30/04/2017

Poetas #13: Jens Peter Jacobsen (1847-1885)

O poeta (e romancista e cientista) dinamarquês Jens Peter Jacobsen teve uma vida muito curta (faleceu pouco depois de ter completado 38 anos) e uma obra não muito vasta, mas suficientemente relevante para ter marcado e influenciado muito boa gente, contando-se entre ela nomes como Henrik Ibsen (1828-1906), D. H. Lawrence (1885-1930), Thomas Mann (1875-1955) e Rainer Maria Rilke (1875-1926), para mencionar apenas alguns.

Na Primavera do primeiro ano do século XX o compositor austríaco Arnold Schoenberg (1874-1951) iniciou a escrita do oratório Gurrelieder, com base em poemas de Jens Peter Jacobsen. A composição propriamente dita ficou terminada no ano seguinte, mas a orquestração apenas ficaria finalizada em 1911. É que aquilo que o compositor começou por pensar que seria um trabalho ligeiro acabou por se revelar bem mais complexo, pois não tardou a aperceber-se de que os textos de Jacobsen pediam e mereciam algo de bastante mais profundo.

Jens Peter Jacobsen faleceu há 132 anos, no dia 30 de Abril de 1885.


CD



Arnold Schoenberg
Gurrelieder.
Karita Mattila (soprano), Anne Sophie von Otter (mio-soprano), Thomas Moser,
Philips Langridge (tenores), Thomas Quasthoff (baixo-barítono)
Berlin Radio Chorus
Berlin Philharmonic Orchestra
Simon Rattle
EMI 5 57303-2
(2001)


Internet



Jens Peter Jacobsen
Goodreads / Denmark.dk / Wikipedia

23/04/2017

Pianistas #50: Colin Horsley (1920-2012)

Lennox Berkeley (1903-1989) foi mais um dos ilustres alunos da extraordinária professora Nadia Boulanger (1887-1979), que começou pela composição mas que cedo se virou para o ensino, após a morte em 1918 da sua irmã Lili Boulanger (1893-1918). E que sucesso ela teve no ensino, a lista dos alunos que passaram pelas suas aulas é algo de único no mundo da música.


Pois do inglês Lennox Berkeley diz-se habitualmente que deixou uma marca indelével na música britânica, apesar de não ter atingido a notoriedade de Benjamin Britten, Michael Tippett ou William Walton, o que é, simultaneamente, uma coisa simpática e assim não tão simpática para se dizer sobre alguém, mas que, neste caso, não andará longe da realidade.

O pianista Colin Horsley não era inglês, longe disso (se atendermos ao facto da Nova Zelândia ficar do outro lado do globo...), mas foi estudar para Londres em 1936 e acabaria por desenvolver toda a sua carreira em Inglaterra. Além de ter encomendado algumas obras a Lennox Berkeley, teve a oportunidade de estrear um apreciável número de outras deste compositor, entre as quais, em 1948, o Concerto para Piano, uma obra que tinha sido finalizada nesse mesmo ano.

Colin Horsley nasceu no dia 23 de Abril de 1920, passam hoje 97 anos.


CDs



'Colin Horsley - Rachmaninoff Preludes & Transcriptions'
Colin Horsley (piano)
Atoll Music ACD442
(1954-59)

Frederick Delius
Violin Sonata No.2.
Edward Elgar
Violin Sonata in E minor, Op.82.
William Walton
Violin Sonata.
Max Rostal (violino), Colin Horsley (piano)
Testament SBT1319

Lennox Berkeley
Piano Sonata in A major, Op.20. Six Preludes, Op.23. Scherzo in D major, Op.32 No.2.
Impromptu in G minor, Op.7 No.1.
Arthur Benjamin
Pastorale, Arioso and Finale. Scherzino. Études Improvisées. Siciliana.
Colin Horsley, Lamar Crowson (pianos)
Lyrita REAM2109


Internet



Colin Horsley
The Telegraph / the guardian / Independent / Wikipedia

16/04/2017

Obras Orquestrais #33: Lichens, de Iannis Xenakis

Iannis Xenakis (1922-2001) cedo começou a utilizar nas suas composições os vastos conhecimentos matemáticos que possuía, baseando muitas das suas obras em programas informáticos e equações matemáticas por ele desenvolvidos. Não será, portanto, de admirar, que vários distintos nomes da música o tenham rejeitado como aluno, numa altura em que ele já vivia em Paris: Nadia Boulanger (1887-1979), primeiro, Arthur Honegger (1892-1955) e Olivier Messiaen (1908-1992), depois. Este último, sabedor do curriculum do candidato a aluno, depois de salientar a idade de Xenakis (na altura com quase 30 anos) e a sorte que este tinha em ser grego, arquitecto e ter estudado matemática, aconselhou-o a tirar o melhor partido de tudo isso nas suas obras musicais e... despachou-o...

Xenakis deixou-nos um significativo conjunto de obras instrumentais, de música de câmara, orquestrais e "avant-garde". Lichens, de 1983, é uma obra orquestral para 96 músicos, com uma duração aproximada de 16 minutos, e que foi estreada pela Orquestra Filarmónica de Liège, dirigida por Pierre Bartholomée (1937-), no dia 16 de Abril de 1984, passam hoje 33 anos.


CD



Iannis Xenakis
Jonchaies. Shaar. Lichens. Antikhthon.
Luxembourg Philharmonic Orchestra
Arturo Tamayo
Timpani 1C1062


Internet



Iannis Xenakis
Iannis Xenakis / the guardian / Wikipedia

08/04/2017

Obras Orquestrais #32: Arcana, de Edgard Varèse

Paracelso (1493-1541) foi daquele tempo em que muito boa gente sabia muito de muita coisa, em evidente contraste com os tempos actuais, em que, neste país, a maior parte das pessoas abandona a meio o percurso escolar, saindo lá sem saber quase nada de coisa alguma. Assim, o nosso Paracelso, nascido em Einsiedel, Suíça, foi médico, filósofo, físico, botânico, astrólogo e ocultista, pelo que, além se ter especializado em ciências, possuía também um especial conhecimento do oculto/paranormal.


O compositor de origem francesa, mais tarde naturalizado americano, Edgard Varèse (1883-1965), tinha uma particular admiração por Paracelso, tendo mesmo chegado a afirmar que "podem considerar Paracelso como um dos meus amigos". Varèse compôs entre 1925 e 1927 a obra orquestral Arcana, por ele apresentada como um poema sinfónico, e cujo título, "Arcano" em português, significa misterioso, enigmático, remete precisamente para escritos de Paracelso. Esta obra de Varèse, contudo, não se inspira em Paracelso, tendo, isso sim, sido composta em sua homenagem.

A estreia de Arcana teve lugar em Filadélfia, Estados Unidos, no dia 8 de Abril de 1927, passam hoje 90 anos. À frente da Orquestra de Filadélfia esteve o já nosso bem conhecido Leopold Stokowski (1882-1977), de que foi maestro principal entre 1912 e 1940.


CDs



Edgard Varèse
The Complete Works.
Sarah Leonard, Mireille Delunsch (sopranos), Kevin Deas (baixo), Jacques Zoon (flauta),
François Kerdoncuff (piano), Edgard Varèse (electrónica)
ASKO Ensemble
Prague Philharmonic Chorus
Royal Concertgebouw Orchestra
Riccardo Chailly
Decca 460 208-2

Edgard Varèse
Amériques. Arcana. Déserts. Ionisation.
Chicago Symphony Orchestra
Pierre Boulez
Deutsche Grammophon 471 137-2
(1995, 1996)


Internet



Edgard Varèse
the guardian / allmusic / Wikipedia

02/04/2017

Sinfonias #56: Sinfonia Nº4, de Hartmann

Karl Amadeus Hartmann (1905-1964) foi um compositor alemão que ganhou especial proeminência após o final da Segunda Grande Guerra, ao organizar uma série de concertos na sua terra natal, Munique, designada por Musica Viva, com o objectivo de divulgar os compositores do século XX. Autor de óperas, música vocal, de câmara e instrumental e de concertos, foi na vertente sinfónica que mais se salientou. A primeira incursão no género foi Miserae, um poema sinfónico estreado em Praga em 1935, e que mereceu a reprovação do regime nazi, o que acabou por impedir a sua interpretação por longo tempo em solo germânico.

Hartmann compôs um total de 8 sinfonias, escritas entre 1936 (Sinfonia Nº1, revista em 1950) e 1962, o ano anterior ao da sua morte. A Sinfonia Nº4, composta entre 1947 e 1948, aproveitou parte de um anterior Concerto para Cordas e Soprano, de 1938, e iria ser estreada pela Orquestra Sinfónica da Rádio da Baviera no dia 2 de Abril de 1948, passam hoje 69 anos.


CDs



Karl Amadeus Hartmann
Symphonies 1-8.
Cornelia Kallisch (alto), Arno Bornkamp (saxofone barítono)
Bamberg Symphony Orchestra
Ingo Metzmacher
EMI Classics 5 56911-2
(1993-6)

Karl Amadeus Hartmann
Concerto funebre. Symphony No.4. Chamber Concerto.
Isabelle Faust (violino), Paul Meyer (clarinete)
Petersen Quartet
Munich Chamber Orchestra
Christoph Poppen
ECM New Series 465 779-2


Internet



Karl Amadeus Hartmann
The OREL Foundation / Schott Music / Wikipedia