os Mozart.


continua


Postais anteriores:

Munique e Viena (1756-1762)
Paris e Londres (1763-1766)

Sem comentários:

Enviar um comentário