01/08/2007

CDs #126: Lucien Durosoir, Musique pour violon & piano

Durante as duas primeiras décadas do século XX o francês Lucien Durosoir (1878-1955) obteve assinalável sucesso como violinista, promovendo os compositores seus compatriotas sempre que actuava no estrangeiro, e os compositores de fora sempre que o fazia no seu país. Os encómios vinham de muito lado, e o Le Figaro, por exemplo, trazia o seguinte na sua edição do dia 19 de Maio de 1904: "(...) Com as suas soberbas interpretações, Lucien Durosoir colocou-se entre os mais virtuosos do seu tempo". A guerra veio, contudo, a interromper abruptamente tão promissora carreira; no dia 1 de Agosto de 1914, passam hoje 93 anos, deu-se a mobilização geral, de que Durosoir não se livrou. Viveu os horrores da guerra ao lado do compositor André Caplet (1878-1925) tendo, apesar de tudo, tido a oportunidade de tocar amiúde juntos.

Profundamente afectado pelo que viu durante o conflito, foi mostrando um crescente desinteresse pela prossecução da carreira de violinista; assim que foi desmobilizado, em Fevereiro de 1919, refugiou-se num
canto obscuro de França e começou a cumprir um outro sonho: o de se dedicar à composição. Sem ter atingido o mesmo sucesso obtido anteriormente como violinista, diga-se, para o que também terá porventura ajudado o facto de se ter mantido longe de Paris. Aonde se iria dirigir apenas em 1950, para vender o seu violino Guarnerius, único meio que viu de arranjar forma de se sustentar a ele e aos dois filhos. Decisão extremamente difícil, tal como o próprio reconheceu: "(...) Ce n'est pas sans une peine profonde que je me sépare de lui, mais la vie actuelle est tellement dure (...). C'est donc le premier pas vers la séparation des biens de la terre, c'est certainement le plus dur. Que je le retrouve un jour, dans une vie future, c'est mon voeu le plus ardant".

Nenhuma das obras constantes deste CD tinha sido anteriormente editada em disco. Nenhuma das obras compostas por Durosoir, e foram mais de 4 dezenas, foi editada em vida do compositor. Indiferença generalizada que ele está longe de merecer. Ouçam o disquinho e depois digam se concordam ou não...




Lucien Durosoir
Sonate en la mineur. Oisillon bleu. Rêve. Nocturne.
Légende. Cinq Aquarelles. Chant élégiaque. Prière à Marie.
Geneviève Laurenceau (violino), Lorène de Ratuld (piano)
Alpha ALPHA105
(2005)


Internet

Lucien Durosoir
MeGeP / Wikipedia / Symétrie / musicologie.org

5 comentários:

  1. Fiquei com curiosidade, obrigada pela info! Vou comprar na próxima incursão à FNAC... Aliás, todos os discos da editora Alpha são tão bonitos...

    ResponderEliminar
  2. Desejo-lhe boa sorte. Eu já há muito que desisti de procurar os discos na FNAC...


    Saudações,

    Heitor

    ResponderEliminar
  3. Também fiquei curioso. Não conheço este compositor.
    Quanto à procura de discos na Fnac, estamos conversados. No início, encontrávamos lá muitas coisas que antes nunca apareciam. Agora é raro terem coisas com interesse. Refiro-me à do Chiado, que é a que mais frequento, mas penso que é mal geral. A Fnac do Porto, na Rua de Santa Catarina, é uma tristeza.

    Cumprimentos.

    ResponderEliminar
  4. Pois... realmente não consegui encontrar hoje na FNAC Cascais, que até costuma estar bem organizada e apetrechada... sim, a de Santa Catarina e a do Gaia Shopping são para esquecer, em termos de música clássica...

    ResponderEliminar
  5. Deixe lá, vá ao seu Puccini e esqueça a FNAC... O Paulo tb já a tinha avisado...

    :-))


    Heitor

    ResponderEliminar