19/06/2006

Lugares #134

A página na internet da Câmara Municipal faz-nos a introdução: "(...) conhecida localmente por Cidade Velha, é um dos castros mais conhecidos do norte de Portugal e sem dúvida um dos mais importantes para o estudo da proto-história e romanização do Alto Minho (...)".

A do Instituto Português do Património Arquitectónico informa-nos que "(...) é um notável exemplar de um povo fortificado do noroeste peninsular, tanto pela sua dimensão, planeamento urbanístico, como pela tipologia da sua construção e carácter defensivo". Além disto, somos ainda informados dos horários das visitas e dos preços dos bilhetinhos. Bem mais baratos que os do futebol, por sinal, e sempre se aprende alguma coisa...

Motivos não faltavam para visitarmos mais uma citânia (depois das de
Briteiros e de Sanfins), pelo que um dia destes lá apontámos a carroça para Viana do Castelo e fomos à descoberta da Citânia de Santa Luzia. Dar com ela é o mais fácil, só faltando a emoção de outros tempos, em que a subida era feita naquele magnífico elevador, agora fora de serviço pois, aparentemente, apenas funciona no Verão. Para nosso azar, havia mais uma coisa fora de serviço: a própria citânia! Depois de duas voltas completas, a segunda das quais a pé, não fosse ter-nos escapado alguma entrada mais dissimulada, fomos forçados a concluir que estaria encerrada para obras. Avisos? Nenhuns: nada na internet, zero no local, silêncio no posto de turismo...




Por isso, só nos restou baixar ao centro histórico e contribuir para os resultados do 1º semestre da Unicer, que o calor apertava e a transpiração perturbava o físico. E,
tal como no caso da casa-estúdio de Carlos Relvas, havemos de lá voltar, que a casmurrice é por vezes uma virtude, em particular quando reina a não-informação.


Internet

Citânia de Santa Luzia
Câmara Municipal de Viana do Castelo / IPPAR

2 comentários:

  1. É de facto triste a situação supra descrita, sendo que tanto a citânia, como o elevador de Santa Luzia são de grande importância cultural para a cidade de Viana do Castelo. Mas este duplo problema (fecho e falta de informação) parece ser uma constante nos concelhos portugueses que não sejam integrantes dos distritos de Lisboa e do Porto.
    A propósito de citânias, cabe-me referir que existe, numa aérea da margem Sul do Lima pertencente às freguesias de Vila de Punhe, Vila Franca e Subportela (todas do distrito de Viana do Castelo) um castro, ainda que bastante desconhecido do meio científico. Trata-se da Citânia de Roques. Um estudioso local, que também foi arqueólogo e grande humanista, de seu nome Leandro Quintas Neves, realizou há mais de 50 anos várias escavações no castro. Encontrou várias peças da ocupação romana, e concluiu pela grande importância do castro como um dos maiores da tradição castreja do noroeste peninsular. Actualmente está votado ao abandono e ao esquecimento e a ser lentamente devorado pela praga do eucalipto. Para lá chegar só mesmo com a ajuda de um habitante local, constituindo a subida ao castro uma verdadeira aventura de exploração. Já faz anos que não o visito, mas da última vez que o fiz ainda era visível as várias cinturas de muralhas e duas habitações circulares objecto das referidas escavações. Há ainda uma gruta e um suposto templo com curiosas lendas, mas como já estou longo no comentário, deixo isso para outra altura...

    ResponderEliminar
  2. Obrigado pelo excelente comentário e pela ligação d'O Juízo do Ega ao desNorte, entretanto retribuída.

    Acabou de me arranjar mais um destino para uma das próximas incursões...


    Saudações,

    HVA

    ResponderEliminar