27/01/2006

DVDs #10: Die Zauberflöte, Mozart

250 anos nascia Wolfgang Amadeus Mozart (1756-1791), um dos mais prodigiosos compositores de todos os tempos. E um dos mais precoces, também, bastando recordar que, aos 12 anos de idade, já tinha escrito 3 óperas!

Escreveu algumas (muitas...) das mais conhecidas e admiradas óperas de sempre, como Idomeneo, rè di Creta (1781), Le nozze di Figaro (1786), Don Giovanni (1787), Così fan tutte (1790), Die Zauberflöte (1791) e La clemenza di Tito (1791), para referir apenas algumas.

O libreto para A Flauta Mágica foi da autoria do actor, cantor, compositor, empresário, libretista e poeta Emanuel Schikaneder (1751-1812), a partir do conto Lulu, oder Die Zauberflöte, de August Jacob Liebeskind. Schikaneder precisava urgentemente de uma ópera de sucesso para salvar o seu Theater auf der Wieden da falência eminente e Mozart, igualmente membro da loja maçónica vienense Nova Esperança Coroada, aceitou ajudá-lo.

Há quem especule, aliás, sobre eventuais mensagens maçónicas incluídas na própria ópera, nomeadamente as relacionadas com o místico número 3 (3 damas, 3 rapazes, 3 testes efectuados por Tamino, supervisionados por 3 padres,...). É uma tese que, por mais interessante que seja, nunca foi provada; nem Mozart, nem Schikaneder, fizeram alguma vez qualquer referência a estas hipotéticas ligações, pelo que, possivelmente, estaremos condenados a ficar pelas teses...

A estreia teve lugar no dia 30 de Setembro de 1791, e foi um evento bastante familiar: Mozart tocou fortepiano e dirigiu a récita, a Rainha da Noite foi interpreta por Josepha, sua cunhada, o próprio Schikaneder fez o papel de Papageno e o seu pai, Urban Schikaneder, de um dos padres. Do elenco fez ainda parte uma Anna Schikaneder, soprano, não fosse alguém da família ficar esquecido...

Teve um sucesso enorme, de que Mozart não desfrutou muito, dado ter falecido cerca de 2 meses depois, no dia 5 de Dezembro. Rezam as crónicas que, no dia anterior ao da sua morte, Mozart, delirante, imaginava-se a assistir a uma nova récita d'A Flauta Mágica, tendo pedido repetidamente silêncio para melhor ouvir a Rainha da Noite, naquelas que terão sido as suas últimas palavras. E a verdade é que, nessa altura, decorria mesmo uma récita da ópera, só que Mozart estava já no seu leito de morte.

Das interpretações da gravação ora aqui trazida, todas de excelente nível, destaco em particular a do barítono Simon Keenlyside demonstrando, além dos vocais, extraordinários dotes de representação. Mais do que justa a excepcional ovação com que foi premiado no final. E que extraordinária forma de celebrar Mozart!!!



Mozart
Die Zauberflöte.
Will Hartmann, Dorothea Röschmann, Diana Damrau, Franz-Josef Selig,
Simon Keenlyside, Ailish Tynan, Adrian Thompson, Gillian Webster,
Christine Rice, Yvonne Howard, Thomas Allen, Matthew Beale,
Richard van Allan, Alan Oke, Graeme Broadbent, Zico Shaker,
Tom Chapman, John Holland-Avery
The Royal Opera Chorus
The Orchestra of the Royal Opera House
Colin Davis
BBC Opus Arte OA 0885 D


Internet

Wolfgang Amadeus Mozart
the Mozart Project
/ Mozart.at / Biografia
Die Zauberflöte
/ Libreto

4 comentários:

  1. parabens pelo blog que concentra cultura que muitos recusam

    ResponderEliminar
  2. Mozart - the genius who continues to touch our lives even after two and a half centuries!

    ResponderEliminar
  3. Caro Martelo,

    Obrigado pelo comentário e pelo seu blogue. Acho extraordinário o que consegue fazer às imagens...

    Saudações,

    HVA

    ResponderEliminar
  4. Arvindh,

    Apparently we have another thing in common, apart from loving Mozart's music. I spent a few days in Chennai at the end of 2004, and actually left India just one week before the tsunami!

    Regards,

    HVA

    ResponderEliminar