31/10/2009

Concertos para Piano #11: Concerto para Piano Nº5, de Sergei Prokofiev

O russo Sergei Prokofiev (1891-1953) compôs 5 concertos para piano, dos quais apenas um, o quarto, não foi estreado em vida do compositor. Por culpa do já nosso conhecido pianista Paul Wittgenstein (1887-1961), que começou por encomendar a obra e se recusou posteriormente a tocá-la, certamente desagradado com o rumo que ela levou. O que é certo é que Prokofiev não fez qualquer menção de a apresentar publicamente, e faleceu antes que ela tivesse sido estreada.

No mesmo ano em que se deu este incidente, 1931, Prokofiev iniciou a composição daquele que viria a ser o seu e último Concerto para Piano. Pode-se afirmar, por um lado, que teve mais sucesso do que no anterior, pois conseguiu estreá-lo ainda vivo, mas, por outro lado, a indiferença mais ou menos generalizada com que foi recebido não lhe deu grandes motivos para satisfações.

O concerto de estreia, em Berlim, no dia 31 de Outubro de 1932, passam hoje 77 anos, foi um desfile de pesos-pesados: contou com o próprio compositor ao piano, com o maestro Wilhelm Furtwängler (1886-1954) à frente da orquestra e ainda com o violista (e compositor) Paul Hindemith (1895-1963) na outra obra que fez parte do programa, Harold in Italy, de Hector Berlioz (1803-1869).


CD



Sergei Prokofiev
Piano Concertos - No.1, Op.10; No.2, Op.16; No.3, Op.26;
No.4, Op.53 (for the left hand); No.5, Op.55.
Horacio Gutiérrez, Boris Berman (pianos)
Royal Concertgebouw Orchestra
Neeme Järvi
Chandos CHAN10522X
(1989, 1990)


SACD



Maurice Ravel
Piano Concerto in G major.
Sergei Prokofiev
Piano Concerto No.5 in G major, Op.55.
Francesco Schlimé
Three Improvisations.
Francesco Tristano Schlimé (piano)
Russian National Orchestra
Mikhail Pletnev
Pentatone PTC5186 080


Internet



Sergei Prokofiev
The Prokofiev Page / Naxos / Classical Net / Classical Music Pages / Answers.com / Wikipedia

1 comentário:

  1. Sérgio Azevedo12/11/09, 22:57

    É uma pena que Wittgenstein nunca o tenha tocado (provavelmente nunca o teria conseguido, é extremamente difícil), e que Prokofiev nunca se tenha dado ao trabalho de o tocar também (provavelmente por no fim da vida dar cada vez menos concertos em detrimento da composição, e já foi um pau ter estreado o 5º concerto), pois o 4º concerto é um dos mais belos. Se alguém tiver problemas com ele, recomendo que ouça primeiro o 2º andamento, uma das páginas mais líricas de Prokofiev, que antecipam a beleza do Romeu e Julieta (apenas um pouco posterior), e depois o 3º andamento, só prosseguindo para os andamentos extremos no fim, pois estes são mais marcadamente agressivos (se bem que do melhor Prokofiev). Acho este concerto bem melhor do que o 5º, francamente desiquilibrado, embora cheio de boas ideias, mas parece-me um pouco uma suite sem grande consistência formal. Mas talvez seja apenas o meu gosto a falar...

    ResponderEliminar