06/04/2006

Lugares #128

Os Habsburgos são visita periódica deste blogue, o que decorre, naturalmente, do facto de terem sido uma das mais influentes famílias europeias. E também com uma das mais longas histórias, conhecida desde o século VI e apenas arredada do poder (na Áustria e na Hungria) na 1ª Guerra Mundial. Pelo caminho foram dominando os destinos de vários países, entre eles a Espanha, desde o início do século XVI até ao ano de 1700, altura em que se extinguiu a linha espanhola da família, resultando então na Guerra da Sucessão, que se prolongaria por mais de uma década.

Entre 1556 e 1598 a Espanha teve como rei um membro dessa família, Filipe II (1527-1598). Que, entre 1580 e 1598 também foi rei de Portugal, é bom que se saiba, sob o título de Filipe I. Se pensaram que o nosso rectângulo escapou aos poderes dos Habsburgos enganaram-se redondamente...

Pois foi Filipe II quem, em 1594, criou a Farmácia Real, no antigo Alcázar dos Habsburgos, em Madrid. A farmácia viria a ter uma vida deveras atribulada: um incêndio, ocorrido no dia 24 de Dezembro de 1734, destruiu por completo o edifício, farmácia incluída, e apenas no dia 6 de Abril de 1738, passam hoje 268 anos, seria colocada a primeira pedra do novo Palácio Real de Madrid. Apenas em 1794, já no reinado de Carlos IV (1748-1819), foi a farmácia de novo instalada. Pouco tempo ficou no palácio, contudo, já que, com as invasões napoleónicas foi transferida para o Seminário dos Nobres, tendo regressado de novo ao palácio no final do século XIX.




Para quem, como eu, desenvolveu uma particular aversão às farmácias, esta representa uma variante admirável, por completamente distinta das actuais. Linda de morrer, pelos menos segundo os meus discutíveis critérios estéticos, situada num edifício esplendoroso e... de entrada grátis, bastando para tal visitá-la na época baixa.


Internet

Palacio Real de Madrid / Madrid Royal Palace

Sem comentários:

Enviar um comentário