23/02/2007

Concertos #51

Para os russos, a 2ª metade da década de 1910 revelou-se fértil em acontecimentos; além de todos os directamente relacionados com a 2ª Grande Guerra, tiveram ainda que lidar com os internos, nomeadamente com a Revolução de Outubro (de 1917), a subida do partido bolchevique ao poder e o consequente estabelecimento da União Soviética. Este ambiente não impediu, contudo, que Sergei Prokofiev (1891-1953) continuasse a compôr regularmente, e datam desta altura, por exemplo, algumas obras instrumentais (sonatas para violino) e orquestrais (um concerto para violino, outro para piano e uma sinfonia). Prokofiev, contudo, já tinha anteriormente cheirado o Ocidente e, em 1914, chegou a encontrar-se em Londres com Sergei Diaghilev (1872-1929), espicaçado pelo sucesso dos Ballets Russes e pela relação privilegiada do empresário com o compositor Igor Stravinsky (1882-1971).

Em Maio de 1918, Prokofiev zarpou de novo, rumo aos Estados Unidos, com uma breve passagem pelo Japão. Não encontrou o sucesso que esperava, contudo, e, em 1922, voltou para o velho continente. Iria depois efectuar algumas turnés pelo seu país natal (1927, 1929 e 1932)e , entre 1933 e 1936, visitou Moscovo com alguma frequência. O regresso definitivo dar-se-ia apenas em 1936 e, ao contrário do que eventualmente esperaria, não encontrou umas autoridades vergadas ao seu prestígio internacional, entretanto granjeado. Pelo contrário, sofreu, como os outros, os ditames do realismo socialista, e sujeitou-se ao crivo de Andrei Zhdanov (1896-1948).

A maioria das obras que compôs a partir daí resultaram de encomendas locais; uma delas veio do Teatro Central das Crianças, que queria uma sinfonia "destinada a cultivar os gostos musicais das crianças". Daqui nasceu Pedro e o Lobo, para narrador e orquestra, que Prokofiev escreveu em apenas 4 dias. Texto incluído, obviamente, que havia que dar alguma coisa ao narrador para narrar... Prokofiev aproveitou para exibir aos mais (e também aos menos) pequenos alguns dos instrumentos da orquestra, associando-os aos protagonistas: o herói Pedrinho é representado pelas cordas, o pássaro pela flauta, o pato pelo oboé, o gato pelo clarinete, o avô pelo fagote e o lobo pelas trompas. Para saberem como acaba a história só têm que fazer como nós, e aparecer amanhã pelas 21:00 na Casa da Música
, no Porto.


Programa

Nuno Malo
Suite de The Celestine Prophecy.
Bernard Herrmann
Suites de: The Man Who Knew Too Much; Psycho; Marnie.
Sergei Prokofiev
Pedro e o Lobo. (*)
Orquestra Nacional do Porto
Mark Stephenson

(*) Inclui projecção do filme Pedro e o Lobo de Suzie Templeton


Internet

Sergei Prokofiev
The Prokofiev Page
/ Wikipedia / Classical Music Pages / Sergei Prokofiev / ballet met / Peter and the Wolf - a musical story by Sergei Prokofiev

Sem comentários:

Enviar um comentário