17/10/2006

DVDs #14: Alban Berg, Wozzeck

Quando Alban Berg (1885-1935) assistiu à peça Woyzeck, em Abril de 1914, ficou suficientemente impressionado para de imediato projectar uma ópera baseada no texto do dramaturgo e novelista alemão Georg Büchner (1813-1837). Büchner, nascido passam hoje 193 anos e que morreu quando tinha pouco mais de 23 anos, chegou a cursar medicina, publicando até uma tese sobre o sistema nervoso dos peixes, mas foi no campo literário que mais se distinguiu, com as peças Danton's Tod, Leonce and Lena e a referida Woyzeck, que deixou inacabada e apenas seria editada postumamente. Que, por aparentemente alguém se ter enganado a escrever o seu nome aquando da estreia vienense, em 1914, iria dar origem à ópera Wozzeck de Alban Berg...

O próprio compositor se encarregou do libreto e esboçou de imediato parte da ópera, só que o eclodir do conflito mundial forçou o atraso do projecto. Alban Berg finalizou o 1º acto em 1919 e, em 1921, teria a ópera terminada, procedendo à sua orquestração no ano seguinte. A estreia teria lugar em Berlim no dia 14 de Dezembro de 1925, com o maestro Erich Kleiber (1890-1956). Se o texto original de Büchner foi um dos primeiros escritos em alemão em que os personagens principais eram todos de classes sociais mais baixas, a ópera nele baseada foi a primeira atonal. E se esta última característica não terá incomodado demasiadamente as autoridades nazis, já o mesmo não se poderá dizer da primeira.

Com o desenrolar da peça vamo-nos apercebendo de que, embora uns mais do que outros, todos os personagens contribuem para a tragédia de Wozzeck, apenas escapando o seu filho. Só que a este, e é assim que a ópera termina, os amigos vaticinam uma vida penosa, um final que tirou as tais autoridades do sério e levou, em 1933, a que fosse banida dos palcos germânicos.

Para o autor destas linhas a versão aqui hoje trazida, com o maestro Claudio Abbado, o Coro e a Orquestra da Ópera do Estado de Viena e Franz Grundheber, Hildegard Behrens, Walter Raffeiner, Philip Langridge, Heinz Zednik e Aage Haugland nos principais papeis, é a melhor que se encontra nos escaparates.




Alban Berg
Wozzeck
Franz Grundheber (barítono), Walter Raffeiner, Philip Langridge,
Heinz Zednik (tenores), Aage Haugland, Alfred Sramek (baixos),
Hildegard Behrens (soprano)
Chorus and Orchestra of the Vienna State Opera
Claudio Abbado
ArtHaus 100 256
(1987)


Internet

Georg Büchner
Wikipedia
/ Georg Büchner

Alban Berg
Classical Music Pages / Wikipedia / BBC / San Francisco Symphony

3 comentários:

  1. Esta obra-prima teve récita nos anos 50 em Lisboa, creio que no Tivoli.

    ResponderEliminar
  2. Caro F. Santos,

    Não tenho conhecimento dessa récita. Agora, li algures que ela estará de regresso a Lisboa no próximo ano. Talvez tenhamos oportunidade de assistir...


    Saudações,

    HVA

    ResponderEliminar
  3. A récita foi transmitida na Antena 2 há coisa de 7 anos. A sua representação em S. Carlos estava prevista para a época passada mas o director do Teatro decidiu suspendê-la por questões de (baixa) política.

    ResponderEliminar