08/04/2017

Obras Orquestrais #32: Arcana, de Edgard Varèse

Paracelso (1493-1541) foi daquele tempo em que muito boa gente sabia muito de muita coisa, em evidente contraste com os tempos actuais, em que, neste país, a maior parte das pessoas abandona a meio o percurso escolar, saindo lá sem saber quase nada de coisa alguma. Assim, o nosso Paracelso, nascido em Einsiedel, Suíça, foi médico, filósofo, físico, botânico, astrólogo e ocultista, pelo que, além se ter especializado em ciências, possuía também um especial conhecimento do oculto/paranormal.


O compositor de origem francesa, mais tarde naturalizado americano, Edgard Varèse (1883-1965), tinha uma particular admiração por Paracelso, tendo mesmo chegado a afirmar que "podem considerar Paracelso como um dos meus amigos". Varèse compôs entre 1925 e 1927 a obra orquestral Arcana, por ele apresentada como um poema sinfónico, e cujo título, "Arcano" em português, significa misterioso, enigmático, remete precisamente para escritos de Paracelso. Esta obra de Varèse, contudo, não se inspira em Paracelso, tendo, isso sim, sido composta em sua homenagem.

A estreia de Arcana teve lugar em Filadélfia, Estados Unidos, no dia 8 de Abril de 1927, passam hoje 90 anos. À frente da Orquestra de Filadélfia esteve o já nosso bem conhecido Leopold Stokowski (1882-1977), de que foi maestro principal entre 1912 e 1940.


CDs



Edgard Varèse
The Complete Works.
Sarah Leonard, Mireille Delunsch (sopranos), Kevin Deas (baixo), Jacques Zoon (flauta),
François Kerdoncuff (piano), Edgard Varèse (electrónica)
ASKO Ensemble
Prague Philharmonic Chorus
Royal Concertgebouw Orchestra
Riccardo Chailly
Decca 460 208-2

Edgard Varèse
Amériques. Arcana. Déserts. Ionisation.
Chicago Symphony Orchestra
Pierre Boulez
Deutsche Grammophon 471 137-2
(1995, 1996)


Internet



Edgard Varèse
the guardian / allmusic / Wikipedia

Sem comentários:

Enviar um comentário