21/03/2008

SACDs #16: Franz Schubert, Symphonie No.8, "Gross"

Entre 1813 e 1818 o compositor austríaco Franz Schubert (1797-1828) compôs 6 sinfonias; após esse período apenas escreveu mais uma sinfonia completa, tendo-nos deixado pelo meio esboços de mais algumas. Schubert datou de Março de 1828 o manuscrito dessa última sinfonia completa, mas há evidências recentes de que a terá composto entre 1825 e 1826. Como resultado de tudo isto, aquela que nós conhecemos como a Sinfonia Nº9 de Franz Schubert já foi apelidada de 7, 8 e 10; os nossos amigos germânicos, por exemplo, acham que ela é a Sinfonia Nº8, e é assim que ela aparece designada no disco que aqui trago hoje, por originário daquelas bandas. Por isso, apesar do título do disco, as sonoridades lá contidas dizem respeito à Sinfonia Nº9, e é dela de que se aqui hoje falará!

Apesar de ser hoje um dos compositores mais conhecidos, Schubert raramente saboreou o sucesso; apenas no ano da sua morte se pode dizer que ele sentiu algum reconhecimento, quando algumas das suas obras foram interpretadas no Musikverein de Viena, e tiveram uma recepção entusiástica. Fora isso, dificilmente se poderá encontrar um outro momento em que Schubert, na sua curta vida, tenha visto uma obra sua ser entusiasticamente recebida. Esta Sinfonia Nº9 é disso um exemplo significativo: ainda Schubert era vivo, a Gesellschaft der Musikfreunde, os tais do Musikverein..., recusaram-se a tocá-la por, aparentemente, estar além das suas possibilidades. O manuscrito foi mais tarde, em 1838, encontrado por Robert Schumann (1810-1856) em casa de Ferdinand Schubert (1794-1859), irmão de Franz, mas não conseguiu estreá-la, perante as recusas das orquestras de Viena e de Paris. A estreia aconteceria apenas em 1839, no dia 21 de Março, na cidade de Leipzig e com o nosso já conhecido Felix Mendelssohn (1809-1847) a dirigir a orquestra. E, mesmo nessa altura, Mendelssohn viu-se forçado a apresentá-la numa versão abreviada, curta de muitas das repetições, quando é hoje opinião (quase) unânime de que ela só faz sentido se a sua integridade, todas as repetições incluídas, for respeitada.




Franz Schubert
Symphonie No.8, "Grosse", C-Dur.
Bamberger Symphoniker
Jonathan Nott
Tudor 7144
(2007)


Internet

Franz Schubert
Classical Music Pages / The Schubert Institute (UK) / Wikipedia / Classical Net / Naxos

1 comentário:

  1. Olá Pai!
    Boa Páscoa!

    abraço

    Tiago

    http://www.campeoes-fcporto.blogspot.com

    ResponderEliminar