10/07/2008

Lugares #177

Qualquer nortenho mais ferrenho diria ser mais uma prova incontestável da preguiça dos mouros; nós, razoavelmente moderados, admitidos como boa a tese da conveniência, por facilitar a deslocação de quem, partindo da Baixa, pretende deslocar-se ao Largo do Carmo. Terá sido esta a razão da construção do Elevador de Santa Justa, tendo a iniciativa partido de um ilustre engenheiro do... Porto, Mesnier de Ponsard (1848-1914), preocupado sem dúvida com a mobilidade dos habitantes da capital, mas também esperançado nos proventos futuros.

As obras começaram em Julho de 1900, e a inauguração iria ter lugar dois anos depois, no dia 10 de Julho de 1902, passam hoje 106 anos. Pelos vistos uma das mais delicadas operações foi a da colocação do passadiço de ligação à Rua do Carmo. Como é habitual nestas coisas, juntou-se uma pequena multidão, dividida entre a curiosidade de assistir à perícia da manobra e a suspeita de que aquilo tudo iria abaixo. Um pouco como o que se viria a passar cerca de 60 anos mais tarde, em que veio gente de várias partes do mundo para assistir ao desabamento da Ponte da Arrábida. Coincidência ou não, o engenheiro responsável pela ponte, Edgar Cardoso (1913-2000), era também um homem do Porto!

Agora como na época em que foi construído, o terraço da torre proporciona uma bela vista sobre Lisboa; o que deu origem, aliás, a mais uma fonte de receitas para a sociedade construtora, que lá enfiou um telescópio que só funcionava com moedinhas... Esse já lá não está, mas estivemos nós e usufruímos longamente de tão esplendorosa visão. Em vésperas de usufruir de esplendorosas audições, convém referir!





Internet

Elevador de Santa Justa
Carris / Wikipedia / IPPAR

5 comentários:

  1. Pai, eu estou a utilizar agora o openID.
    Mas a partir de agora vou usar mesmo o meu.

    ResponderEliminar
  2. Caro José Pimentel Teixeira,

    As histórias que a minha família (pais, tios) me conta do tempo (muito) que viveu em África, em particular em Moçambique, há muito que criaram em mim o sonho de a visitar. Infelizmente ainda não concretizado. E devo dizer-lhe que as visitas ao seu Ma-Schamba compensam essa falha, por um lado, mas, com os seus excelentes textos e fotografias, aumentam a vontade de visitar Moçambique, por outro...


    Cumprimentos,

    Heitor

    ResponderEliminar