05/05/2008

CDs #160: Debussy, Préludes

Em Agosto do ano passado falámos aqui do compositor francês Claude Debussy (1862-1918) referindo, de passagem, os seus Prelúdios. Um prelúdio, tal como o nome o dá a entender, é uma peça instrumental introdutória de uma obra musical. Ou melhor, começou por assim ser, até que, já no século XIX, ganhou vida própria e tornou-se numa peça independente, graças a Frédéric Chopin (1810-1849).

Depois dele, vários outros compositores investiram no género, com especial destaque para Debussy. Com diferenças fundamentais, contudo. Os Prelúdios de Debussy são "cenas da sua vida emocional" e, por via disso e ao contrário dos de Chopin, ostentam títulos. Que, contudo, só aparecem no fim das partituras, como se o compositor nos quisesse esconder até ao limite as motivações de cada um dos 24 que compôs. Por outro lado, Debussy evoca momentos e procura criar uma determinada atmosfera, enquanto Chopin tinha procurado retratar estados de alma.

Os Prelúdios de Debussy dividem-se em dois grupos, de 12 cada. Os que pertencem ao primeiro livro foram compostos num curto espaço de tempo, entre Dezembro de 1909 e Fevereiro do ano seguinte. Quatro deles, os números 1, 2, 10 e 11 foram tocados em público pela primeira vez pelo próprio compositor no dia 5 de Maio de 1910, passam hoje 98 anos. Debussy levou bastante mais tempo a escrever os do segundo livro, deles se tendo ocupado entre 1910 e 1912. Mais difíceis de compor e também de menor aceitação pelo público que, historicamente, sempre manifestou preferência pelo primeiro. A terminar, uma pequena curiosidade: alguns dos prelúdios deste segundo livro foram estreados pelo pianista Ricardo Viñes (1875-1943), o mesmo que, poucos anos antes, tinha estreado a obra Gaspard de la nuit de Maurice Ravel (1875-1937).




Claude Debussy
Préludes.
Steven Osborne (piano)
Hyperion CDA67530
(2006)


Internet

Claude Debussy
Wikipedia
/ Classical Music Pages / Claude Debussy & Impressionism / Catalogue des Oeuvres

Sem comentários:

Enviar um comentário