05/02/2007

Óperas #13: Otello, de Giuseppe Verdi

Os primeiros anos da vida musical de Giuseppe Verdi (1813-1901) foram pacatamente passados em Busseto, de onde era natural. Depois da falhada tentativa de ser admitido no Conservatório de Milão, em 1832, Verdi regressou a casa e, em 1836, assumiu a direcção da Sociedade Filarmónica local.

Em 1839, contudo, Verdi demitiu-se do cargo, largou tudo e mudou-se para Milão. Para ser mais exacto, não largou exactamente tudo, pois levou com ele Oberto, uma ópera que tinha escrito. Contra todas as expectativas a obra foi aceite pela direcção do La Scala e registou um sucesso assinalável, a tal ponto que o compositor recebeu uma encomenda para mais 3 óperas.

Gradualmente Verdi foi estabelecendo a sua reputação, primeiro no país natal, depois internacionalmente, com a ópera Rigoletto, em 1851. Em 1860, preparava-se Verdi para viver dos rendimentos, e deu-se o episódio que originou La forza del destino, aqui anteriormente contado. Em 1871 escreveria Aida, após o que se seguiria um interregno de 15 anos, sem escrever uma única ópera. Otello, com libreto de Arrigo Boito (1842-1918) baseado na peça homónima de William Shakespeare (1564-1616), marcou o regresso operático de Verdi, e foi estreada há 120 anos, no dia 5 de Fevereiro de 1887. Nasceu de parto difícil, a primeira vez que Verdi foi sondado para a escrever aconteceu em 1879, tendo Arrigo Boito sido já na altura sugerido para escrever o libreto, mas a verdade é que apenas em 1884 os dois homens começaram a trabalhar no Otello.

A estreia foi, naturalmente, um acontecimento grandioso, dada a popularidade de Verdi, aliada à passagem dos referidos 15 anos desde a última ópera. Não foi isenta de percalços, que os cantores convidados garantiram a animação do evento: o tenor Francesco Tamagno (1850-1905) revelava uma persistente tendência para desviar-se das indicações de Verdi, para manifesta irritação deste; Romilda Pantaleone não seria a primeira escolha para o papel de Desdemona, mas consta que o maestro de serviço, Franco Faccio (1840-1891), tinha por ela um interesse que em muito extravasava o campo musical...; e o barítono francês Victor Maurel (1848-1923), que interpretaria Iago, fazia constar que se encontrava afónico!


CDs



Giuseppe Verdi
Otello.
Licia Albanese (soprano), Martha Lipton (meio-soprano), Ramon Vinay,
John Garris, Robert Hayward (tenores), Leonard Warren (barítono),
Nicola Moscona, Clifford Harvout, Philip Cinsman (baixos)
New York Metropolitan Opera Chorus & Orchestra
Fritz Busch
Preiser 90377
(1948)

Giuseppe Verdi
Otello.
Cheryl Studer (soprano), Denyce Graves (meio-soprano), Plácido Domingo,
Ramón Vargas, Michael Schade (tenores), Sergei Leiferkus (barítono),
Ildebrando d'Arcangelo, Giacomo Prestia, Philippe Duminy (baixos)
Hauts-de-Seine Maîtrise
Paris Opéra-Bastille Chorus & Orchestra
Myung-Whun Chung
Deutsche Grammophon 439 805-2


DVDs



Giuseppe Verdi
Otello.
Rosanna Carteri (soprano), Luisella Ciaffi (meio-soprano), Mario del Monaco,
G. Mattera, A. Cesarini (tenores), Renato Capecchi (barítono), Plinio Clabassi,
N. Catalani, B. Cioni (baixos)
Chorus & Orchestra of RAI, Milan
Tullio Serafin
Hardy Classic Video HCD4004

Giuseppe Verdi
Otello.
Barbara Frittoli (soprano), Rossana Rinaldi (meio-soprano),Plácido Domingo,
Cesare Catani, Antonello Ceron (tenores), Leo Nucci (barítono), Giovanni
Battista Parodi, Cesare Lana, Ernesto Panariello (baixos)
Coro e Orchestra del Teatro alla Scala di Milano
Riccardo Muti
TDK Mediactive DV-OPOTEL


Internet

Verdi: Il sito ufficiale
/ parmaitaly.com / Operas / Classical Music Pages
Otello: Performance History
/ GrandiTenori.com

Sem comentários:

Enviar um comentário