12/04/2008

Concertos #65

É quase universalmente sabido (lembro-me de uma notabilíssima excepção...) que o compositor de origem polaca Frédéric Chopin (1810-1849) escreveu maioritariamente música para piano, abrangendo um sem-número de formas: além dos concertos para esse instrumento, compôs baladas, estudos, impromptus, mazurkas, nocturnos, polonaises, prelúdios, rondos, scherzos, sonatas e variações!

Chopin escreveu 3 sonatas para piano, a primeira na juventude, em 1828, e a última delas em 1844, numa altura algo complicada para o compositor: o badalado romance com a escritora George Sand (1804-1876) já tinha tido melhores dias, e a doença que o mataria 5 anos depois ia começando a dar sinais. Esta sonata foi editada no ano seguinte e dedicada à condessa Émilie de Perthuis, esposa do conde Perthuis, a quem Chopin tinha anteriormente dedicado as Mazurkas, Op.24.

Esta é uma das obras que a pianista Maria João Pires vai tocar amanhã na Casa da Música, naquilo que é a sua primeira aparição naquele espaço. O programa será totalmente dedicado a Chopin, abrindo com uma transcrição para violoncelo e piano do seu Estudo, Op.25 Nº7, da responsabilidade de Alexander Glazunov (1865-1936), e em que será acompanhada pelo violoncelista russo Pavel Gomziakov (1975-). Voltamos assim a assistir a um recital de Maria João Pires, um ano depois de a termos encontrado no Centro Cultural de Belém. Um dos pontos altos da programação deste ano da Casa da Música, pois claro!


Programa

Frédéric Chopin
Estudo, Op.25 Nº7 (transcr. Alexander Glazunov)
Nocturno em si maior, Op.9 Nº3.
Sonata para Piano Nº3 em si menor, Op.58.
Sonata para Violoncelo e Piano em sol menor, Op.65.
Maria João Pires (piano), Pavel Gomziakov (violoncelo)


Internet

Frédéric Chopin
Classical Music Pages / The Fryderyk Chopin Society in Warsaw / Vidas Lusófonas / Classical Net / The Unofficial Chopin Homepage / Wikipedia / Classical Music Archives / Naxos / Clássicos

7 comentários:

  1. LOL ... também me consigo lembrar dessa excepção :-) O pior foi não ter ficado calado e ter tentado encontrar uma peça inexistente ... Domingo de manhã irei ouvir Moyano na Culturgest. Maria João Pires e a Casa da Música terão de esperar.

    ResponderEliminar
  2. Excelente programa. Chopin combina na perfeição com a sensibilidade
    à flor da pele de Maria João Pires.

    Votos de um grande recital.

    ResponderEliminar
  3. os nocturnos de Chopin são sempre ouvidos com um gosto muito especial; o que é profundo nunca cansa...

    ResponderEliminar
  4. Foi um Domingo em cheio: maratona de BTT em Amarante (Rota do Marão) e nem tempo houve para almoçar, sob pena de não chegar a tempo à Casa da Música!

    Ah, e obrigado pelos comentários, evidentemente!


    Saudações,

    Heitor

    ResponderEliminar
  5. Já tinha ouvido dizer que você ia andar por lá...

    Gostei muito do concerto, mas saí de lá com a convicção reforçada de que a escrita de Chopin para violoncelo e piano esteve longe de atingir o brilhantismo atingido nas obras para piano solo. Que é como quem diz, não me importava nada de ter assistido a um recital de hora e meia com Maria João Pires a solo, e convidar apenas o violoncelista para os "encores"...


    Cumprimentos,

    Heitor

    ResponderEliminar
  6. "Já tinha ouvido dizer..."... LOL

    Totalmente de acordo consigo! Aliás, vem de encontro com os comentários que coloquei no meu "canto"...

    Uma boa semana, Moura Aveirense

    ResponderEliminar