16/09/2006

Concertos #44

Na chamada época de férias, o Porto fecha definitivamente as portas, em particular no que à cultura diz respeito. Talvez porque pense que só por cá fica quem a tal é forçado, certamente gentes desprovidas de interesses culturais, e que quem para cá vem sempre tem esplanadas e umas quantas praias, devidamente condimentadas com a famosa nortada, não havendo assim necessidade de lhes proporcionar quaisquer outras alternativas. Ou seja, só cá fica quem não tem dinheiro e só para cá vem quem é desprovido de miolos. O resultado é o que se sabe: durante todo o mês de Agosto não se passa absolutamente nada na cidade. Parece que houve um conjunto de velhos reumáticos que, devidamente idolatrado e pago a peso de ouro, acedeu a abanar os ossos e a dar muitos berros, estes possivelmente como resultado da referida maleita, mas concordarão que tal nunca será o suficiente para alterar a nossa visão do panorama geral.

Daí só agora regressarmos aos nossos muito apreciados concertos, que o responsável da programação da Casa da Música foi colocar os brincos a brilhar para outras paragens, e a Casa alinhou pela abstinência geral. Das curiosidades do concerto que lá terá lugar amanhã, faz parte uma obra do compositor francês Edouard Lalo (1823-1892), que permitirá a muito boa gente descobrir que afinal ele sempre compôs algo para além da famosa Symphonie Espagnole. Lalo, que nos anos 50 do século XIX fez parte de um movimento que procurou reavivar em França o interesse pela música de câmara, encontrou na Société Nationale de Musique, fundada em 1871, o veículo ideal para a divulgação das suas obras. A sociedade tinha como objectivo inicial a promoção da música francesa e dos jovens compositores daquele país, e foi fundada pelo poeta Romain Bussine (1830-1899) e pelo já nosso bem conhecido compositor Camille Saint-Saëns (1835-1921).

Na década de 1870, Lalo escreveria algumas das suas mais significativas obras, como o Concerto para Violino, a referida Sinfonia Espanhola, a Fantaisie norvegienne e o Concerto para Violoncelo. Este último passa por ser o seu mais conhecido concerto, superando em popularidade o que escreveu para piano e os dois que compôs para violino. Finalizado em 1877 e estruturado em 3 andamentos, um perfume espanhol exala de todos eles, ou não fosse Lalo descendente dos nossos vizinhos ibéricos. Do programa farão ainda parte obras de Georges Bizet
(1838-1875), Camille Saint-Saëns (o Concerto para Violoncelo, bem apropriado neste contexto) e Paul Dukas (1865-1935). O violoncelo ficará a cargo da russa Natalia Gutman.


Georges Bizet
L'Arlésienne, Suites I e II.
Edouard Lalo
Concerto para Violoncelo e Orquestra em ré menor.
Camille Saint-Saëns
Concerto para Violoncelo e Orquestra Nº1.
Paul Dukas
O Aprendiz de Feiticeiro.
Natalia Gutman (violoncelo)
Orquestra Nacional do Porto
Marc Tardue


Internet

Edouard Lalo
Classical Net
/ Wikipedia / Galerie de Compositeurs / Musicologie

Société Nationale de Musique
Wikipedia / IRCAM

Natalia Gutman
Calouste Gulbenkian Foundation
/ Cello.org / Live Classics

Sem comentários:

Enviar um comentário