02/09/2009

Óperas #22: The Lighthouse, de Peter Maxwell Davies

Reparei agora que nunca aqui falei do compositor inglês Peter Maxwell Davies (1934-) o que, por muito indesculpável que possa parecer, também não será demasiadamente grave, pois até hoje ainda ninguém se queixou. A vantagem é que compositores não faltam, e a grande maioria nunca por aqui passou, pelo que se alguém se lembrasse agora de desatar a refilar pela ausência de cada um deles, dificilmente faria alguma coisa de útil até ao fim dos seus dias; como tenho os leitores deste modesto canto por pessoas estimáveis, posso dormir descansado...

Pois Maxwell Davies passa por ser um dos compositores britânicos mais interpretados, além dos mais prolíficos, com algumas centenas de obras no seu curriculum, abrangendo, entre outros, os géneros concertante, orquestral, sinfónico e operático. The Lighthouse, ou O Farol, pertence a este último, sendo igualmente a ópera deste compositor que maior sucesso obteve. O próprio Maxwell Davies encarregou-se do libreto e, para tal, inspirou-se numa história que teve tanto de verdadeira como de misteriosa.

Em Dezembro de 1900 um barco passou perto do farol das ilhas Flannan, pertencentes à Escócia, e reparou que este tinha a luz desligada. Reportado o problema, foi enviado um barco, Hesperus, para averiguar o que se passava, e o que a tripulação descobriu quando lá chegou é ainda hoje assunto de muitas conversas. O farol encontrava-se vazio, sem nenhum dos seus 3 guardas no interior, constando que em cima da mesa encontravam-se os restos de uma refeição não terminada; o que é certo é que os guardas nunca mais foram vistos, nem os seus corpos alguma vez apareceram, havendo as mais díspares explicações para o que poderá ter sucedido.

A ópera The Lighthouse foi estreada no Festival de Edimburgo no dia 2 de Setembro de 1980, passam hoje 29 anos.


Internet



Peter Maxwell Davies
Boosey & Hawkes / Chester Novello / Naxos / Answers.com / Intermusica / Classics Online / Wikipedia

2 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  2. Está visto que não estive à altura das expectativas...

    Heitor

    ResponderEliminar