25/03/2012

SACDs #26: Dvorák, Symphony No.6

Otakar Sourek (1883-1956) é hoje em dia um perfeito desconhecido, mas foi ele quem pôs ordem nas sinfonias do compositor checo Antonín Dvorák (1841-1904), após várias décadas de confusões. Das 9 sinfonias que Dvorák compôs apenas as últimas 5 foram editadas enquanto vivo e, além disso, numa ordem que não teve nada a ver com aquela por que foram escritas. Basta notar no facto de que a primeira sinfonia que editou foi a , corria já o ano de 1880, e que, por via disso, foi de imediato designada por Sinfonia Nº1...

Os últimos anos da década de 1870 tinham sido especialmente favoráveis para o reconhecimento internacional de Dvorák, primeiro com o sucesso das Danças Eslavas e, depois, com o obtido com as Rapsódias Eslavas. A estreia da 3ª Rapsódia Eslava teve lugar em Berlim em Setembro de 1879, sem que Dvorák estivesse presente, mas não faltou à estreia em Viena, em que o maestro austríaco Hans Richter (1843-1916) esteve à frente da Orquestra Filarmónica dessa cidade. Richter, deveras impressionado com a obra, solicitou a Dvorák que escrevesse uma sinfonia para a temporada seguinte, mas o compositor só começaria a trabalhar nela em Agosto de 1880, pelo que a estreia apenas aconteceu em 1881, no dia 25 de Março, passam hoje 131 anos. Apesar de dedicada a Richter, a referida estreia acabou por decorrer não em Viena, conforme previsto, mas em Praga, e com o maestro Adolf Cech (1841-1903) a dirigir a orquestra.

A Sinfonia Nº6 foi a última obra importante do período eslavo do compositor, e não esconde a influência do seu amigo Johannes Brahms (1833-1897), denotando mesmo algumas semelhanças com a Sinfonia Nº2 deste compositor, composta pouco tempo antes, em 1877. Justa homenagem de Dvorák aquele que tanto o ajudou, nomeadamente na publicação de várias das suas obras.




Antonín Dvorák
Symphony No.6 in D major, Op.60.
London Symphony Orchestra
Colin Davis
LSO Live LSO0526
(2004)


Internet



Antonín Dvorák
Classical Net / mfiles / Tribute to Antonín Dvorák 2004 / Classical Archives / Naxos / The Antonín Dvorák Memorial at Vysoká u Príbrami / The Dvorák Society for Czech and Slovak Music / About.com / Answers.com / Wikipedia

18/03/2012

Sextetos de Cordas #1: Verklärte Nacht, de Arnold Schoenberg

Richard Dehmel (1863-1920) foi um importante poeta e escritor alemão, tendo sido por mais de uma vez alvo de acusações de obscenidade e blasfémia, sendo que um tribunal alemão chegou mesmo a ordenar a queima de uma das suas obras, o volume de poesia Weib und Welt. Como é normal nestas coisas, ou este poeta nunca para aqui seria chamado..., houve vários compositores que nele se inspiraram para algumas das suas composições, como Richard Strauss (1864-1949), Alexander Zemlinsky (1871-1942) e Arnold Schoenberg (1874-1951).

Schoenberg começou muito cedo a socorrer-se da obra de Dehmel: 3 das 4 canções que formam o seu opus 2 utilizam versos desse poeta e no mesmo ano em que as compôs, 1899, foi de novo nele que foi buscar inspiração para um sexteto de cordas. Verklärte Nacht (Noite Transfigurada) baseia-se no poema homónimo de Dehmel, pertencendo precisamente ao tal volume banido, Weib und Welt.

Descreve uma história um bocado insólita para servir de pretexto para um sexteto de cordas (uma mulher, durante um passeio ao fim do dia, confidencia ao amante que, ainda antes de o conhecer, ficou grávida de outro, ao que este responde que o amor que sentem um pelo outro tudo superará) mas, aqui entre nós, o que interessa é o resultado final, traduzido num extraordinário sexteto para 2 violinos, 2 violas e 2 violoncelos. Há ainda uma versão para orquestra de cordas elaborada pelo próprio Schoenberg em 1917 e posteriormente revista em 1943.

O sexteto de cordas Verklärte Nacht foi estreado há 110 anos, no dia 18 de Março de 1902.


CDs



Arnold Schoenberg
Variations for Orchestra, Op.31. Verklärte Nacht, Op.4.
Berlin Philharmonic Orchestra
Herbert von Karajan
Deutsche Grammophon 415 326-2
(1993)

Johannes Brahms
Symphony No.1 in C minor, Op.68.
Arnold Schoenberg
Verklärte Nacht, Op.4.
Berlin Philharmonic Orchestra
Herbert von Karajan
Testament SBT1431
(1988)


Internet



Arnold Schoenberg
Arnold Schönberg Center / ThinkQuest / G. Schirmer Inc. / Classical Net /allmusic / Answers.com / Bach Cantatas Website / Wikipedia

04/03/2012

Maestros #55: Bernard Haitink (1929-)

Em Agosto de 2005 tive a oportunidade de assistir a um concerto na Casa da Música em que a Orquestra de Jovens da União Europeia, sob a regência do maestro holandês Bernard Haitink, interpretou a Sinfonia Nº7 do compositor Gustav Mahler (1860-1911). Na altura referi o meu especial apreço por este maestro, em particular pelas suas interpretações das obras de dois dos maiores sinfonistas de todos os tempos, os austríacos Gustav Mahler e Anton Bruckner (1824-1896).

Quando me comecei a interessar mais por estas coisas da música Haitink era o maestro principal da Royal Concertgebouw Orchestra, de Amesterdão, posto que ocupou entre 1964 e 1988. Curiosamente, o fim dessa relação esteve relacionado com a decisão do governo holandês de cortar parte dos subsídios atribuídos à orquestra e que, na opinião do maestro, iriam colocar em causa a qualidade da mesma; em desacordo com a decisão Haitink pôs-se a andar, e só uns bons anos mais tarde voltaria a dirigi-la. Se por cá os nossos responsáveis, em face da situação que vivemos, decidirem tomar decisões semelhantes, vamos registar uma emigração cultural com uma dimensão nunca anteriormente vista...

Bernard Haitink nasceu há 83 anos, no dia 4 de Março de 1929. Por coincidência, foi também num dia 4 de Março, mas do ano de 1895, que Gustav Mahler, conduzindo a Orquestra Filarmónica de Berlim, estreou os 3 primeiros andamentos da Sinfonia Nº2, a primeira a incluir vozes. Um dia hei-de aqui voltar a esta sinfonia e à sua atribulada gestação, que incluiu a apresentação ao piano feita pelo próprio Mahler ao reputado maestro Hans von Bülow (1830-1894), e em que este passou o tempo com os dedos enfiados nos ouvidos...


CD



Gustav Mahler
Symphony No.2 in C minor, 'Resurrection'.
Miah Persson (soprano), Christianne Stotijn (meio-soprano)
Chicago Symphony Chorus
Chicago Symphony Orchestra
Bernard Haitink
CSO Resound CSOR901 916
(2009)


Internet



Bernard Haitink
allmusic / Chicago Symphony Orchestra / The Guardian / Askonas Holt / Fundação Calouste Gulbenkian / The New York Times / The Telegraph / ArkivMusic / Chicago Sun-Times / Wikipedia