05/09/2008

Pianistas #24: Joyce Hatto (1928-2006)

Há coisas que não lembrariam ao diabo mas que saem naturalmente da pinha de muitos humanos, e com consequências por vezes desastrosas, como foi obviamente o caso da que deu origem à embrulhada em que se viu metido o nome da pianista inglesa Joyce Hatto (1928-2006). E só nela não se viu directamente embrulhada a própria Joyce Hatto porque a história apenas foi descoberta após a sua morte, ocorrida em Junho de 2006. Se não o tivesse sido, a senhora ainda hoje seria venerada como tendo sido uma extraordinária pianista, uma das maiores da sua geração.

A carreira de Hatto tinha começado nos inícios da década de 1950, e estendeu-se por cerca de 25 anos, tendo deixado de vez os palcos em 1976, aparentemente por problemas de saúde. Por muitos e bons anos ninguém voltaria a ouvir falar da senhora. Até que, já no século XXI, a editora Concert Artist, pertencente a William Barrington-Coupe, marido da pianista, começou a editar discos que rapidamente ganharam um estatuto de quase culto, dada a qualidade das interpretações da pianista e o facto de ser uma quase desconhecida até então. Daí até à celebridade de Hatto foi um pequeno passo.

Só que um belo dia, Brian Ventura, que tinha encomendado uma resma desses discos, enfiou um deles no computador, com os 12 Estudos Transcendentais de Franz Liszt (1811-1886), e o iTunes identificou o pianista como sendo o húngaro Lászlo Simon (BIS-CD-369), e não Joyce Hatto. Desconfiado, Ventura contactou a revista Gramophone e deu conta da sua descoberta ao editor Jed Distler que, após várias audições das "versões" de Simon e Hatto não descortinou grandes diferenças, o que só lhe aumentou o desconforto. Para tirar a coisa a limpo, Distler entrou por sua vez em contacto com Andrew Rose, especialista em áudio da editora Pristine Classical, que, após uma cuidada análise, concluiu tratar-se da mesma gravação, efectuada por László Simon em 1986 e repescada para o disco de Hatto...

A notícia começou-se a espalhar e o processo não mais parou, vindo-se a demonstrar que as várias dezenas de gravações editadas por Barrington-Coupe tinham sido na verdade efectuadas por outros pianistas (mais de 90 pianistas diferentes...), ilegalmente copiadas, manipuladas e atribuídas a Joyce Hatto. Após muitas negas, o artista lá acabaria por admitir a aldrabice, uma das mais fantásticas da história da música! O que, devo admitir, também me deixou um bocado perplexo, para não dizer incomodado, pois algumas destas gravações, que fizeram de Hatto famosa, foram na verdade efectuadas por pianistas de que raramente ouvimos falar e que nunca receberam tais encómios...

Joyce Hatto nasceu há 80 anos, no dia 5 de Setembro de 1928.


Internet

Joyce Hatto
Pristine Classical / Telegraph / Gramophone / QuestionCopyright.org / Guardian / The Independent / BBC / International Herald Tribune / FarhanMalik.com / Andrys Basten / stereophile / Bach Cantatas Website / MusicWeb International / Wikipedia

Sem comentários:

Enviar um comentário