19/11/2008

Sinfonias #32: Sinfonia Nº4, de Franz Schubert

Da primeira que por aqui falámos do compositor austríaco Franz Schubert (1797-1828), referimos o facto de ele ter escrito para cima de 600 canções, apesar de ter falecido com 31 anos apenas. Indubitavelmente que Schubert deu ao lieder um estatuto de que nunca antes tinha gozado, o que teve como contrapartida o facto de, enquanto vivo, ser quase exclusivamente conhecido como um compositor de canções, deixando os outros géneros a que se dedicou com igual brilho injustamente esquecidos.

Um desses géneros foi o sinfónico, tendo escrito 9 sinfonias, embora deixando algumas delas inacabadas; isto, claro, se esquecermos aquilo que viria a ser eventualmente a 10ª, mas da qual apenas deixou alguns esboços pianísticos, por ter falecido entretanto. Uma vez que morreu ainda jovem, é natural que tenha composto as primeiras sinfonias quando era muito novo; a Sinfonia Nº4, "Trágica", foi escrita em 1816, ainda não tinha o compositor 20 anos, mas foi apenas estreada no dia 19 de Novembro de 1849, exactamente 21 anos após a sua morte. Nela não se reconhecem ainda distintamente os sons do romântico, mas antes as influências clássicas vienenses, de Haydn (1732-1809), Mozart (1756-1791) e Beethoven (1770-1827). Ao contrário de outros casos, foi o próprio compositor que deu o nome à sinfonia, apesar do tom geral da mesma não ser tão trágico quanto isso...


CDs



Franz Schubert
Symphonies Nos.1-6, 8 & 9.
Staatskapelle Dresden
Colin Davis
RCA Red Seal 82876 60392-2

Franz Schubert
The 10 Symphonies.
Academy of St Martin in the Fields
Neville Marriner
Philips 470 886-2

Felix Mendelssohn
Die schone Melusine, Op.32.
Franz Schubert
Symphony No.4 in C minor, "Tragic", D417.
Berlin Philharmonic Orchestra
Nikolaus Harnoncourt
Teldec 4509-94543-2


Internet

Franz Schubert
Classical Net / Classical Music Pages / Naxos / Wikipedia / Carolina Classical Connection

3 comentários:

  1. Pois é as sinfonias incompletas de Schubert são mais do que muitas ... Além disso na verdade é espantoso que com apenas 31 anos tenha esta vastíssima obra publicada ... O rei da melodia talvez?

    ResponderEliminar
  2. já o disse e repito com prazer: por aqui aprende-se certamente; não fazia a mínima ideia de que Shubert, que tantas vezes escutei em vinil, nas traseiras das serras da Malveira, era ainda verde... tinha vivido tão pouco e que chegou para produzir tanto e bom...
    um abraço pela dedicação.

    ResponderEliminar
  3. Schubert e Mozart foram dois casos extraordinários até desse ponto de vista, do número de obras (excelentes) que escreveram no pouco tempo que viveram: 31 anos o primeiro, 35 o outro.

    Cumprimentos,

    Heitor

    ResponderEliminar