06/04/2007

Pianistas #17: Pascal Rogé (1951-)

Recentemente assistimos a um concerto em que a Orquestra Nacional do Porto foi dirigida pelo maestro Michael Zilm (1957-), para interpretar a 6ª Sinfonia de Gustav Mahler (1860-1911). Na altura aproveitei para me lamentar da menor qualidade da actual programação da Casa da Música, opinião partilhada por muito boa gente. Havia que evitar eventuais depressões, pelo que aqui o agregado, após aturada reflexão e em jeito de compensação, decidiu mudar de ares musicais, embora apenas por um fim-de-semana. O de 21 e 22 de Abril, para ser mais preciso, aproveitando os Dias da Música no Centro Cultural de Belém. Uma excelente razão para nos deslocarmos à capital, pois claro!

Na abertura vamos encontrar de novo Michael Zilm, desta vez à frente da Orquestra Metropolitana de Lisboa. Do programa constarão duas obras do compositor francês Francis Poulenc (1899-1963): Aubade, concerto coreográfico para piano e dezoito instrumentos, e o Concerto para Dois Pianos e Orquestra. Para bater nas teclas teremos os pianistas Ami Hakuno e Pascal Rogé (1951-). Este último, alvo da minha admiração há já muitos anos, celebra hoje o seu 56º aniversário.

Pode-se afirmar que Pascal Rogé vai jogar em casa; apesar de ter um repertório deveras alargado, deu sempre especial ênfase à música dos seus compatriotas, com particular destaque precisamente para Poulenc, de quem gravou o ciclo completo das obras para piano. Foi ainda com um disco deste compositor que Pascal Rogé, em 1988, ganhou um prémio Gramophone para o melhor disco instrumental desse ano.


Internet

Pascal Rogé
Official Website / Wikipedia / Schmidt Artists International, Inc. / Hexagone.net / clarion seven muses

3 comentários:

  1. Este espaço, o desNorte, com o seu conceito "DG", deixa-me sempre sem palavras. Muito obrigado!

    ResponderEliminar
  2. Com essa do conceito "DG" é que o Cláudio me deixou desarmado! Talvez me possa esclarecer...

    Continuação de sucessos para a Meia Livraria.


    Saudações,

    HVA

    ResponderEliminar
  3. Deutsche Grammophon... é isto o DG... (obrigado!)

    ResponderEliminar