24/04/2016

Obras Vocais #13: Music for 18 Musicians, de Steve Reich

A palavra que mais depressa nos vem à mente quando pensamos em Steve Reich (1936-) é "minimalismo", ou não seja ele um dos seus maiores expoentes. Ao ter-se cruzado, ao longo do seu período de formação, com Philip Glass (1937-) e Terry Riley (1935-), o fascínio pela repetição de padrões era quase inevitável.

A obra que primeiro chamou a atenção para Reich e lhe trouxe um reconhecimento generalizado foi Music for 18 Musicians, escrita entre 1974 e 1976 e estreada em Nova Iorque no dia 24 de Abril de 1976, passam hoje 40 anos.

É uma obra obviamente marcada pelo minimalismo mas, ao mesmo tempo, é também a primeira de Reich que apresenta uma assinalável variedade harmónica. Há mesmo quem diga que foi a obra que marcou o fim da fase minimalista do compositor.

Para vos poupar trabalho, posso confirmar que, no vídeo abaixo incluído, com membros do Ensemble InterContemporain, são 18 os músicos de serviço...


CD



Steve Reich
Music for 18 Musicians.
Ensemble Signal
Brad Lubman
Harmonia Mundi HMU90 7608
(2011)


Internet



Steve Reich
The Steve Reich Webiste / Boosey and Hawkes / Wikipedia

17/04/2016

Contraltos #2: Pamela Bowden (1925-2003)

A inglesa Pamela Bowden, contralto, compensou a ausência dos palcos operáticos, onde poucas presenças registou, com uma dedicação extraordinária aos compositores seus contemporâneos, nomeadamente Malcolm Arnold (1921-2006), Lennox Berkeley (1903-1989), Benjamin Britten (1913-1976) e Michael Tippett (1905-1998).

William Blake (1757-1827), que dificilmente poderia ser um contralto..., foi um poeta, pintor e tipógrafo inglês, cuja obra poética, em particular, apenas teve o devido reconhecimento já bem depois da sua morte. Malcolm Arnold musicou 5 poemas de Blake em 1959 ("Five William Blake Songs"), tendo precisamente em vista Pamela Bowden, a quem dedicou as canções. A estreia ocorreu no dia 26 de Março de 1959, naturalmente com a própria Bowden,  e com o compositor a dirigir a orquestra (de cordas).

Dos 5 poemas escolhidos por Arnold este passa por ser o meu preferido:

Memory, hither come

Memory, hither come,
    And tune your merry notes;
And, while upon the wind,
    Your music floats,
I'll pore upon the stream,
    Where sighing lovers dream,
And fish for fancies as they pass
    Within the watery glass.

I'll drink of the clear stream,
    And hear the linnet's song;
And there I'll lie and dream
    The day along:
And, when night comes, I'll go
    To places fit for woe,
Walking along the darken'd valley,
    With silent Melancholy.

Pamela Bowden nasceu há 91 anos, no dia 17 de Abril de 1925.


CD



Malcolm Arnold
Peterloo Overture, Op.97. Concerto for Two Pianos (three hands) & Orchestra, Op.104.
Song of Simeon - A Nativity Masque, Op.69. Viola Concerto, Op.108. Four Cornish Dances, Op.91.
The Fair Field - Overture, Op.110. Concerto for Two Violins, Op.77.
Fantasy for Solo Harp, Op.117. Sinfonietta No.1, Op.48. Horn Concerto No.2, Op.58.
Five Blake Songs, Op.66.
Ann Dowdall, Ursula Connors (sopranos), Jean Allister, Pamela Bowden (contraltos),
Ian Partridge (tenor), Christopher Keyte, Forbes Robinson (baixos), Simon Hutton (narrador),
Roger Best (viola)
BBC Symphony Orchestra, Northern Sinfonia, London Symphony Orchestra,
English Chamber Orchestra, BBC Northern Orchestra
Malcolm Arnold
BBC Radio Classics 15656 91817-2
(1966, 1967, 1968, 1969, 1971, 1973, 1976, 1977)


Internet



Pamela Bowden
The Telegraph / Wikipedia

09/04/2016

Obras Orquestrais #29: Amériques, de Edgard Varèse

Edgard Varèse (1883-1965), parisiense de nascimento. dividiu os primeiros anos de vida entre a França, Itália e a Alemanha, onde viveu entre 1907 e 1915. As dificuldades em arranjar um emprego regular que lhe desse um mínimo de estabilidade levaram-no a mudar-se para os Estados Unidos, acabando mesmo por adquirir a cidadania norte-americana em 1926.

Um incêndio em Berlim tinha destruído a quase totalidade das partituras das obras que escreveu em solo europeu, pelo que Amériques, a primeira obra que compôs em solo americano, se tornou, na prática, na primeira do seu percurso como compositor.

Escrita entre 1918 e 1921, foi estreada por Leopold Stokowski  (1882-1977) e a Orquestra de Filadélfia no dia 9 de Abril de 1926, passam hoje 90 anos.


CDs



Edgard Varèse
The Complete Works
Tuning Up. Amériques. Déserts. Hyperprism. Poème électronique. Arcana. Nocturnal.
Un grand sommeil noir. Offrandes. Octandre. Intégrales. Ecuatorial. Ionisation.
Density 21.5. Dance for Burgess.
Sarah Leonard, Mireille Delunsch (sopranos), Kevin Deas (baixo), Jacques Zoon (flauta),
François Kerdoncuff (piano), Edgard Varèse (electrónica)
ASKO Ensemble
Prague Philharmonic Chorus
Royal Concertgebouw Orchestra
Riccardo Chailly
Decca 460 208-2

Edgard Varèse
Amériques. Arcana. Déserts. Ionisation.
Chicago Symphony Orchestra
Pierre Boulez
Deutsche Grammophon 471 137-2
(1995, 1996)

Edgard Varèse
Orchestral Works, Vol.2
Amériques. Ecuatorial. Nocturnal. Ionisation. Hyperprism. Densité 21.5. Un grand sommeil noir.
Dance for Burgess. Tuning Up.
Elizabeth Watts (soprano), Maria Grochowska (flauta), Thomas Bloch (onde),
Christopher Lyndon-Gee (piano)
Camerata Silesia
Polish National Radio Symphony Orchestra
Christopher Lyndon-Gee
Naxos 8.557882
(2005)


Internet



Edgard Varèse
Carnegie Hall / allmusic / Wikipedia

03/04/2016

Pianistas #45: Lili Kraus (1903-1896)

Lili Kraus ainda foi daquele tempo em que nós olhamos para a lista de professores que teve e não conseguimos deixar de ficar impressionados; hoje em dia, parece-me, já não é tanto assim, sendo difícil identificar muitos que se distingam simultaneamente como professores e compositores.

Voltando a Lili Kraus e ao meu ponto inicial, reparemos nalguns dos professores que ajudaram na sua formação:

Primeiro em Budapeste, cidade onde nasceu e frequentou a Academia de Música: Zoltán Kodály (1882-1967) e Béla Bartók (1881-1945);

Depois em Viena, onde encontrou Eduard Steuermann (1892-1964), que também foi professor de Alfred Brendel (1931-), e Artur Schnabel (1882-1951).
    Nos vídeos que incluo a seguir aparece a interpretar obras de um dos compositores em que mais se distinguiu, Franz Schubert (1797-1828).

    Lili Kraus nasceu há 111 anos, no dia 3 de Abril de 1905.


    CD



    'Great Pianists, Vol.1'
    Ludwig van Beethoven
    Piano Concerto No.4 in G major, Op.58.
    Carl Maria von Weber
    Konzertstück for Piano and Orchestra in F minor, Op.79.
    Sergei Rachmaninov
    Rhapsody on a Theme of Paganini, Op.43.
    Wilhelm Backhaus (piano), New York Philharmonic Orchestra, Guido Cantelli
    Lili Kraus (piano), Concertgebouw Orchestra, Pierre Monteux
    Arthur Rubinstein, New York Philharmonic Orchestra, Victor de Sabata
    Guild GHCD2349
    (1956, 1939, 1953)


    Internet



    Lili Kraus
    The New York Times / Naxos / Wikipedia