05/07/2006

Concertos #42

No próximo dia 29 de Julho assinalam-se os 150 anos do falecimento do compositor alemão Robert Schumann (1810-1856), um dos mais importantes compositores do período romântico. É, aliás, geralmente considerado como um dos que melhor personalizou o ideal romântico, pelas obras que criou e pela vida que teve.

Aqui merece especial relevo a odisseia por que passou para conseguir casar com Clara Wieck (1819-1896), filha do seu professor Friedrich Wieck (1785-1873), por quem Schumann se tinha apaixonado aí por volta de 1835. Enlace a que o pai Wieck se opôs de todas as formas e feitios, de tal forma que o casamento apenas teria lugar em Setembro de 1840.

E se até aí Schumann tinha composto maioritariamente música para piano, nesse ano dedicou-se essencialmente a escrever canções, datando dessa altura mais de metade da sua produção do género. Virou-se depois para a música orquestral e, num curto espaço de 4 dias, entre 23 e 26 de Janeiro de 1841, esboçou aquela que viria a ser a sua Sinfonia Nº1. A orquestração ficaria finalizada no mês seguinte, e a estreia aconteceria a 31 de Março de 1841, com Felix Mendelssohn (1809-1847) à frente da orquestra. Pouco à-vontade nas grandes orquestrações, Schumann comporia apenas mais 3 sinfonias.

É com esta sinfonia que na próxima 6ª Feira a Casa da Música
iniciará a integral das sinfonias de Schumann. Desta vez à frente da Orquestra Nacional do Porto estará o maestro Dietfried Bernet. E estaremos lá nós também, claro!


Programa

Anton Webern
Passacaglia, Op.1.
Robert Schumann
Sinfonia Nº1.
Johannes Brahms
Sinfonia Nº1.
Orquestra Nacional do Porto
Dietfried Bernet


Internet

Robert Schumann
Classical Music Pages
/ Wikipedia / Classical Net / Carolina Classical

2 comentários:

  1. O HVA comete, se me permite, o mesmo erro de apreciação da obra orquestral de Schumann em que boa parte dos críticos persiste. Mas como não sou musicólogo só lhe posso dizer que adoro toda a produção do grande Robert e tenho uma estima especial pelas suas quatro sinfonias, que ouço com enorme frequência. A sua Quarta é para mim uma pequena maravilha, que foi há uns dois anos tocada soberbamente pela Sinfónica Portuguesa sob a direcção do madeirense Fernando Eldoro.
    De referir que a dita OSP na sua nova época vai tocar a integral dessas sinfonias.
    Saudações e bom concerto (o Webern e o Brahms também prometem).

    ResponderEliminar
  2. Prezado F. Santos,

    Eu não fiz qualquer apreciação qualitativa da produção orquestral de Schumann. Limitei-me a referir o facto, conhecido, de ele não se sentir tão confortável com grandes obras orquestrais e, portanto, poucas ter composto: além das 4 sinfonias que referiu, 3 concertos (piano, violoncelo, 4 trompas), algumas aberturas e outras, poucas, obras de menor envergadura. Um número deveras limitado, quando comparado com o das obras de outros géneros (instrumentais, de câmara, vocais).

    Saudações,

    HVA

    ResponderEliminar