30/10/2007

CDs #137: Britten, String Quartets, 3 Divertimenti

Elizabeth Sprague Coolidge (1864-1953), nascida passam hoje 143 anos, estudou piano e composição, mas para a história ficou o seu patronício da música, com especial destaque para a música de câmara. No início de 2005 falámos, neste texto, do importante apoio que deu ao compositor inglês Frank Bridge (1879-1941), que chegaria inclusivamente a receber a Medalha Elizabeth Sprague Coolidge, por eminentes serviços à música de câmara. A lista de compositores a quem encomendou obras é impressionante, incluindo nomes como os de Bartók (1881-1945), Britten (1913-1976), Prokofiev (1891-1953), Ravel (1875-1937), Schoenberg (1874-1951) e Stravinsky (1882-1971).

Em 1939, Benjamin Britten, anti-militarista, zarpou em direcção aos Estados Unidos, acompanhado do seu amigo, o tenor Peter Pears (1910-1986), e por lá ficou até 1942. Nesse curto espaço de tempo compôs obras das mais significativas, como o ciclo de canções Seven Sonnets of Michelangelo, o Concerto para Violino e a Sinfonia da Requiem. É ainda deste seu período americano o Quarteto de Cordas Nº1, uma encomenda de Elizabeth Sprague Coolidge, obviamente. Escrito no Verão de 1941, foi estreado em Los Angeles em Setembro desse ano pelo... Coolidge Quartet.

O Segundo Quarteto, escrito 3 anos depois do regresso a terras de sua majestade, em 1945, resultou de uma encomenda para comemorar os 250 anos passados sobre o falecimento do compositor inglês do período barroco Henry Purcell (1659-1695), pelo que foi estreado no dia 21 de Novembro de 1945. Encomenda tornada ainda mais adequada pela conhecida influência que a música deste compositor teve sobre Britten, que viria a citá-lo nalgumas das suas obras posteriores, nomeadamente em Young Person's Guide to the Orchestra, composta no ano seguinte.

O Quarteto de Cordas Nº3 foi uma das últimas obras de Britten; escrito no Outono de 1975, foi estreado no dia 19 de Dezembro de 1976 pelo bem conhecido Quarteto Amadeus, apenas duas semanas depois da morte do compositor. Foi o testamento musical de Britten, geralmente entendido como o seu adeus à vida.




Benjamin Britten
String Quartet No.1 in D, Op.25.
String Quartet No.2 in C, Op.36.
String Quartet No.3, Op.94.
Three Divertimenti.
Belcea Quartet
EMI Classics 5 57968-2
(2003)


Internet

Benjamin Britten
Wikipedia
/ Classical Music Pages / bbc.co.uk / Opera Stanford

Elizabeth Sprague Coolidge
Wikipedia / A Permanent Home for Music

Sem comentários:

Enviar um comentário