29/07/2009

CDs #211: Barbirolli, New York Philharmonic, Live Recordings 1937-1943

O dia 5 de Novembro de 1936 ficou marcado pelo primeiro concerto em que a Orquestra Filarmónica de Nova Iorque foi dirigida pelo maestro inglês John Barbirolli (1899-1970). Esta orquestra tinha sido responsável pelas estreias mundiais de várias e importantes obras, como a Sinfonia nº9 de Antonín Dvorák (1841-1904), o Concerto para Piano nº3 de Sergei Rachmaninov (1873-1943) ou o Concerto para Piano de George Gershwin (1898-1937), pelo que a decisão de convidar um maestro em início de carreira, ainda pouco conhecido, não deixou de surpreender muito boa gente.

Pouco tempo antes a administração lá do sítio decidiu oferecer a Thomas Beecham (1879-1961) a posição de maestro convidado para a temporada de 1936-37, tendo-se esquecido de informar o maestro titular, Arturo Toscanini (1867-1957), de tal decisão. Toscanini não era homem para engolir tamanho sapo, pelo que fez as malas e pôs-se a andar, deixando a orquestra sem maestro residente e a respectiva administração com um problema bicudo para resolver. É que se nós aqui temos indisfarçável admiração por ambos os maestros, eles próprios não se sentiam a tal obrigados, e é público e notório que Toscanini não tinha Beecham em grande apreço... Daí o convite a Barbirolli para um primeiro contrato experimental de 2 meses e pico que, em face do sucesso obtido, se veio a reflectir na sua nomeação para maestro principal, posto onde se manteve até 1943.

Este duplo CD inclui precisamente gravações de John Barbirolli à frente da Filarmónica de Nova Iorque, e cobrem o período que ele por lá passou, pois foram efectuadas entre 1937 e 1943. O som, de qualidade variável, não impede que fiquemos com uma ideia precisa das alturas a que o maestro elevou aquela orquestra. O que vem contrariar, de certa forma, aqueles que o desvalorizam, em comparação com o high profile de Toscanini à frente da Orquestra da NBC, especialmente criada para ele após a deserção de Nova Iorque.

John Barbirolli faleceu há 39 anos, no dia 29 de Julho de 1970.




Barbirolli
New York Philharmonic
Live Recordings 1937-1943
César Franck
Symphony in D minor.
Hector Berlioz
Benvenuto Cellini - Overture.
Charles Griffes
Ibéria (Images).
Mario Castelnuovo-Tedesco
King John - Overture.
Johannes Brahms
Concerto for Violin, Cello and Orchestra in A minor, Op.102.
Arthur Benjamin
Overture to an Italian Comedy.
Arcangelo Corelli
Concerto Grosso (arr. Barbirolli).
Gustav Mahler
Adagietto (excerpt).
Albert Spalding (violino), Gaspar Cassadó (violoncelo)
New York Philharmonic Orchestra
John Barbirolli
Guild GHCD 2330/31


Internet



John Barbirolli
Bach Cantatas Website / Sir John Barbirolli Memorial Foundation / The Barbirolli Society / Orchestra Conductors Database / EMI Classics / Wikipedia

23/07/2009

Guitarristas #1: Carlos Paredes (1925-2004)

Durante uns bons anos os únicos discos (de) portugueses que possuía eram os do compositor e guitarrista Carlos Paredes; aos poucos essa falha foi sendo corrigida, mas a minha admiração por aquele músico nunca diminuiu. A doença, que o impediu de tocar nos últimos 11 anos de vida, terá feito com que a sua morte, no dia 23 de Julho de 2004, passam hoje 5 anos, não tenha sido muito mais sentida neste país empedernido.

Actualmente, e como é habitual neste rectângulo onde vivemos, já poucos se lembram dele. Se tivesse tido tendências de gosto e legalidade duvidosos, trocado a tonalidade da epiderme e empinado um ridículo nariz, não faltaria quem lamentasse o seu desaparecimento e chorasse a perda irreparável para a cultura planetária; como se limitou a ter uma vida corajosa mas recatada, e a compor e interpretar música de elevada qualidade, está votado a um quase total esquecimento. Coisas da vida e da morte.


Internet





Carlos Paredes
Tributo a Carlos Paredes / Wikipédia / At-Tambur.com / Carlos Paredes / Carlos Paredes / Carlos Paredes

17/07/2009

Pianistas #29: Rosalyn Tureck (1914-2003)

Já várias vezes por aqui falei da pianista norte-americana Rosalyn Tureck, nomeadamente em Julho e e Dezembro de 2006. Em ambas as ocasiões falei da ligação especial que ela manteve com a música do compositor alemão Johann Sebastian Bach (1685-1750); até à década de 1960 fê-lo apenas através do piano mas, a partir daí, passou a interpretá-lo com alguma frequência no cravo.

É ao piano, contudo, que Tureck aparece na maioria dos vídeos disponíveis no YouTube. Hoje, dia em que passam 6 anos sobre o seu falecimento, deixo aqui ligações para os vídeos de 3 extraordinárias interpretações desta pianista (a opção de incorporação não se encontra disponível para qualquer delas...); chamo a atenção, em particular, para a última, pois trata-se de uma gravação efectuada poucos meses antes da sua morte:

1. http://www.youtube.com/watch?v=KBdqpuaHq4I
2. http://www.youtube.com/watch?v=4PSUL_aRGZU
3. http://www.youtube.com/watch?v=A2MfdZCais0


Internet

Rosalyn Tureck
The Juilliard Journal online / Bach Cantatas Website / Tureck Bach Research Institute, Inc. / Music & Vision homepage / The Guardian / Answers.com / The New York Times / Classical Archives / Wikipedia

13/07/2009

CDs #210: Carlo Bergonzi, Verdi & Puccini Arias

O meu fascínio pelas gravações da década de 1950 continua intacto, e um disco que acabei de receber só o veio reforçar. Há 4 anos o italiano Carlo Bergonzi (1924-) foi o primeiro tenor a ter honras de ser nosso convidado; agora aparece de novo por aqui, precisamente graças a este extraordinário disco, lançado no ano passado pela editora Regis Records.

As gravações mais antigas datam de 1951, que é como quem diz, das suas primeiras abordagens ao repertório de tenor; é que, se bem se lembram, Bergonzi começou como barítono mas, não se sentindo totalmente confortável nesse papel, acabou rapidamente por virar tenor. Está visto que era um rapaz que se adaptava rapidamente a novas situações, em poucos anos passou de operário numa fábrica de queijos a tenor de sucesso, sendo que, pelo meio, ainda teve tempo para ser militar e iniciar uma carreira de cantor como barítono!

Bergonzi nasceu em Vidalenzo, não muito longe do local onde Giuseppe Verdi (1813-1901) nasceu e, desde que se retirou dos palcos, ocupa-se da gestão do seu restaurante I Due Foscari, em Busseto, perto da estátua de... Verdi. Tudo dentro da normalidade, pois o restaurante tem o nome de uma das óperas deste compositor, e foi precisamente em Verdi que Bergonzi mais se distinguiu, sendo com árias de óperas dele que se preenche maioritariamente este disco.

Carlo Bergonzi celebra hoje o seu 85º aniversário.




Carlo Bergonzi
Verdi & Puccini Arias.
Carlo Bergonzi (tenor)
Orchestra of the Accademia di Santa Cecilia, Rome
Gianandrea Gavazzeni
Chorus of RAI
Orchestra of RAI
Francesco Molinari-Pradelli, Carlo Maria Giulini, Alfredo Simonetto
Regis Records RRC 1305
(1951, 1958)


Internet



Carlo Bergonzi
Sito Uffuciale / Grandi Tenori / Decca Classics / Bel Canto Society / Answers.com / Classical Archives / Wikipedia

09/07/2009

CDs #209: Respighi

Não foi fácil ao italiano Ottorino Respighi (1879-1936) ver as suas composições conhecidas do grande público. Compositor quase anónimo durante uns bons anos, apenas após a mudança para Roma, em 1913, obteve o reconhecimento generalizado, graças à trilogia de poemas sinfónicos dedicados a essa cidade: Fontane di Roma, de 1915-6, Pini di Roma, de 1924, e Feste Romane, de 1928. Pelo meio, contudo, já Respighi tinha escrito outras obras importantes, como Vetrate di Chiesa (Janelas de Igreja), em 1925, resultante da orquestração de uma anterior para piano, Tre preludi sopra melodie gregoriane. Vetrate di chiesa foi estreada em Fevereiro de 1927 por um dos maestros mais conhecidos na altura, Serge Koussevitzky (1874-1951).

Por essa altura já Respighi tinha deixado a direcção do Conservatorio di Musica Santa Cecilia, de Roma, para ter mais tempo disponível para se dedicar à composição. No dia 12 de Maio de 1927, acompanhado da esposa, Elsa Respighi (1894-1996), entrou a bordo do navio Conte Verde para aquela que seria a sua primeira viagem ao Brasil, para dirigir a sua própria música numa série de concertos no Rio de Janeiro e em São Paulo. Pelo meio ainda arranjou tempo para tomar contacto com a música popular local e, à partida, prometeu que comporia uma suite orquestral em 5 andamentos nela inspirada, para ser apresentada no ano seguinte. A verdade é que, em Junho de 1928, Respighi estava de regresso ao Rio de Janeiro, para apresentar Impressione brasiliane, uma suite orquestral em... 3 andamentos. É que, apesar de em Janeiro desse ano já ter estes 3 andamentos escritos e orquestrados, não encontrou tempo para mais, e teve que a apresentar mesmo assim! Contudo, a obra foi calorosamente recebida, pelo que nunca mais lhe mexeu...

Ottorino Respighi nasceu há 130 anos, no dia 9 de Julho de 1879.




Ottorino Respighi
Vetrate di chiesa. Impressioni brasiliane.
Rossiniana: Suite for Orchestra.
Buffalo Philharmonic Orchestra
JoAnn Falletta
Naxos 8.557711
(2006)


Internet



Ottorino Respighi
MusicWeb International / Karadar Classical Music / Naxos / Bach Cantatas Website / Classical Music Archives / Wikipedia / Classical Net / The Michael O'Neal Singers

05/07/2009

Lugares #188

Águeda não é propriamente famosa pelos seus parques ou jardins, mas o Parque Municipal Alta Vila, situado junto à EN1 e bem perto do centro da cidade, justifica visita demorada. A única coisa que dele nos é dita é que foi concebido por um tal Dr. Eduardo Caldeira, de que nada mais sabemos, pois o site da Câmara Municipal lá do sítio tem muitas cores e passarinhos a voar mas pouca informação. Os autarcas locais referem orgulhosamente ser Águeda "uma das mais industrializadas cidades do país" mas, como ainda (tanto quanto sabemos) não começaram a organizar passeios guiados pelas principais fábricas, também não fazem grande esforço para atrair forasteiros; só assim se compreende, por exemplo, que o Posto de Turismo não tenha um mapa da cidade digno desse nome para fornecer aos visitantes, limitando-se a distribuir uma fotocópia de um mapa extraído do Google...





A bem da verdade, devo reconhecer que o motivo da nossa deslocação àquela cidade não foi o referido parque, mas a minha participação em mais uma aventura de duas rodas, de cujo resultado final não fiquei propriamente orgulhoso. Nada que "Two More Bottles of Wine" ao almoço não remediassem...


Internet



Águeda
Águeda Viva / Portal regiaocentro.net / Região de Águeda / Wikipédia

01/07/2009

Compositores #95: Erik Satie (1866-1925)

Nada como o francês Erik Satie para destoar decisivamente daquela lenga-lenga usual quando desfilamos as proezas dos grandes compositores. Satie não foi um menino prodígio, não tendo mostrado, enquanto jovem, um talento musical acima da média; e aos 13 anos entrou no Conservatório de Paris, de onde foi banido cerca de 3 anos depois, por não atingir os requisitos mínimos exigidos. Ou, dito doutra maneira, os professores acharam-no desprovido do indispensável talento musical para frequentar tal casa...

Satie retomaria os estudos quando já contava quase 40 anos de idade, quando, em 1905, se inscreveu na Schola Cantorum de Vincent d'Indy (1851-1931). Bastantes anos depois, portanto, de ter escrito as suas obras mais famosas, as Trois Gymnopédies, inspiradas, segundo informação do autor mas não aceite consensualmente, nos escritos de Gustave Flaubert (1821-1880). Uns dos admiradores destas peças foi o compositor Claude Debussy (1862-1918), que chegou mesma a orquestrá-las, com grande sucesso, ao ponto de quase superarem em popularidade as versões originais. Um pouco à imagem do sucedido com os Quadros de Uma Exposição de Modest Mussorgsky (1839-1881) e a respectiva orquestração efectuada por um outro compositor francês, Maurice Ravel (1875-1937)

Erik Satie faleceu há 84 anos, no dia 1 de Julho de 1925.


CDs




Erik Satie
Sports et divertissements. Enfantillages pittoresques.
Valse-ballet. Fantaisie-valse.
Pascal Rogé (piano)
Decca 455 370-2

Erik Satie
Trois morceaux en forme de poire. Parade. La belle excentrique.
Désespoire agréable. Songe-creux.
Pascal Rogé, Jean-Philippe Collard (pianos), Chantal Juillet (violino)
Decca 455 401-2

Erik Satie
Trois gymnopédies. Six gnossiennes. Trois embryons desséchés.
Morceaux en forme de poire. Trois descriptions automatiques.
Anne Queffélec, Catherine Collard (pianos)
Virgin Classics VM5 61846-2

Erik Satie
Trois Gymnopédies. Pièces Froides - Airs à faire fuir. Embryons
desséchés. Véritable Préludes Flasques (pour un chien). Je te veux.
Joanna MacGregor (piano)
Sound Circus SC902

Erik Satie
Poudre d'or. Avant-dernières pensées. Pièces froides: trois airs
à faire fuire.
Pascal Rogé (piano)
Decca 421 713-2


Internet



Erik Satie
Erik Satie: Homepage / Karadar Classical Music / Naxos / Answers.com / Wikipedia