12/11/2017

Poemas Sinfónicos #8: In the Steppes of Central Asia, de Alexander Borodin

Um dos objectivos do czar Alexandre II (1818-1881) foi o de aumentar o território russo, expandindo-o para a Sibéria e para o Cáucaso, território russo que tinha anteriormente mingado quando vendeu o Alasca aos Estados Unidos. Em 1880, ano em que se assinalariam os 25 anos do reinado do imperador, foi lançada a ideia de organizar um festival para celebrar condignamente os feitos de Alexandre II. Para o efeito foram contactados 12 compositores russos para comporem a música para as várias cenas dos dramas que seriam apresentados, só que bem antes do festival começar já os dois produtores responsáveis (??) tinham desaparecido.

Aparentemente dos 12 compositores apenas um, Alexander Borodin (1833-1887), acabou por aparecer com uma obra, o poema sinfónico In the Steppes of Central Asia que, mesmo sem festival algum, acabaria por ser estreada passado pouco tempo, no dia 20 de Abril de 1880. Curioso é o facto de o único compositor a chegar-se à frente ter sido aquele que menos se dedicava à composição: apesar de pertencer ao afamado grupo de compositores russos "Os Cinco", Borodin era, antes de mais, médico e químico, dedicando-se à composição apenas nos tempos livres.

Alexander Borodin nasceu há 184 anos, no dia 12 de Novembro de 1833.


CDs



Alexander Borodin
Symphony No.2 in B minor. In the Steppes of Central Asia.
Prince Igor - Overture; Polovtsian Dances.
Royal Philharmonic Orchestra
Ole Schmidt
Regis Records RRC1215

Alexander Borodin
Symphonies - No.1 in E flat; No.2 in B minor. In the steppes of Central Asia.
Royal Philharmonic Orchestra
Vladimir Ashkenazy
Decca 436 651-2

Mili Balakirev
Islamey (arr. Lyapunov).
Alexander Borodin
In the Steppes of Central Asia.
Nikolai Rimsky-Korsakov
Scheherazade, op.35.
Kirov Orchestra
Valery Gergiev
Philips 470 840-2


Internet



Alexander Borodin
Classical Net / Casa da Música / Wikipedia


2 comentários:

  1. Pedindo desculpa pela intromissão, pergunto: porquê o título em inglês "In the Steppes of Central Asia", e não "Nas Estepes da Ásia Central", como sempre lhe ouvi chamar em português? De resto, este é um belo exemplo de música descritiva, em que "vemos" de forma quase palpável uma caravana percorrendo a infinita planura. As interpretações são também excelentes. Muito obrigado por nos dá-las a ouvir.

    ResponderEliminar
  2. Tem razão! A questão é que quase todos os discos que tenho vieram de Inglaterra e para evitar possíveis erros de tradução (por vezes na internet aparecem as mais diversas designações para a mesma obra) tenho optado por deixar ficar os títulos em inglês...

    ResponderEliminar