06/09/2006

Lugares #144

A década de 1660 assistiu à assinatura dos tratados de paz com a Holanda, com as Províncias Unidas e com a Espanha; por outro lado, registou também vários acontecimentos menos pacíficos, como as batalhas de Castelo Rodrigo e de Montes Claros. Houve ainda um tal general espanhol, de seu nome Pantoja, que invadiu o nordeste transmontano e por lá semeou desgraças. Andou por Vinhais, por exemplo, assim como por Arcos de Valdevez, que deixou reduzida a cinzas.

Não foi o que sucedeu com o Paço da Giela. O espanhol terá gostado da edificação medieval, e por lá assentou arraiais. O que, está bom de ver, não agradou muito aos portugueses que, para o convencer a procurar outras paragens, utilizaram a artilharia. O homem foi-se embora, só que deram cabo do edifício...



Como é de bom tom nestas coisas, antes de ir ao local, fomos primeiro ao site da Câmara Municipal de Arcos de Valdevez procurar mais algumas informações e, do que por lá se diz, ficámos a saber que o edifício entrou em fase de declínio e abandono a partir do século XIX, e que a autarquia local o adquiriu em 1999. Abriu-se-nos uma porta de esperança, certamente que a compra teria sido feita com a intenção de o recuperar. A fotografia que encima este texto dá para perceber que, se a casa-torre abandonada estava, abandonada continuou!



Claro que não podemos exigir muito. Afinal de contas, como é que uma autarquia vai remediar em 7 anos aquilo que esteve (está...) abandonado há 1 século?! Podia era ter poupado uns tostões, não adquirindo o edifício. Ele caía na mesma...


Internet

Paço de Giela
Câmara Municipal de Arcos de Valdevez / Solares de Portugal / Castelos.org

1 comentário:

  1. como é difícil lidar com uma sociedade sem cultura ainda que esteja desculpada...

    ResponderEliminar