09/03/2006

Lugares #125

Em 1357 começou a construção da ponte que ligaria a Cidade Velha ao Bairro Pequeno, e que é hoje ainda um dos mais famosos, senão mesmo o mais famoso, monumentos de Praga. Levou o nome de quem ordenou a sua construção, Carlos IV, rei da Boémia e imperador do Sacro Império Romano-Germânico, entre 1346 e 1378. Foi com este imperador, apostado em fazer dela a mais majestosa cidade europeia, que Praga conheceu o seu apogeu, sendo dessa época a criação da universidade, a construção de inúmeros mosteiros e igrejas, a reconstrução do castelo e a referida construção da ponte. Que não era a primeira a ligar as margens do rio Moldava, só que a anterior, a ponte Judite, construída em 1172, foi com a maré, aquando das inundações de 1342.

Para evitar repetição do descalabro, sempre humilhante, reza a história que, na sua construção, a ponte foi reforçada com quantidades substanciais de... gemas de ovos. Verdade ou mentira, o que é certo é que a anterior nem 200 anos durou e esta ainda lá está. Está lá ela e estivemos lá nós também, tendo começado, como é de bom tom, pelo início, trepando até ao cume da torre, gótica, que a embeleza do lado da Cidade Velha e que foi construída mais para os finais do século XIV. Depois, é só uma questão de ir até ao outro lado, aconchegados por artistas, pró-artistas e pseudo-artistas, devidamente vigiados pelas 30 estátuas que estrategicamente ladeiam os viandantes, uma das quais de Santo António. Já não são as estátuas originais, que essas estão pacatamente protegidas das intempéries e dos humanos no Museu Nacional de Praga, mas cópias suficientemente boas para cumprir a missão.




A mais famosa delas, e também a primeira a ser colocada, em 1683, é a de S. João Nepomuceno, vigário geral da arquidiocese de Praga que, em 1393, foi preso por causa de umas histórias à volta da eleição de um abade. Na altura o arcebispo também foi detido, só que logrou escapar. João Nepomuceno não teve tal sorte e acabou por morrer vítima de tortura, após o que o seu corpo foi amarrado e lançado da ponte Carlos ao rio. Diz a tradição que quem tocar na sua estátua terá sorte e o regresso garantido a Praga, pelo que não há turista que lá não pouse as manápulas, tornando-a numa das mais polidas estátuas da história!


Internet

Architecture in Prague: Charles Bridge / Charles' Bridge / Charles Bridge / Wikipedia

Sem comentários:

Enviar um comentário