11/01/2006

Maestros #21: Klaus Tennstedt (1926-1998)

Quando, em Setembro, para aqui trouxe um disco com a 8ª Sinfonia de Gustav Mahler (1860-1911), deixei em aberto a possibilidade de posteriormente voltar a Klaus Tennstedt (1926-1998), o maestro que, nessa gravação, dirigiu a Orquestra Filarmónica de Londres.

É que, apesar de Tennstedt ter sido um excelente maestro, particularmente em Beethoven (1770-1827), Mahler, e no repertório operático, é alguém de quem pouco se fala hoje em dia, passados apenas 8 anos sobre a sua morte (Klaus Tennstedt faleceu no dia 11 de Janeiro de 1998). Entre 1948 e 1971, Tennstedt desenvolveu a sua actividade na antiga Alemanha de Leste, com limitada exposição internacional, se exceptuarmos o Bloco de Leste. Depois disso, regeu algumas das mais importantes orquestras, como as de Dresden, Gotemburgo e Estocolmo. Em 1974 esteve no continente americano, primeiro dirigindo a
Orquestra Sinfónica de Toronto e depois, na sua estreia nos Estados Unidos, a Orquestra Sinfónica de Boston, tocando obras de Johannes Brahms (1833-1897) e Anton Bruckner (1824-1896) e registando um enorme sucesso. A estreia operática nos Estados Unidos aconteceria apenas em 1983, quando, no Met de Nova Iorque, dirigiu o Fidélio, de Beethoven.

Em 1976 fez a sua estreia londrina, à frente da Orquestra Sinfónica de Londres e, no ano seguinte, iniciaria a ligação com a Filarmónica da mesma cidade, de que foi o principal maestro convidado a partir de 1980, e maestro principal e director musical a partir de 1983. Nessa altura era já um maestro reconhecido internacionalmente, aquém e além Atlântico, mas viria a reger pela primeira vez a Orquestra Filarmónica de Berlim apenas em 1985, para digirir As Estações de Joseph Haydn (1732-1809), uma obra de que por aqui se falou há não muito tempo.

Fumador inveterado, consta que despachava um cigarro a cada dez minutos, acabou por morrer de cancro, doença que lhe foi diagnosticada nos fins de 1985. Para trás tinha ficado um momento que o marcou particularmente, quando dirigiu a Orquestra de Filadélfia. É que o interesse de Tennstedt pela música começou com discos que o seu pai lhe dava a ouvir, e em que
Leopold Stokowski dirigia essa mesma orquestra.


CDs



Ludwig van Beethoven
Symphony No.9 in D minor, "Choral", Op.125.
Mari Anne Häggander (soprano), Alfreda Hodgson (contralto),
Robert Tear (tenor), Gwynne Howell (baixo)
London Philharmonic Choir & Orchestra
Klaus Tennstedt
BBC Legends BBCL4131-2

Tennstedt
Bedrich Smetana

The Bartered Bride - Overture.
Antonín Dvorák
Symphony No.8 in G, B163.
Leos Janácek
Sinfonietta.
London Philharmonic Orchestra
Klaus Tennstedt
BBC Legends BBCL4139-2

Gustav Mahler
Symphony No.8. Des Knaben Wunderhorn.
Elizabeth Connell, Edit Wiens, Felicity Lott, Trudeliese Schmidt,
Nadine Denize, Richard Versalle, Jorma Hynninen, Hans Sotin,
Lucia Popp, Berndt Weikl
Tiffin School Boys' Choir
London Philharmonic Choir & Orchestra
Klaus Tennstedt
EMI Double Forte 5 75661-2


Internet

Une vision personelle puissante et immédiate / Biografia

Sem comentários:

Enviar um comentário