23/03/2014

Sinfonias #48: Sinfonia Nº3, de Mieczysław Weinberg

O compositor polaco Mieczysław Weinberg (1919-1996) foi mais um daqueles que o tempo se encarregou de colocar na prateleira dos esquecidos, a tal ponto que hoje raramente as suas obras são interpretadas em público. Nascido em 1919 em Varsóvia, de ascendência judaica, não teve tempo para usufruir no seu país dos estudos efectuados no Conservatório daquela cidade: terminou-os em 1939, e rapidamente teve que se pôr a andar, no caso para a União Soviética, que os tempos adivinhavam-se difíceis. A restante família (pais e irmã) ficariam para trás e não sobreviviriam à brutalidade nazi.

A mudança para a União Soviética não significou, contudo, o fim dos problemas para Weinberg, que viria a ser mais uma das vítimas da política cultural de Andrei Zhdanov (1896-1948); só em 1953, com a morte de Josef Stalin (1879-1953) é que finalmente se viu livre de sarilhos. Apesar de todos estes percalços deixou-nos uma obra vasta, de cerca de centena e meia de peças, das quais apenas as duas primeiras (uma pequena peça para piano solo e um quarteto de cordas) foram escritas na Polónia.

O género sinfónico foi um dos que mais o ocupou, tendo composto 20 sinfonias entre 1942 (Op.10) e 1988 (Op.150), além de 4 "Sinfonias de Câmara". A composição da Sinfonia Nº3 foi iniciada em Março de 1949 e foi com ela que os problemas com Zhdanov & Companhia começaram; ele bem que lá enfiou melodias populares locais, conforme era o desejo das autoridades, mas não as conseguiu impressionar por aí além, tendo tido que adiar a estreia por "ter descoberto alguns erros na partitura"... Estreia essa que acabaria por ter lugar no dia 23 de Março de 1960, passam hoje 54 anos.


SACD


Mieczysław Weinberg
The Golden Key, Op.55 - Suite No.4. Symphony No.3, Op.45.
Gothenburg Symphony Orchestra
Thord Svedlund
Chandos CHSA5089
(2009, 2010)


Internet



Mieczysław Weinberg


16/03/2014

Meios-sopranos #5: Christa Ludwig (1928-)

No dia do 86º aniversário de Christa Ludwig, e na falta de tempo para preparar algo de mais substancial, deixo aqui um par de vídeos onde aparece a interpretar dois dos compositores em que mais se notabilizou: Richard Strauss (1864-1949) e Richard Wagner (1813-1883).

Estes dois documentos são absolutamente históricos, sendo que o primeiro tem ainda o aperitivo extra de Ludwig aparecer acompanhada ao piano pelo lendário Gerald Moore (1899-1987) que, além do mais, ainda faz as honras da casa...




Christa Ludwig

04/03/2014

CDs #234: Vivaldi, Stabat Mater, Clarae Stellae

O compositor italiano Antonio Vivaldi (1678-1741), o padre ruivo, tem sido dos mais nomeados por estas páginas, pela influência decisiva que teve na história da música. Vivaldi consolidou o concerto grosso e foi o grande responsável pela popularização do concerto instrumental, e têm sido estas suas facetas que têm justificado as várias aparições no desNorte. Escreveu igualmente música de cena e vocal, nomeadamente religiosa, e é a este último género que pertencem as obras que constam deste extraordinário disco.

Vivaldi foi, durante muitos e bons anos, responsável musical da Ospedale della Pietà, um convento e orfanato em Veneza, que se viria a tornar igualmente numa reputada escola de música. Pudera, com professores do calibre de Vivaldi... Tendo lá começado, em 1704, apenas como professor de violino, só a partir de 1713 passaria a ter também responsabilidades de composição. Sabe-se, contudo, que já se tinha aventurado a compor música sacra antes de 1713 pois, além de ser uma pessoa de fé (foi ordenado padre quando tinha 25 anos), não era homem para perder uma boa oportunidade e, em 1712, musicou 10 dos 20 versos de Stabat Mater, um poema medieval que descreve a angústia Maria durante a crucificação de Jesus. E como é que se sabe isto?! É que a obra foi uma encomenda da Chiesa della Pace, uma igreja em Bréscia, e o montante pago a Vivaldi aparece nos seus livros...

O cravista e maestro Rinaldo Alessandrini (1960-) é um dos intérpretes mais conceituados da música italiana composta entre 1550 e 1750, nomeadamente da de Claudio Monteverdi (1567-1643) e de Vivaldi. Neste disco Alessandrini aparece a dirigir o Concerto Italiano, um agrupamento que fundou na primeira metade da década de 1980, e conta ainda com a participação do contralto Sara Mingardo.

Antonio Vivaldi nasceu há 336 anos, no dia 4 de Março de 1678.




Antonio Vivaldi
Musica Sacra, Vol.1.

Concerto per la Solennità di S. Lorenzo, RV556. Clarae stellae
scintillate, RV625. Concerto in do maggiore per violino, violoncello,
organo, archi e continuo, RV554a. Concerto funebre, RV579. Stabat
Mater, RV621. Sonata a 4 al Santo Sepolcro, RV130.

Sara Mingardo (contralto)
Concerto Italiano
Rinaldo Alessandrini
Opus 111 OPS 30-261
(1999)


Internet



Antonio Vivaldi
Classical Music Pages / Karadar Classical Music / Naxos / Classical Music Archives / About.com / P. Q. P. Bach / Goldberg / E-biografias / Wikipedia

02/03/2014

Poemas Sinfónicos #5: Aus Italien, de Richard Strauss

Os poemas sinfónicos do compositor alemão Richard Strauss (1864-1949) têm passado por aqui frequentemente, ou não tivesse sido ele um dos grandes promotores do género depois da sua introdução por outro grande compositor, Franz Liszt (1811-1886); este último, se não os inventou, pelo menos deu-lhes a designação e popularizou-os como nunca tinha acontecido até então.

Aus Italien foi o primeiro poema sinfónico que Strauss compôs, cuja escrita foi iniciada ainda durante uma pequena visita que fez a Itália, em 1886, e terminada em Setembro desse mesmo ano. A estreia deste que passa por ser o menos tocado dos poemas sinfónicos deste compositor ocorreu há 127 anos, no dia 2 de Março de 1887. Na ocasião o próprio Strauss dirigiu a orquestra, e se não se pode afirmar que tenha sido um sucesso estrondoso também não foi um rotundo fracasso...


SACD


Richard Strauss
Aus Italien, Op.16. Don Juan, Op.20.
Vienna Radio Symphony Orchestra
Bertrand de Billy
Oehms Classics OC631


Internet



Richard Strauss