23/10/2006

Concertos #46

Quando se fala de música antiga, nomeadamente a da renascença e a medieval, há um nome que, invariavelmente, vem à baila, o de Jordi Savall (1941-), num consenso dificilmente atingido na interpretação da grande música de outras épocas.

Uma das consequências do (razoavelmente) recente e crescente interesse pela autenticidade na interpretação da música antiga foi a reabilitação de instrumentos que tinham caído num esquecimento quase total. Foi o caso da viola da gamba, tornada obsoleta pelo aparecimento do violoncelo e hoje em dia, muito por mérito de Jordi Savall, dona de uma popularidade dificilmente imaginável há poucos anos. E já que estamos com a mão na massa, refira-se que o nome viola da gamba (que significa viola dos joelhos) vem do facto de, dadas as suas dimensões, ter de ser presa entre os joelhos para poder ser tocada. Ao contrário da sua antecessora, a viola medieval, também designada por viola da braccio por razões óbvias.

De volta a Jordi Savall, refira-se como relevante, além do casamento em 1968 com o soprano Montserrat Figueras, que recentemente editou um disco extraordinário (uma história para outra altura), os diversos grupos que formou: Hespèrion XX, em 1974, com o nome adequadamente mudado para Hespèrion XXI a partir de 2000; La Capella Reial de Catalunya, em 1987; e Les Concerts des Nations, em 1989, uma orquestra que se dedica principalmente a interpretar obras do período barroco.

Este paleio todo vem a propósito do concerto que Jordi Savall e os grupos Hespèrion XXI e La Capella Reial de Catalunya vão dar no próximo dia 28 na
Casa da Música, indispensável para todos os que nutrem interesse pela música de outros tempos. O programa pode ser consultado aqui.


Internet

Viola da Gamba
Viola da Gamba site / Wikipedia / Federation of Viola da Gamba Societies / Viola da Gamba Society of America

Jordi Savall
Wikipedia / Calouste Gulbenkian Foundation / Musicolog / Aaron Concert Artists

Sem comentários:

Enviar um comentário